Histórias de Samantha – Profissão perigo



Essa é uma daquelas histórias que o universo faz acontecer justamente comigo. Os fatos narrados aqui aconteceram há um bom tempo, há uns 3 anos, acho. Acabei encontrando essa história digitada em meus arquivos e dei tantas risadas que resolvi narrar aqui.

Era uma manhã fria. Saí de casa de botas, meia-calça, vestido  e casaco. Eu ia fazer uma viagem curta, então carregava uma mochila e uma bolsa menor. Só que lá pelas 9h, eu comecei a sentir calor. Então dentro do metrô eu tirei as botas, tirei a meia-calça e tirei o casaco. Calcei um par de rasteirinhas que eu tinha na minha mochila.

Não me julguem pelo meu strip tease, hahahaha. É o meu jeitinho. Populares olharam para mim com cara de que-mulher-louca-Deus-do-céu mas sinceramente não ligo para essas coisas.

Como o par de botas não caberia em minha bolsa, peguei uma sacola (estrategicamente guardada na bolsa) e coloquei as botas dentro. Um volume a mais para carregar, tudo bem. Encontrei meu marido no terminal rodoviário. Ele me perguntou o que eu tinha naquela sacola enorme. Expliquei tudo o que aconteceu, que eu estava de botas mas tive que tirá-las, etc. Meu marido, sempre espirituoso, exclamou sobre minha anterior inadequação climática e sobre o meu jeitinho:

– Esses meteorologistas não sabem nada, hein.

Uma dessas pessoas interativas desconhecidas e que ouvem a conversa alheia (e não apenas ouvem, também opinam), diz:

– É mesmo, eles sempre erram!

Nesse momento eu preenchia as passagens. Abaixei a cabeça e escondi meu rosto com o cabelo porque EU SABIA que meu marido não perderia a oportunidade:

– É que ela é meteorologista.

E a mulher afastou-se, resmugando.