Criminalidade e clima

 

Imagem: cksinfo.com

Enquanto escrevia o post sobre a onda de frio na Europa, acabei falando da história do homem que semana passada roubou uma loja na Rússia, pois assim iria para a cadeia e fugiria do frio. Fiquei pensando sobre nosso instinto de sobrevivência: para sobreviver, ele cometeu um crime. O inverno severo fez com que ele agisse dessa maneira. No caso deste homem, era o puro instinto de sobrevivência. Mas será que as pessoas ficam mais propensas a cometerem crimes dependendo das condições meteorológicas?

Quando escrevi esse outro post, comentei sobre um factóide que já foi inclusive abordado em programas de TV dos Estados Unidos: o calor faz com que ocorram ondas de crime em Nova York. Mas isso de fato ocorre? Há uma ligação entre o calor e crimes?

O interessante é perceber que, tanto em inglês quanto em português, algumas expressões populares acabam se relacionando com essa percepção de que o aumento da temperatura deixa as pessoas mais nervosas e irritadas. Quem nunca ouviu algo como “fica frio” ou em inglês “cool down”, por exemplo? Ou também “ele está de cabeça quente” ou “he lost his cool”?

Algumas pesquisas  apontam que essa conexão existe. Pesquisadores da Florida State University estabeleceram uma relação entre elevação de temperatura e o aumento da criminalidade em Minneapolis, cidade de Minnesota. Esse estudo foi conduzido com dados dos anos 80.

Essa conclusão é bastante coerente. Quando está quente, as pessoas costumam sair. Algumas frequentam bares, bebem um pouco demais e envolvem-se em brigas ou crimes, por exemplo.Entretanto, há um limite: quando está muito quente, as pessoas sentem-se desconfortáveis e vão procurar sombra e abrigo. Quando está muito calor, o corpo exibe mudanças: aumento da frequência cardíaca e sudorese, por exemplo. Essas mudanças estariam associadas a mudanças na atividade do sistema nervoso simpático, o que estaria relacionado com comportamentos agressivos. O calor também aumenta a produção de testosterona, aumentando ainda mais a agressividade. Ou seja, segundo os pesquisadores, além do calor favorecer atividades ao ar livre que podem deixar as pessoas mais expostas a crimes, há também essas alterações metabólicas relacionadas a agressividade.

O pesquisador Craig Anderson, da Iowa State University, especula  que com a elevação das temperaturas globais, as ondas de violência tendem a aumentar. É provável que com o aumento de temperatura, ocorra escassez de alimentos e recursos, fazendo com que as pessoas tendam a lutar agressivamente por sua sobrevivência, possibilidade também abordada por James Lovelock em seu livro Gaia: Alerta Final. Esse tipo de afirmação pode soar um pouco apocalíptica, mas se as projeções para um futuro mais quente se concretizarem, podem perfeitamente ocorrer.

Fui buscar na literatura pesquisas que abortam este assunto aqui no Brasil. Encontrei este trabalho de pesquisadores da UFPEL. No trabalho, os pesquisadores usaram dados de um período de 3 anos na cidade de Pelotas-RS. Os pesquisadores concluíram  que no intervalo de tempo analisado, houve aumento da criminalidade nos períodos de temperatura mais alta quando comparado aos períodos de temperatura mais baixa. Entretanto, os autores lembram que a temperatura não deve ser tomada isoladamente como fator de influência no comportamento das pessoas.

 Um outro trabalho, de pesquisadores da FUNCEME e da UFPA, chegou a mesma conclusão. Esses pesquisadores analisaram dados da cidade de Belém-PA e concluíram que o crime de lesão corporal foi o que apresentou maior correlação com a temperatura. Também ressaltaram que a temperatura não pode ser considerado único parâmetro para se avaliar o comportamento humano.

Já neste outro trabalho, de pesquisadores da UFAL, a cidade de Maceió-AL foi analisada. Os autores obtiveram baixa correlação entre temperatura e internamentos hospitalares por agressão, conclusão contrária aos outros dois estudos brasileiros que citei neste post.

Sendo assim, concluo o mesmo que alguns dos autores dos trabalhos que li: é difícil dizer que apenas o aumento de temperatura é o responsável por crimes violentos, de fato, outros fatores precisam ser levados em consideração. Enquanto escrevia esse texto, pensava no Carnaval. O Carnaval ocorre normalmente no mês de fevereiro (algumas vezes, início de março). O mês de fevereiro é, na média, o mês mais quente em São Paulo-SP, por exemplo. Acontece que no Carnaval as pessoas saem nas ruas e bebem um pouco mais e o álcool provoca uma série de alterações no comportamento das pessoas, que podem ficar mais agressivas ou mais receptivas a interações com pessoas estranhas. Sendo assim, na minha opinião (não me baseio em nenhum estudo), quando as pessoas bebem elas ficam mais vulneráveis a situações que podem fazer com que elas cometam um crime ou sejam vítimas da criminalidade.Ou seja, a temperatura neste caso não pode ser considerada (novamente, não me baseio em nenhum estudo, apenas em observação empírica) a maior responsável pela criminalidade, neste caso. Por isso, estudos como estes devem ser lidos com cautela e com uma certa dose de ceticismo.