O obscurantismo que ameaça o ensino de climatologia nos EUA

Em algumas situações, abordei o ceticismo neste blog. Lembre-se dessas ocasiões aqui:

O misticismo misturado com meteorologia, no programa da Ana Maria Braga;

Religião x meteorologia: pastor atribui falta de chuva a pecados da população;

Esquecer o aquecimento global?

Agora neste post, abordo um texto que li recentemente. O texto fala do obscurantismo no ensino de climatologia nos EUA e  compara ao ensino da Teoria da Evolução, que foi enfraquecido por idéias religiosas criacionistas. Segundo Bill Walker, do site americano Climate Central, um grupo de professores disse lidar com questionamentos de alunos e até de pais, quando abordam que o aquecimento global é provocado por atividades antropogênicas. Os professores então, sentem-se pressionados a abordar os dois pontos de vista. Porém, o consenso entre a maior parte dos cientistas é de que o aquecimento global é sim causado pela atividade humana.

Esse fato então é comparado ao ensino de criacionismo em muitas escolas americanas, que sofreram pressões de grupos religiosos. Ao que parece, nos EUA já existem materiais didáticos que ensinam Criacionismo e Evolucionismo.

Minha opinião é de que a comparação entre ensino de aquecimento global de origem antropogênica x não antropogênica  e ensino de evolucionismo x criacionismo é um pouco exagerada. No caso do ensino de aquecimento global de origem antropogênica x não antropogênica, a questão é meramente científica, pois nessas linhas de pensamento espera-se o uso da ciência e da discussão de resultados. Os contrários ao aquecimento global antropogênico normalmente apresentam dados científicos, mesmo que eles sejam insuficientes e questionáveis, ainda são dados científicos. Já no ensino de evolucionismo e criacionismo, entra-se em um debate complicado, pois criacionismo é uma ideologia que está relacionada a religiões. Os criacionistas acreditam que Deus (ou um designer inteligente) criou o universo e toda forma de vida existente no planeta Terra da forma que ela já é, rejeitando a idéia da evolução das espécies. Os contrários ao aquecimento global antropogênico não necessariamente são filiados a alguma religião, tendo inclusive muitos ateus que seguem esta linha de pensamento.

E eu realmente acredito que em aulas de ciência, religiões e ideologias, sejam elas quais forem,  devem ser deixadas do lado de fora da sala. É a melhor maneira de aprender, pois para compreender os resultados, é melhor que se esteja livre de qualquer preconceito. Portanto, seja biologia ou climatologia, o ensino deve ser pautado em informações científicas confiáveis, com possibilidade de debates entre professores e alunos.