Já ocorreu neve em São Paulo – SP?

O post de hoje é na verdade uma adaptação de um post publicado por mim em 12 de julho de 2011 aqui. Esse post responderá a seguinte pergunta:

Já ocorreu neve na cidade de São Paulo?

As pessoas mais velhas que moram em São Paulo – SP certamente dirão que o clima da cidade mudou: no passado, era bem mais frio do que hoje. Isso é realmente verdade! A Estação Meteorológica do IAG-USP registra temperatura desde 1933 e notou um aumento de aproximadamente 2,0°C na temperatura média. Esse aumento na temperatura ocorreu porque a cidade cresceu, urbanizou-se, mudou o tipo de superfície: antes, existia mais vegetação e menos concreto, enquanto hoje temos muito concreto e asfalto e poucas áreas verdes, se comparado com o passado.

Temperatura média anual de 1933-2010 em São Paulo-SP, apresentando tendência de aumento (cerca de 2,0°C). Dados: EM-IAG-USP

Quem já caminhou em um parque e no centro de uma grande cidade em um dia de calor, já deve ter notado a diferença de temperatura. Assim, ao longo de tantos anos e tantas mudanças na cidade, a temperatura subiu. Por isso dizemos que ocorreram mudanças climáticas locais.

Voltando ao assunto da neve. Como no passado era mais frio, será que era tão mais frio a ponto de ocorrer neve? Conversei com os funcionarios da Estação Meteorológica do IAG-USP. Consultei todos os boletins e informações antigas. Verifiquei que 1933 até hoje, nunca registraram neve!

Mas, e antes disso? Fui procurar na internet e encontrei este verbete da Wikipedia. Neste verbete, é informado que foi registrado neve em São Paulo em 25/06/1918. Infelizmente, é muito tempo e não há ninguém que tenha nascido antes dessa data, more em São Paulo e lembre-se deste dia para me dizer  se houve ou não neve. Dias antes, eu tinha lido  uma entrevista do Prof. Rubens Belfort Junior, que é um renomado médico oftalmologista e é bisneto de José Nunes Belford Mattos. José Nunes Belford Mattos era o responsável pelas observações meteorológicas na Av. Paulista no início do século XX e sempre dão a ele o crédito por ter anotado em uma caderneta a ocorrência de neve.

Eu precisava ver a folha desta caderneta! Fui então atrás de informações antigas.

Entrei em contato com o Prof. Paulo Marques dos Santos, um professor aposentado da Universidade de São Paulo e que até hoje continua trabalhando, escrevendo livros e contando histórias. Em um de seus livros, ele conta a história do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (informações sobre o livro aqui). Ele possui muitas informações sobre o passado, pois contribuiu com a Universidade de São Paulo por mais de 50 anos e possui uma excelente memória, além de registros fotográficos e papéis antigos. Fui conversar com ele a respeito do dia 25/06/1918. Ele então me deu um sorriso e disse que eu não era a primeira a perguntar sobre isso. Há alguns anos, outras pessoas vieram até ele com esta dúvida. Ele respondeu com muita certeza que não, não houve neve no dia 25/06/1918 e me mostrou uma página da caderneta de observação da época.

Folha da Caderneta de Observações Meteorológicas referente ao dia 25/06/1918, dia que supostamente teria ocorrido neve na cidade de São Paulo. Essas observações eram feitas na Av. Paulista (próximo de onde hoje é o MASP). Cortesia de EM-IAG-USP. Clique na figura para ampliá-la.

 

As marcações em verde são minhas. Elas indicam que foi registrado geada e não havia nenhuma nuvem no céu (nebulosidade é igual a zero). Para que tenhamos neve é necessário ter nuvens! Neve é um tipo de precipitação, assim como a chuva: elas se formam em nuvens tipo Nimbustratus, em dias muito frios. A água muda para a fase sólida rapidamente, devido a baixa temperatura.

Nuvem tipo Nimbustratus. A foto foi tirada no NASA Langley Research Center, em Hampton, no Estado americano da Virgínia.

Não tivemos neve no dia 25/06/1918, mas tivemos geada. Durante as madrugadas, é comum que a temperatura do solo e de alguns objetos abaixe. Assim, o vapor d’água próximo ao solo condensa-se sobre algumas suerficies: carros, portões, gramado…Quando isso ocorre, temos o orvalho. Mas há dias em que é tão frio que ao invés do vapor d’água pasar para a fase líquida ele acaba se congelando sobre as superfícies. Quando isso ocorre, temos a geada. A geada é um fenômeno relativamente comum na Região Sul, em São Paulo, sul de Minas e Mato Grosso do Sul no inverno. É um fenômeno bastante estudado, pois a geada pode prejudicar alguns cultivos, como o caso do café, inclusive matando algumas plantas.

Geada em pé de café no México. Fonte: Revista da Cafeicultura

Geada que fotografei em 07/06/2010. O gramado fica cheio de pequenos cristais de gelo. Em São Paulo-SP, geadas não são muito comuns e nem ocorrem em todos os locais. Ocorrem sempre no outono ou inverno.

Pequenas gotas de orvalho na grama. Foto de Luc Viatour / www.Lucnix.be

 

Reparem em uma coisa: enquanto a neve e a chuva ‘caem‘ de nuvens Nimbustratus e Cumulonimbus, a geada e o orvalho depositam-se sobre a superfície, através da condensação. Lembram da latinha gelada de refrigerante, que começa a ficar molhada? O vapor d’água do ambiente condensou-se sobre ela e é exatamente o que ocorre durante o orvalho!

O vapor d’água condensa-se sobre a latinha gelada!

No dia 25/06/1918 provavelmente ocorreu uma forte geada. Porém o Prof. Paulo Marques dos Santos e o Dr. Frederico Funari apresentam outra provável explicação: um fenômeno chamado sublimação do nevoeiro.

Para que tenhamos a ocorrência de um nevoeiro é preciso que a superfície resfrie-se consideravelmente, em uma noite de muito frio sem nuvens, por exemplo. Assim, o vapor d’água do ar em contato com essa superfície condensa-se, formando o nevoeiro, que nada mais é do que uma nuvem tênue do tipo Stratus.

Intenso nevoeiro em uma estrada da Califórnia-EUA. Fonte: Wikimedia Commons

O dia 25/06/1918 estava muito frio! A temperatura ao relento chegou a -3,0°C. Sendo assim, pode ser que o vapor d’água em contato com a superfície tenha passado diretamente para o estado sólido, ou seja, ocorreu a sublimação do nevoeiro. Segundo o Prof. Paulo e o Dr. Frederico, quem nunca viu neve é bem provável que confunda a sublimação do nevoeiro com neve, já que o efeito é bem parecidos.

É bastante provável que no dia 25/06/1918 tenha ocorrido neve na Serra da Mantiqueira e em outros pontos mais altos do Estado. Porém, como a Av. Paulista é um dos pontos mais altos da cidade, acho pouco provável que tenha ocorrido neve na cidade de São Paulo naquele dia.

Após essas pesquisas, minha conclusão é de que realmente não houve neve no dia 25/06/1918. Sabendo que os registros meteorológicos iniciaram do final do século XIX, posso afirmar que NUNCA REGISTRAMOS neve na cidade de São Paulo. Pode ser que num passado mais remoto tenha ocorrido, mas ninguém registrou, já que não existiam observações meteorológicas em São Paulo-SP em um tempo mais antigo.