Calor no inverno?



Está fazendo calor no inverno. E muito calor! Alguns meteorologistas do SIMEPAR divulgaram temperaturas máximas acima de 30°C em diversas localidades paranaenses. Aqui em São Paulo, registramos temperaturas máximas superiores a 25°C vários dias. No mês de agosto, aqui em São Paulo, estamos 13 dias seguidos com temperatura máxima diária acima de 25°C.

Somando essas temperaturas elevadas para época do ano com pouca ou nenhuma nebulosidade e baixa umidade relativa, temos aqueles dias de sensação térmica de muito calor. Dias que nos obrigam a beber muitos líquidos. E dias que nos deixam com vontade de viajar para a praia.

Dias assim no inverno? Sim, gente. E isso tem um nome. Chama-se veranico. Em Portugal, utiliza-se  o termo Verão de São Martim para se referir ao calor fora de época entre outubro e novembro (período esse que lá em Portugal já é outono).

Em primeiro lugar, a gente precisa entender que as estações do ano aqui no Brasil funcionam de maneira diferente. Nas regiões tropicais, é melhor definir as estações do ano usando a precipitação como referência. Por essa razão, na maior parte do Brasil falamos em Estação Seca e Estação Chuvosa. No sul do Rio Grande do Sul podemos definir as estações do ano em termos da temperatur, ou seja, verão, outono, inverno e primavera, pois esta porção do território brasileiro apresenta clima com características temperadas.

A grande confusão que se faz é que de fato, astronomicamente falando, existem as 4 estações do ano, que são definidas pelo movimento de translação da Terra em torno do Sol. Durante este movimento, como o eixo da Terra é inclinado com relação ao plano do movimento de translação, os hemisférios terrestres recebem quantidades diferentes de radiação solar, que é o que determina as estações do ano. Nas regiões temperadas e polares temos uma diferença mais significativa de energia solar incidente entre inverno e verão do que nas regiões tropicais. Sendo assim, as estações do ano astronômicas tem pouca influência nas estações do ano ‘reais’ nos trópicos.

Como usar a animação abaixo:

Arraste o cursor na base da figura para a direita e veja qual hemisfério está recebendo mais radiação e em qual época do ano. Abaixo, na figura, é possível ver o mês correspondente àquela posição.

Depois desses breves esclarecimentos, vamos voltar aos trópicos, nossa área de interesse. O inverno é a época mais seca em muitas áreas tropicais e me refiro a regiões bem próximas aos trópicos de Câncer e Capricórnio, pois nas vizinhanças do Equador chove praticamente o ano todo (lembram que falei da Zona de Convergência Inter-tropical?). Além de ser a época mais seca, aqui na América do Sul especificamente é muito comum que nesta época do ano a circulação atmosférica fique caracterizada pela presença de bloqueios atmosféricos. Os bloqueios atmosféricos são áreas de alta pressão que ficam na mesma região por vários dias. Elas impedem o deslocamento de frentes frias, evitando que a instabilidade associada a essas frentes provoque chuva em outros lugares. O que ocorre, é que aqui no Brasil, as frentes frias ficam ‘presas’ no Rio Grande do Sul, onde provocam muitas chuvas e mudança de temperatura, enquanto a Região Sudeste, sul da Região Nordeste, norte da Região Sul e Região Centro-Oeste ficam dominados por uma massa de ar seco e quente. Essa massa de ar seco e quente é responsável pela baixa umidade relativa e temperaturas elevadas.

Quando o bloqueio persiste por muitos dias as temperaturas elevadas e a baixa umidade relativa ficam persistindo por vários dias também, caracterizando este fenômeno chamado veranico. Vou aproveitar esses dias de calor para tomar sorvete. E vocês?

 

Fonte: Free Digital Photos

 

Leia mais:

– Falei de veranico antes.Veja aqui.