5 de junho: dia do Ambiente

A criação da data foi em 1972, em virtude de um encontro promovido pela ONU (Organização das Nações Unidas), a fim de tratar de assuntos ambientais, que englobam o planeta, mais conhecido como conferência das Nações Unidas.

A conferência reuniu 113 países, além de 250 organizações não governamentais, em que a pauta principal abordava a degradação que o homem tem causado ao meio ambiente e os riscos para sua sobrevivência, de tal modo que a diversidade biológica deveria ser preservada acima de qualquer possibilidade.

Fonte: Brasil Escola

Fone: {x}

Hoje é dia do meio ambiente. Na verdade, eu acho o termo ‘meio ambiente’ bastante redundante, já que ‘meio’ é o mesmo que ‘ambiente. Vou usar portanto apenas o termo ambiente. Hoje é dia do ambiente! O que é esse ‘ambiente’?

“O  ambiente, envolve todas as coisas vivas e não-vivas ocorrendo na Terra, ou em alguma região dela, que afetam os ecossistemas e a vida dos humanos. É o conjunto de condições, leis, influências e infra-estrutura de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas.”  Veja mais aqui.

Assim, o estudo do ambiente é multidisciplinar, ou seja, envolve esforços de profissionais de diversas áreas do conhecimento. A atmosfera, faz parte do ambiente, é claro. Por essa razão, o meteorologista é também um profissional que estuda parte do ambiente. No Dia do Ambiente, discute-se a preservação do ambiente. Em diversas escolas, centros comunitários, universidades, centros culturais, etc são organizadas palestras e oficinas, sendo a maior parte delas voltada para a conscientização da população.

Como meteorologista, no Dia do Ambiente, gostaria de falar sobre a Poluição do Ar. Eu me refiro especialmente à poluição do ar causada pelo ser humano, pois grandes erupções vulcânicas também podem poluir o ar. A poluição do ar causada pelo homem, em sua maioria, vem de fontes industriais ou através do uso de alguns veículos que usamos para nos deslocar (carros, ônibus, aviões, etc).

Com relação à indústria, cabe a sociedade cobrar por leis rígidas e fiscalização, para evitar que as indústrias poluam acima do tolerável. Com relação a poluição causada por nossos veículos, podemos fazer nossa parte:

– Cobrar das autoridades meios de transporte coletivos limpos, eficientes, rápidos e suficientes para a população;

– Caminhar e usar a bicicleta para trajetos curtos (além de tudo, é bom para nossa saúde!);

– Sempre que possível, optar por meios de transporte coletivos. Eles ocupam menos espaço que veículos particulares, causam menos congestionamento e poluem menos (pois servem mais pessoas);

– Cobrar das autoridades a instalação e manutenção de ciclovias e ciclofaixas;

– Quando for comprar um carro, opte por modelos econômicos e com bom rendimento. Assim você gasta menos combustível e polui menos.

Esses breves tópicos são minha contribuição ao Dia do Ambiente. Pensando bem, esses topicos estão me inspirando a escrever mais sobre Poluição do Ar 🙂

E termino esse rápido post falando do ótimo site da UNESCO sobre o Dia do Ambiente. É uma ótima fonte de pesquisa, recomendo muito para professores e alunos. E também recomendo as reportagens do Projeto RespirAR, do Globo Universidade. Durante o Projeto Respirar (que aconteceu ano passado), a poluição do ar foi bastante discutida, com grande foco no problema de saúde pública: moradores de grandes cidades poluídas tem mais chances de desenvolver um problema respiratório, quando comparados com moradores de cidades distantes de centros urbanos e industriais. Vários especialistas da área de saúde pública, meteorologia e planejamento urbano participaram do projeto, que terminou com um ótimo seminário (que tive a oportunidade de assistir).

Vamos fazer a nossa parte para ajudar o ambiente. Aqui dei exemplos a respeito de poluição do ar, pois estão relacionados com minha área de trabalho, mas você pode fazer muito mais. Reciclar o lixo, por exemplo, é algo que todos podem fazer.

Para acompanhar notícias sobre o meio ambiente, recomendo mais um link: o twitter @infoambiental.