Consultando as normais climatológicas das capitais – by Guilherme Martins



Atenção: essa dica é perfeita para professoras de geografia, alunos que farão trabalhos escolares, profissionais de comunicação, curiosos, pessoas que vão viajar e desejam conhecer o clima de seu destino, etc.

Então todo mundo preparando para salvar a novidade que vou contar em seus bookmarks hein?

 

 

Meu queridíssimo colega Guilherme Martins (falei do site dele aqui) desenvolveu um sisteminha muito legal, usando duas linguagens de programação de uso muito comum dentre os meteorologistas: a  GrADS scripting language e a NCL). Esse sisteminha funciona da seguinte maneira:

– Você clica no link (salvem em seus bookmarks, por favor!) e clica nos pontinhos vermelhos do mapa, que representam cada uma das capitais.

– Gráficos referentes às normais climatológicas (veja o que são normais climatológicas aqui) aparecem do lado direito. Os dados utlizados para calcular essas normais vieram da rede de estações do INMET.

– Por exemplo, eu selecionei Belém-PA. Nós podemos notar que a temperatura não flutua significativamente ao longo do ano. Sendo assim, não podemos falar em estação fria e quente por lá (primeiro gráfico), mas podemos falar tranquilamente em estação seca e chuvosa, já que as barras do gráfico de precipitação (primeiro gráfico) são maiores nos meses de Janeiro a Maio.

O gráfico de insolação em Belém (barras amarelas, segundo gráfico) mostra que a quantidade de radiação que chega na superfície é maior nos meses secos, pois há também menos nebulosidade (linha vermelha do segundo gráfico).

No terceiro gráfico, a velocidade do vento é ligeiramente maior nos meses de junho a dezembro.

E finalmente, no quarto gráfico podemos observar que a umidade relativa (barras verdes) é ligeiramente maior nos meses de chuva e a evaporação é maior nos meses de estiagem.

(Clique na imagem abaixo para ampliá-la)

Esse sistema do Guilherme é fantástico, pois permite que os professores explorem em sala de aula muitas coisas. Por exemplo:
– A análise e interpretação de gráficos;
– A discussão sobre os diferentes climas do Brasil. O professor pode por exemplo propor uma comparação entre os gráficos de Belém-PA e Porto Alegre-RS
– A interação com novas ferramentas da internet. Vale lembrar que o Guilherme fez tudo isso com programas gratuitos e com scripts que podem ser obtidos com facilidade pela internet.

Podem ter certeza que falarei sobre estes gráficos mais vezes. Parabéns, Guilherme! E obrigada por compartilhar um trabalho tão bonito e tão bem feito com todos 🙂