Tufão Haikui e furacão Ernesto



Semana passada falei sobre os tufões Damrey e Saola. E hoje, enquanto eu almoçava, vi a notícia de que o tufão Haikui fez com que quase 2 milhões de pessoas tivessem que deixar suas casas na China. A notícia dizia que o tufão Haikui era o terceiro a castigar o leste da China, já que semana passada tivemos o Damrey e o Saola. Vamos as imagens de Haikui, do Earth Observatory, da NASA:

A imagem acima é de ontem (dia 07/08/2012,  12:35 p.m hora do local) e mostra o tufão Haikui. Foi obtida através do site do Earth Observatory, da NASA. As autoridades chinesas fecharam escolas, cancelaram vôos e viagens de trem, como medidas de precaução.

A imagem acima foi obtida pelo sensor MODIS do satélite Aqua, da NASA. Podemos ver um olho super bem definido e os braços em espiral, bem característicos de tufões (furacões ou ciclones tropicais, como já disse aqui).

No momento da imagem, Haikui tinha velocidade média de aproximadamente 120km/h e rajadas máximas de até 150km/h. As previsões indicaram que Haikui deveria chegar na cidade de Xangai provavelmente na madrugada do dia 7 para o dia 8 de agosto, e foi exatamente o que ocorreu, de acordo com as notícias.

A costa leste da China realmente não tem tido momentos fáceis. O tempo está muito chuvoso e fechado, como consequência da passagem desses tufões em sequência.

Além do Haikui, quero falar também do furacão Ernesto, que está na América Central. Acho a maneira de nomear furacões do NHC muito curiosa, porque a gente acaba encontrando nomes que conhecemos. E há alguns anos, trabalhei com o Prof. Ernesto Caetano, da UNAM. E estudávamos as alterações que a passagem de um furacão provocavam em um estuário. Por isso, imagino que o Prof. Ernesto Caetano deve estar achando essa coincidência muito interessante.

A imagem acima é do Furacão Ernesto e também foi fornecida pelo Earth Observatory. Essa imagem também é de ontem, dia 07/08/2012 as 2h da manhã do horário local. O NHC informou que o furacão estava a 295km de distância da localidade de Chetumal, no Mexico. A velocidade média desta tormenta era de aproximadamente 130km/h (velocidade do giro) e estava se deslocando na direção oeste-noroeste a uma velocidade de 22km/h

O satélite que forneceu esta imagem também é da NASA. Trata-se do satélite Terra, ‘irmão-gêmeo’ do satélite Aqua (no nos forneceu a imagem do Haikui). A área de influência do furacão Ernesto também pegava áreas de Belize e Honduras, no momento da imagem. As previsões do NHC indicam que Ernesto é um furacão considerado fraco, de categoria 1 (a escala usada para medir a intensidade de furacões chama-se Saffir-Simpson). Veja abaixo uma animação em flash, do Tempo Agora, mostrando a escala Saffir-Simpson: