Nuvem rolo: um lindo espetáculo da natureza

A foto acima é realmente impressionante, não? Muitos provavelmente olharão incrédulos e até pensarão em manipulação digital! Mas não é! Esta é uma nuvem rolo. Ela forma-se em uma altura de 100m a 300m no solo e portanto é uma nuvem considerada baixa. Ainda não há um consenso sobre sua formação e a teoria mais aceita atualmente é de que o fenômeno acontece quando há o encontro de massas de ar vindas de direções contrárias, com temperaturas e umidades bem contrastantes. Normalmente, as nuvens rolo estão associadas a aproximação de frentes frias ou frentes de tempestades. Aparentemente, são mais comuns em regiões litorâneas, pois a umidade proveniente do mar pode ajudar a formar massas de ar que se contrastam com as massas vindas do continente (que normalmente são mais secas), favorecendo a formação do fenômeno.

As nuvens rolo são o subtipo de uma nuvem chamada nuvem arco. Além da nuvem rolo, temos também ‘nuvens prateleira’ (shelf cloud, em inglês). Acabo de me lembrar de uma ocasião em que ligaram em meu trabalho perguntando a tradução do termo ‘roll cloud’. Quando disse que poderíamos usar ‘nuvem rolo’, a pessoa achou super engraçado e imaginou um rocambole. A foto abaixo é uma nuvem prateleira. Foi fotografada em 17/07/2004, na Holanda. Repar que ela não é arredondada como a nuvem rolo. No entanto, também está associada à frentes de tempestades. (Fonte: Wikimedia Commons).

 

Mas voltando a nuvem rolo, que abre o post.  Sabiam que ela também já foi fotografada no Brasil? Foi inclusive filmada por um cinegrafista amador. A filmagem abaixo mostra uma das ocasiões em que este fenômeno foi registrado no Brasil. Temos uma nuvem rolo que se formou em 30/11/2011 em Pelotas-RS:

Reparem que na primeira foto, há uma marca d’água indicando o nome Rob Sharrock. Esse sortudo é um fotógrafo de casamentos que mora na Austrália. Um belo dia ele saiu de casa e viu esta belezinha. Não teve dúvidas: pegou seu material de trabalho e registrou um momento. Que sorte, hein?