Curso de meteorologia na UFSC?

Quando escrevi esse post sobre o novo curso na UNESP-Campus Bauru eu ainda não sabia que também há um curso de meteorologia na UFSC. Foi quando eu vi a seguinte imagem circulando pelas páginas e grupos de meteorologia do Facebook:

Fui verificar no site indicado e está tudo certo! Realmente há um curso de meteorologia na UFSC e eu não sabia! Pelo que entendi, a primeira turma do curso foi este ano, em 2012. No próximo vestibular da UFSC, uma nova turma de alunos ingressantes se formará. Só fiquei sabendo agora e divido com vocês e acabo de atualizar o FAQ. Era natural que surgisse um curso de graduação por lá. A CEFET-SC já possui um curso técnico em Meteorologia, formando ótimos profissionais. Inclusive fui em um Congresso de Meteorologia em Santa Catarina no ano de 2006 e foi ótimo, muito bem organizado. Os alunos do curso técnico, que trabalharam na organização do evento, foram muito simpáticos e prestativos.

Fico especialmente contente que surjam tantos cursos de Meteorologia. Isso significa muitas coisas: a ciência está se tornando mais conhecida e divulgada, mais profissionais e com diferentes pensamentos e experiências se formarão, a qualidade dos profissionais já formados pode ser melhorada (com novos cursos, eventos e pela própria pressão natural de aumento de ‘concorrência’), etc.E quem vai gostar da notícia é o @JoaoG_Camargo.

Esse é o terceiro curso na Região Sul. Será que a UFPR vai montar um curso também? O SIMEPAR conta com muitos pesquisadores. É uma instituição que emprega muitos colegas de profissão e está localizado dentro do Centro Politécnico da UFPR. Vamos aguardar :). Volto a repetir que falta um curso de meteorologia na Região Centro-Oeste.

Sempre que falo em cursos novos ou já existentes de meteorologia, acabo fazendo algum comentário que reflete uma opinião particular. O texto acaba ficando enorme e virando uma espécie de crônica. Crônica sim, pois não tenho a intenção de escrever tratados ou regras. Vamos lá 🙂

O curso de meteorologia, seja em qual universidade for, é bastante difícil. Para dizer a verdade, qualquer curso universitário levado a sério é difícil. Envolve muito estudo, trabalho duro e um abdicação de algumas coisas. Isso tudo faz parte da vida. Talvez nossos problemas sejam agravados porque o ensino básico brasileiro seja de péssima qualidade. Mas de qualquer maneira, um curso universitário é sempre muito difícil.

Além disso, normalmente as pessoas ingressam em um curso universitário no momento em que almejam sua independência financeira. É muito frustrante (pelo menos era frustrante para mim) ter que depender da ajuda financeira dos pais. Sendo assim, os cursos precisam ser planejados de modo a possibilitar que o aluno possa trabalhar e estudar. Eu não sei as outras universidades, mas a USP ainda não conseguiu adequar sua grade horária a esta extrema e urgente necessidade. É evidente que não depende apenas da universidade. As empresas também precisam flexibilizar seus horários.

Nem vou entrar em outros assuntos interligados, tais como aluguéis caros, salários baixos, meios de transporte deficientes (que impossibilitam grandes deslocamentos, como em São Paulo), etc. Se eu fizesse isso, o texto ficaria imenso, embora é evidente que essas questões também devam ser levadas em consideração, mas não são o foco do texto. Apenas mencionei essa questão mercado de trabalho x cursar um universidade, pois na minha opinião é um ponto muito importante que não tem sido tratado com a atenção que merece.