As nuvens possuem nomes?

Posted by on 15-out-2011 in Blog, Nuvens | 5 comments

O post anterior finalizou com uma imagem muito interessante, que ilustra o levantamento forçado de ar durante a passagem de uma frente fria:

Figura 1: Levantamento forçado de ar durante a passagem de uma frente fria. Adaptado de Thomson Higher Education

 

Na figura acima, vemos vários tipos de nuvens ilustrados e cada um desses tipos está associado com uma sigla: Cb, Ac, Cs, Ci…. Neste post, nós aprenderemos o que acada uma dessas siglas significa.

Ao longo de toda a história, muitas pessoas curiosas observaram as nuvens. Essas pessoas notaram que as nuvens possuem tamanho, forma, espessura e até coloração muito diferenciadas entre si. Não existe uma nuvem exatamente igual a outra, mas existem nuvens muito parecidas.

Em 1802, um cientista britânico chamado Luke Howard, que era um sistemático observador das nuvens, criou uma classificação de nuvens baseando-se nas suas características principais, com relação ao seu aspecto físico. Howard utilizou palavras em latim para nomear as nuvens:

- “Cirrus”, que significa tufo de cabelo;

-  “Cumulus”, que significa amontoado;

- “Stratus”, que significa camada;

- “Nimbus”, que significa chuva.

Esses nomes em latim são utilizados até hoje para classificar as chuvas. Em algumas situações, esses nomes aparecem juntos.

Na figura 1 vemos que algumas nuvens estão em alturas diferentes. Vamos observar esse fato com mais cuidado, na Figura 2:

Figura 2: Alturas dos diferentes tipos de nuvens. Adaptado de AHRENS, C.D.: Meteorology Today 9th Edition

As nuvens também são classificadas de acordo com sua altura (Figura 2). Vamos falar de cada altura separadamente:

NUVENS ALTAS

Compreendem as nuvens tipo Cirrocumulus (Cc), Cirrostratus (Cs) e Cirrus (Ci). São encontradas em alturas superiores a 7000m.

- Cirrus (Ci): É uma nuvem muito tênue. Seu aspecto muitas vezes lembra um véu. A nuvem branca e tênue contrasta com o céu azul. Não é uma nuvem de chuva. Normalmente está relacionada com mudança de tempo nas próximas 12h-36h (ela está relacionada com a aproximação de uma frente fria, conforme vemos na Figura 1).

Figura 3: Nuvem Cirrus. Foto de Simon Eugster

 

- Cirrocumulus (Cc): Essa é também uma nuvem alta. Caracteriza-se por pequenos floquinhos, muito pequenos, com formato de grânulos ou rugas. Em algumas situações aparecem com um efeito ondulado, lembrando escamas de peixe. Muitas vezes são vistas em conjunto com nuvens tipo Cirrus (Ci) e Cirrostratus (Cs).

Figura 4: Nuvem tipo Cirrocumulus. Foto de Wikimedia Commons

- Cirrostratus (Cs): são nuvens muito finas, compostas por cristais de gelo. Indicam a presença de umidade na alta atmosfera e podem ser um indício de chuva nas próximas 12h-24h. Normalmente essas nuvens são visíveis na forma de um belo fenômeno atmosférico chamado Halo, que consiste em um círculo luminoso em torno do disco solar ou do disco lunar.

Figura 5: Halo em torno do Sol. Foto de Taluana Furlan

NUVENS MÉDIAS

Compreende as nuvens tipo Altocumulus(Ac) e Altostratus(As). Normalmente são encontradas em alturas aproximadamente entre 2000m e 7000m (figura 2).

Uma curiosidade: as nuvens médias vem com o prefixo Alto. Em latim, a palavra ‘alto’ dá uma idéia de ‘posição intermediária’.

- Altocumulus (Ac): Essa nuvem aparece no céu em pequenos tufos ou elementos, com bordas não muito definidas. Entre cada um desses elementos, há um pequeno espaço onde podemos ver o céu azul visível. Essas nuvens surgem normalmente antes de uma frente fria.

Figura 6: Típica formação de nuvens Altocumulus. Fonte: Wikimedia Commons

Em algumas situações, quando o ar é forçado a subir uma montanha e há ventos muito intensos na altura onde as nuvens médias se formam (entre 2000m e 7000m), as nuvens Altocumulus ganham uma curiosa caraterísticas e formam as nuvens lenticulares, que são tecnicamente chamadas de Altocumulus lenticularis. Falamos um pouco mais de nuvens lenticulares aqui.

Figura 7: Nuvem lenticular (ou Altocumulus lenticularis) sobre o Monte Ranier em Kent, Washington, Estados Unidos. Foto de Ken Smith.

Em algumas situações, as nuvens altocumulus podem ser confundidas com as nuvens baixas Cumulus (Cu) ou Stratocumulus (Sc) que veremos adiante. Porém, o tamanho de cada uma das nuvens é ligeiramente maior. Um teste normalmente feito pelos observadores de nuvem é o seguinte:

  • Estenda o braço com o punho fechado. Se cada uma das nuvens tiver o tamanho aproximado de seu polegar, trata-se de uma nuvem Altocumulus;
  • Se a nuvem for aproximadamente do tamanho de seu punho fechado, trata-se de uma nuvem Cumulus ou Stratocumulus.

- Altostratus (As): É uma nuvem bastante tênue, com uma coleração mais escura que a também tênue Cirrustratus. É uma nuvem também associada a aproxmação de frentes frias. Sua mais importante características para distingui-la é o aspecto borrado que ela dá ao disco solar.

Quando uma nuvem deste tipo encobre o Sol, não conseguimos ver com clareza o disco solar. Ele fica borrado, um pouco turvado. É possível, no entanto, saber que o Sol encontra-se atrás da nuvem devido a claridade.

Figura 8: Nuvem Altostratus. O disco solar fica borrado atrás dela. Fonte: Wikimedia Commons

 

NUVENS BAIXAS

São nuvens cuja base está localizada em uma altura inferior a 2000m. Nessa categoria encontram-se as nuvens tipo Stratus (St), Stratocumulus (Sc), Nimbustratus (Ns) e Cumulus (Cu).

- Stratus (St): São nuvens que normalmente apresentam coloração ligeiramente acizentada e são muito baixas, podendo inclusive tocar a superfície. Quando tocam a superfície, são chamadas de neblina, nevoeiro, cerração ou ruço, dependendo da região do país e nessas situações prejudicam muito a visibilidade, podendo fazer com que aeroportos ou estradas sejam fechados.

Figura 9: Intenso nevoeiro em uma estrada na Califórnia – EUA. Wikimedia Commons

Nuvens tipo Stratus podem produzir uma garoa muito fininha ou alguns floquinhos de neve, mas nunca uma chuva muito intensa. Há situações em que o céu está completamente cinza e não conseguimos nem ver o Sol. Em situações assim, normalmente o céu está encoberto por uma densa camada de nuvens Stratus. Nuvens Stratus, portanto, não estão associadas apenas a nevoeiros.

Figura 10: Nuvem Stratus encobrindo totalmente o céu. Wikimedia Commons

- Stratocumulus (Sc): são nuvens escuras, e com algum desenvolvimento vertical, sendo mais altas do que as nuvens Stratus. Enquanto as nuvens Stratus apresentam-se em uma grande e uniforme camada, as nuvens Stratocumulus apresentam elementos individuais. Em algumas situações, são confundidas com as nuvens médias Altocumulus, mas para evitar esta confusão, o observador da nuvem deve esticar o punho fechado. Se cada uma das nuvens tiver o tamanho aproximado do punho fechado, temos uma nuvem tipo Stratocumulus. Se for aproximadamente do tamanho do polegar, temos uma nuvem Altocumulus.

Figura 11: Nuvem Stratocumulus. Fonte: Muriel Martin Online

- Nimbostratus (Ns): São nuvens bastante espessas, que deixam o céu uniformemente cinzas e escuros. Quando elas surgem durante o dia, as luzes de iluminação pública chegam a se acender, tamanha é a escuridão. É uma nuvem de chuva bastante persistente e intensa, porém sem raios, relâmpagos ou trovões. Quando ocorre neve, normalmente este tipo de nuvem é o que está associado.

Figura 12: Nuvem tipo Nimbustratus. Fonte: NASA/S’COOL


- Cumulus (Cu): Nuvens cumulus são normalmente formadas pelo processo de convecção. São nuvens muito comuns, principalmente nas manhãs de dias de verão com muito calor. Elas caracterizam-se por serem muito fofinhas, terem os contornos muito bem definidos. Muitas vezes, nossa imaginação as relaciona seu formato com pipocas ou ovelhinhas.

Figura 13: Nuvens tipo Cumulus. Aqui eu consigo ver uma galinha e um cachorro. E você, o que consegue ver? :-)

Como as nuvens tipo Cumulus podem crescer verticalmente, elas também são chamadas de nuvens de desenvolvimento vertical (Figura 2). Em um dia bastante quente, quando muitas parcelas de ar quente (ou termas) se formam e sobem, temos o consequente aumento dessas nuvens (leia aqui sobre convecção). Essas nuvens podem então aumentar seu tamanho, virando grandes e pesadas nuvens de chuva chamadas Cumulonimbus (Cb):

Figura 14: Nuvem de tempestade na Praça Panamericana – São Paulo-SP. É uma nuvem do tipo Cumulonimbus Foto de Taluana Furlan

Figura 15: Nuvem Cumulonimbus com raio. Fonte: David Pepper wiki

Essas nuvens possuem muita chuva. Como possui grandes cristais de gelo, em algumas situações a chuva cai na forma de granizo. Em dias muito quentes de verão, esse tipo de nuvem é bastante comum em todo o Brasil. Essas nuvens possuem tanta chuva, que muitas vezes trazem transtornos, como alagamentos e deslizamentos de terra. Essas nuvens também podem vir com raios, relâmpagos e trovões.

Figura 16: Granizo, sempre originados de nuvens Cumulonimbus. Fonte: Wikimedia Commons

 

Na apresentação abaixo, você pode ver um super resumo sobre este tópico. Nos próximos posts, falaremos muito mais sobre nuvens e exploraremos muito mais a nossa atmosfera.

 

Bibliografia

- JetStreamMAx – Online School for weather. Cloud Classification. NOAA.

-  Children’s Weather Encyclopedia, Louise Spilsbury. Parragon

- AHRENS, C.D.: Meteorology Today 9th Edition

- FORSDYKE, A.G.: Previsão do tempo e clima. Coleção prisma. ed. Melhoramentos. l978

- S’COOL. Cloud Types Tutorial. NASA

- Algumas das fotos de nuvens foram tiradas da Wikimedia Commons, que são os arquivos da Wikipedia. Para mais informações sobre cada uma das fotos, clique nelas.

- Web Weather for Kids. UCAR

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 Comments

  1. legal ja estudei sobre as nuves no 2 ano ass belle.

  2. sao so essas as nuvens pq eu queria um site q tinha o nome e a imagens ai eu n tinha visto esse site e tive q escrever o nome depois procurar a imagem ….. adorei o site demais joinha.

  3. EU ESTUDO SBRE NUVENS
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  4. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  5. nuvens

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>