Vendaval deixa 15 pessoas feridas em Ribeirão Preto-SP



Vendaval deixa 15 pessoas feridas em Ribeirão Preto-SP, ontem, dia 26/04/2012. Veja notícia aqui.

As pessoas feridas estavam trabalhando em um evento sobre tecnologia agrícola.Era uma área bastante ampla, com muitas tendas montadas. Partes das estruturas foram derrubadas, ferindo essas pessoas.

Alguns entrevistados acharam que tratava-se de um tornado. Segundo a Climatempo, os ventos chegaram a 55km/h. Nessa velocidade, os ventos já podem causar os danos mencionados. Entretanto, não é possível afirmar que o que ocorreu em Ribeirão Preto foi um tornado.  Alguém precisaria ter visto e registrado o fenômeno. E tornados deixam as estruturas destruídas retorcidas, podendo transportá-las por alguns poucos quilômetros.

É possível que o fenômeno que ocorreu ontem em Ribeirão Preto possa ter sido um downburst. O downburst ocorre quando  uma quando uma forte corrente de vento desce da altura das nuvens para a superfície. Esse fenômeno normalmente ocorre quando o ar da superfície em uma determinada região está bem seco e então áreas de instabilidade se deslocam para esta região.

A passagem de uma frente fria sobre o Estado de São Paulo trouxe instabilidade: a massa de ar fria e úmida, em contraste com a massa de ar relativamente mais quente e seca. Durante a chuva, o movimento do ar é de cima para baixo (movimento da queda das gotas). Com esse movimento, o ar de cima (frio e úmido) entrou em contraste com o ar quente e seco da superfície, causando uma intensa liberação de energia. Essa situação pode formar tanto tornados, quanto downbursts. O principal ponto é que podemos ver e fotografar tornados, pois eles são parte da nuvem. Já os downbursts, por tratarem-se apenas de uma corrente de vento, não podem ser vistos. Podemos ver o movimento e a destruição, mas não podemos ver o ar se movendo.

Downbursts podem causar tantos danos quanto tornados. A diferença é padrão dos danos. Em um downburst, os dano extendem-se em uma linha reta (na mesma direção), espalhando as coisas para os dois lados. Já no caso do tornado, como disse , as coisas ficam com aspecto ‘retorcido’ e a destruição tem um padrão circular. Apesar das diferenças entre os fenômenos, downbursts e tornados tem em comum o fato de serem gerados do mesmo tipo de nuvem: nuvens Cumulonimbus (Cb, nuvens de tempestade).

 

Foto feita por Rafael Toshio e que já foi publicada em outro post. Aqui, vemos a base de uma nuvem Cb. Essa formação ondulada recebe o nome de mammatus. Normalmente, quando a base de uma nuvem Cb está assim, podemos esperar uma tempestade bastante severa, com possibilidade de tornados ou downburst.

Leia mais sobre a foto acima aqui.

Fonte: Pennsylvania State University

Downbursts, assim como tornados, são fenômenos de curta duração e bastante localizados. Quero dizer, podem destruir uma área da cidade (como provavelmente destruiu a área onde estava ocorrendo o evento sobre tecnologia agrícola, em Ribeirão Preto), mas outros bairros da cidade, até próximos da área do evento, provavelmente ficaram ‘ilesos’.

Lembrando que estou apenas especulando sobre a possibilidade do fenômeno ser um downburst, que é um fenômeno que foi mais vezes registrado no Brasil, em comparação aos tornados. O fato é que os tornados são mais impactantes, justamente pela possibilidade de ser registrado. Eu não tenho certeza sobre isso, até porque não fui até a região onde aconteceu o fenômeno. Porém, através desse post, quis apresentar para meus leitores mais um fenômeno meteorológico :).

Espero que tenham gostado. Leiam mais aqui.