Formação de nuvens asperatus na Nova Zelândia

Em primeiro lugar, agradeço ao meu querido marido, que compartilhou essa imagem comigo.

Faz algum tempo que imagens de nuvens Asperatus rodam pela internet. Essas imagens ganharam algum destaque depois de 2009, quando se propôs uma classificação separada para este tipo e nuvem, que tem aspecto bastante diferentes.

Nuvens Asperatus (também chamadas de Undulatus asperatus) são formações batante raras. O nome sugere algo rugoso ou agitado, como ondas do mar. Os cientistas acreditam que essas ondulações ocorrem quando ventos muito intensos atingem camadas de ar que antes eram estáveis. Graeme Anderson, estudante de mestrado do Departamento de Meteorologia da Universidade de Reading, descobriu em sua pesquisa que nuvens Asperatus se formam em condições muito semelhantes as das nuvens mammatus.

Se for aceita como uma nova classificação, asperatus vai ser a primeira  nova classificação do século XXI inserida no Atlas de Nuvens da Organização Meteorológica Mundial  século. A última novidade nessa publicação foi a inserção da nuvem Cirrus intortus, o que ocorreu em 1951.

A imagem que abre o post foi fotografada por Merrick Davies em 2009, um momento em que o céu estava bastante turbulento em Hanmer Springs, Ilha Sul,  Nova Zelândia. Nuvens aspetatus também já foram observadas nos Estados Unidos e no Reino Unido.

Lembrando que já falei sobre classificação de nuvens em diversos posts aqui do Meteorópole, sendo este o principal deles. E sei que vocês estão curiosos por uma foto de uma nuvem Cirrus intortus. Aí vai:

E vocês sabiam que no Reino Unido existe a Cloud Appreciation Society? É um grupo de apreciadores de nuvens que reúne membros de outras partes do mundo também, através da internet. Eles promovem concursos de fotografias, editam publicações e vendem um monte de coisa bonitinha. As meias abaixo estão na minha wishlist: