O símbolo perdido – Dan Brown



Sei que muitos criticam pessoas que leem best sellers, como este que apresento no título. Conheço gente muito culta, que critica demais quem lê Zíbia Gasparetto ou Paulo Coelho. Ou Dan Brown, como é este caso. Bem, se você é um desses, pode me criticar nos comentários, mas não vou nem ligar, rs. Cada leitor constrói seu gosto literário e isso depende muito das referências únicas que cada um possui. Minha avó por exemplo lê muitos livros escritos por evangelistas e pastores famosos, além da própria Bíblia Sagrada, já que ela é protestante. Por que eu recomendaria um livro do Stephen King pra ela?

Há uns dois anos, li Símbolo perdido, de Dan Brown. Esse post aqui é baseado em um post escrito por mim no meu finado blog “Don’t take offence at my Innuendo”. O blog já não está mais no ar, mas guardei os posts. O livro narra uma história que envolve conspirações sobre maçonaria e a influência que isso tem na capital dos Estados Unidos. Há um artefato, uma pirâmide maçônica que possui um mapa que pode indicar a localização de um tesouro maçom. O mapa está codificado, e o Dr. Robert Langdon (o mesmo personagem do Código da Vinci e de Anjos e Demônios, outros best sellers do mesmo autor) é envolvido na trama para decodificar a mensagem. Sim, eu critiquei uma teoria de conspiração recentemente. Mas se vocês lerem bem este post, verá que eu até gosto de uma conspiraçãozinha sem sentido na ficção. Teorias da conspiração, quando escritas com o propósito de narrarem fatos reais, sempre são desserviços, geram pânico e desinformação.

Enquanto lia o livro, inventei um passatempo. Na verdade, é um passatempo que tenho quando leio qualquer livro que tenha muitas referências geográficas que existem na vida real. Basicamente consiste em procurar pelas localidades e informações do livro no Google.

Em O Simbolo Perdido, Dan Brown menciona a National Cathedral, de Washington DC. Pela descrição, parece ser um lugar impressionante, muito grande e interessante. Então busquei por uma foto:

Trata-se de uma catedral com inspiração gótica, que sempre impressiona por suas assustadoras dimensões verticais. Tenho certeza que a idéia dos arquitetos é nos deixar pequenos diante de um ser superior (que para os cristãos, trata-se de Deus). Mais fotos deste lugar lindo, podem ser encontradas no site oficial da Catedral.

Mas o livro não menciona  a catedral de forma rápida, sem dar qualquer detalhe.  O que chamou minha atenção e me fez procurar fotografias deste local foi uma suposta gárgula da catedral. Essa gárgula tem uma carinha um pouco diferente do que esperaríamos.  O livro menciona que uma das gárgulas do exterior da catedral tem a cabeça do Darth Vader, pois num concurso, pediram para crianças descreverem a face do mal e acharam este personagem apropriado.Achei a história tão extraordinária que decidi procurar atestados de veracidade.

Como vocês podem observar, assim que comecei a busca no Google percebi que tinha potencial.  Daí encontrei um link para o site oficial da Cathedral, explicando isso.

Eu achei demais! Morri de rir, achei super espirituoso e interessante. Uma moça que conheço uma vez me disse numa conversa informal, que não gostou disso, pois a gárgula do Darth Vader não tem nenhuma relação com o estilo gótico da catedral. Nos rimos muito do assunto e eu continuo gostando. E acho que gostei pela mesma razão que ela odiou, hahahaha.

Visitando o site da catedral, vi que a construção apresenta muitas surpresas em seus detalhes. Eu preciso visitar este lugar um dia!

Número de stephenkingzinhos para o livro:

stephstephsteph