Resenha de Queen – nos bastidores



No prefácio do livro, Peter Hince diz que não trata-se de um livro de fofocas. Ele foi bastante verdadeiro. Queen – nos bastidores é um livro que fala das turnês e do estilo de vida dos integrantes do Queen da década de 70 até meados dos anos 80, sob o ponto de vista do roadie de Jonh Deacon, Peter Hince.

O autor colocou no texto todas as suas observações e experiências vividas com a maior banda do século XXI. Desculpem, beetlemaníacos, mas essa é a minha opinião sobre o Queen: a maior banda do século XXI. Podem parar de ler o Meteorópole, se quiserem 😛

Peter Hince era responsável por diversas tarefas dos bastidores das turnês de uma banda, como montar e desmontar o palco, manter a integridade dos instrumentos e cuidar do carregamento e do descarregamento dos materiais, dentre outras. Essas são tarefas dos roadies. Cada membro de  uma banda costuma ter um roadie e/ou assistente pessoal, responsável por cuidar dos preparos para os espetáculos.

Tudo era muito magnífico ou exagerado nas turnês do Queen. O magnífico é quando Hince descreve as exigências para a montagem do espetáculo (para que tudo saísse perfeito), por exemplo. A parte do exagero fica por conta da narrativa dos excessos: festas, drogas, bebidas e relacionamentos amorosos. Hince fala do magnífico e do exagerado com perfeição, numa narrativa não-linear, citando causos diversos de cada uma das turnês.

As turnês na América Latina (México, Venezuela, Brasil e Argentina) são também mencionadas. Fiquei especialmente impressionada com a total falta de infra-estrutura da América Latina nos anos 80. Melhoramos muito, na minha opinião. Claro que nesse quesito ainda estamos anos-luz de muitos países, mas é interessante notar como as coisas melhoraram.

Realmente, não trata-se de um tablóide. Hince trata seus colegas da parte técnica e os membros da banda com muito respeito, sem expor suas fragilidades e sem espalhar rumores. O livro narra essencialmente sua experiência como roadie e seu relacionamento com os membros da banda.  Depois dos relatos de Hince, fiquei mais apaixonada por cada um dos membros da banda. O relato do autor transmite bastante sinceridade. Hince fala um pouco sobre si, como foi sua experiência como roadie e como virou fotógrafo publicitário.

Enquanto escrevo esta breve resenha, sinto vontade de contar cada uma das histórias interessantes que li no livro, mas não quero estragar a surpresa. Leitura obrigatória para quem gosta de biografias, para quem gosta de música e para quem é fã da banda.

P.S.: Quando comecei a escrever no Meteorópole, eu queria falar apenas de meteorologia. Desde que o blog completou um ano, pensei em diversificar o conteúdo e falar sobre outras coisas que também gosto. Espero que vocês gostem dessa diversificação :). Por mais que eu adore meteorologia, falar o tempo todo sobre o assunto é muito complicado. Alguns posts exigem pesquisas mais aprofundadas para ficarem com a qualidade que vocês merecem, o que demora um pouco. Se eu fosse falar apenas sobre meteorologia, acho que teríamos poucos posts.

P.S.2: Post novo no Uma Mãe das Arábias, em que falo da diferença entre os termos tempo e clima.

Número de stephenkingzinhos:

stephstephsteph