Vapor d’água – um importante componente da atmosfera



No post anterior (veja aqui) falamos sobre os principais gases que compõe a atmosfera, mas não mencionamos o vapor d’água. Ou seja, no post passado consideramos uma atmosfera completamente seca.

Hoje vamos falar do vapor d’água. Os demais gases citados no post anterior apresentam sua concentração praticamente constante em todos os locais de nosso planeta. Sendo assim, seja no Pólo Sul , na Floresta Amazônica ou em qualquer outro lugar, as quantidades de Nitrogênio, Oxigênio, Argônio, Kriptônio, Hélio, etc permanecem com os mesmos valores citados nos gráficos do post:

Essa imagem complementa-se com a próxima
Outros gases que compõe a atmosfera, mas em quantidades muito pequenas, inferiores a 1%.

Já o vapor d’água varia bastante ao longo de todo planeta. Em termos de porcentagem, a concentração de vapor d’água no planeta pode variar de quantidades muito pequenas, próximas de 0% até 4% aproximadamente. O vapor d’água presente na atmosfera fica quase que em sua totalidade limitado a troposfera, a primeira camada da atmosfera. Sendo assim, as demais camadas da atmosfera possuem quantidades muito desprezíveis de vapor d’água.

Adaptado para o português de AHRENS, C.D.: Meteorology Today 9th Edition
Adaptado de AHRENS, C.D.: Meteorology Today 9th Edition

Vamos fazer o que chamo de exercício mental. Apresento abaixo duas fotos, com duas paisagens bem diferentes de nosso planeta. Onde há mais vapor d’água?

Deserto do Saara e Floresta Amazônica
Deserto do Saara e Floresta Amazônica

Certamente desses dois locais da foto acima, a floresta apresenta mais vapor d’água do que o deserto. A atmosfera apresenta mais vapor d’água em locais onde ocorre mais evaporação.

Mas, o que é a evaporação?

Ocorre evaporação quando uma substância passa do estado líquido para o gasoso.

Vamos pensar na evaporação em nosso dia-a-dia em cinco exemplos:

1) Quando as donas-de-casa colocam a roupa para secar, a água das roupas evapora, secando as roupas:

2) As poças d’água que se formam na rua durante a chuva evaporam-se, deixando a rua seca novamente:

3) Quando lavamos nossas mãos, na ausência de uma toalha para secá-las, o que fazemos? Balançamos as mãos para que elas se sequem:

4) Quando esquecemos de regar uma planta, ela se seca e fica murcha:

5) E quando o cabelo está molhado e usamos o secador?

Pensando nesses cinco  exemplos, podemos concluir que pelo menos dois fatores contribuem para que ocorra a evaporação:

Vento: Se estendermos nossa roupa úmida ao ar livre em um dia com muito vento, as roupas secam-se mais rapidamente do que em um dia com vento mais fraco. Quando agitamos nossas mãos, o efeito é parecido com o vento, e as mãos secam-se mais rapidamente do que se não tivéssemos agitado. E o ar que sai do secador de cabelo sai com uma certa velocidade: uma espécie de ‘vento artificial’.

Temperatura: se a roupa molhada for exposta ao Sol, por exemplo, ela seca bem mais rápido do que se estiver dentro de casa.  Muitas pessoas usam o ferro de passar roupa para secar uma peça de roupa úmida. E também não podemos esquecer de mencionar o secador de cabelo, que através de um jato de ar quente cumpre sua função. E sem esquecer que em dias quentes, as plantas que mantemos em nossas casas precisam de mais água! Inclusive nosso corpo precisa de mais hidratação em dias quentes!

Então vocês podem argumentar: a temperatura é alta no deserto! Sim, alguns desertos podem ser realmente quentes. No Deserto do Saara, a temperatura já chegou a 58°C, na região de Al’Aziziyah, na Líbia, no dia 13 de setembro de 1922. Devemos entretanto lembrar que existem desertos muito frios também. A própria Antártica é um deserto. Nos desertos, também pode haver ventos fortes. Quem nunca ouviu falar das areia que se move em alguns desertos, modificando as paisagens todos os dias?

Fotografia de Luca Galuzzi – www.galuzzi.it

O que caracteriza um deserto é a pouca quantidade de chuva, tão pouca, que quase nenhuma planta resiste. Sendo assim, em alguns desertos, como o Saara, podemos ter temperaturas altíssimas, mas não temos fontes de evaporação.

Saindo dos nossos exemplos (roupas molhadas, poças d´água, mãos molhadas, plantas em casa, cabelos molhados), quais seriam as fontes de evaporação da natureza? Regiões densamente vegetadas, rios, grandes lagos e oceanos são locais com essa característica. No mapa abaixo, temos a distribuição de vapor d’água ao redor do mundo:

Concentração Média de Vapor d’água no dia 30/01/2005 – MODIS

Na imagem acima, obtida graças as medições do sensor MODIS[1], um equipamento sofisticado instalado nos satélites Aqua e Terra da Nasa, podemos ver algumas medições feitas em vários pontos de nosos planeta. Vemos nas cores amarela, laranja e vermelho as regiões do planeta com maiores concentrações de vapor d’água. Essas regiões coincidem aproximadamente com a faixa tropical do planeta (próximo ao Equador), já que essas regiões são mais quentes. O deserto da Saara, localizado no norte da África, é uma grande mancha azul e roxa nessa figura (que corresponde a pouca evaporação, na escala de cores).

Os locais onde ocorre muita evaporação normalmente coincidem com os locais onde ocorrem muitas chuvas. No próximo post, abordaremos em mais detalhes ciclo d’água e assim poderemos compreender melhor a ligação entre chuva e evaporação.

E como sempre peço aos leitores: se alguém tiver alguma dúvida ou comentário a respeito do conteúdo apresentado neste post, seja bem vindo e escreva! Gosto de ler os comentários!

Bibliografia:

– AHRENS, Donald C.: Meteorology today: an introduction to weather, climate, and the environment. Cengage Learning, 2007

Evaporation, Wikipedia – the free encyclopedia

Desert, Wikipedia – the free encyclopedia

– As imagens dos exemplos foram retiradas do site Free Digital Photos. Clicando nas imagens, o leitor é redirecionado para as galerias de onde elas vieram.

– [1] MODIS:  Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer é o nome técnico de um sensor que está a bordo  dos satélites Terra e Aqua, operados pela NASA. Mais informações aqui.