O que acontece quando a gente se bronzeia?



Em primeiro lugar, devo dizer que vou tratar o assunto de maneira bem superficial. Não vou usar termos técnicos em demasia, já que não sou médica. Entretanto, como gosto muito do assunto (e leio muito a respeito) e como assisti a palestra do Dr. Reynaldo Sant’Anna (do Programa Sol Amigo), aprendi algumas coisas. E pretendo multiplicá-las, escrevendo a informação aqui no Meteorópole.

Placa proteja a sua pele - modelo 2

A cor de nossa pele é determinada geneticamente. Assim que nascemos, há uma quantidade de melanina em nossa pele (que é claro, varia de acordo com cada um) e que vai determinar a cor de nossa pele. Melanina é o nome de um pigmento natural, presente em muitos seres vivos, responsável pela pigmentação da pele, dos cabelos e dos olhos.

fototipo
Genial a idéia deste blog em usar fotos de celebridades para ilustrar os fototipos cutâneos. Adorei porque escolheram um de meus atores favoritos, Morgan Freeman, para ilustrar o Fototipo VI

Quanto mais escura a cor da pele, maior a quantidade de melanina que a pele possui.

No entanto, a cor de nossa pele muda com o tempo. Isso significa que algum mecanismo está fazendo com que mais melanina seja produzida. Existe um tipo de célula em nossa pele chamada melanócito. Essa célula é responsável pela fabricação de mais melanina. Ela é estimulada quando o indivídio é portador de algumas doenças (alterações endócrinas da doença de Addison), em alguns casos durante a gravidez (axilas escurecidas, manchas no rosto e aquele ‘risco vertical’ na barriga da grávida) e/ou quando o indivídio é exposto a radiação UV.

A luz solar que chega até nós é composta principalmente por luz visível (que possibilita que possamos enxergar os objetos) e radiação ultra-violeta, que não podemos enxergar, mas podemos sentir.

ddd
Parte do espectro eletromagnético, que corresponde a região visível. A maior parte da radiação emitida pelo Sol encontra-se nessa faixa. Os menores comprimentos de onda (a esquerda) correspondem a radiação ultra-violeta, que o Sol também emite e é a radiação responsável pelo envelhecimento precoce e pelo câncer de pele. Fonte: Física sem mistérios

Sentimos principalmente a radiação UV quando nossa pele muda de cor. Ou seja, o bronzeamento é resultado da ação dos raios UV (ou radiação UV, tanto faz). Por isso, quando compramos protetor solar, vemos as inscrições “radiação UVA e UVB” no rótulo do produto.

UVA e UVB são subdivisões de radiações UV. A radiação UVA é a menos absorvida pela camada de ozônio. Quando atinge a pele, ela penetra mais profundamente que a radiação UVB (já falo sobre este segundo tipo). No entanto, a radiação UVA destrói o colágeno e a elastina. Isso significa que a ação da radiação UVA a longo prazo deixa a pele sem viço e com muitos sulcos. Portanto, a radiação UVA é normalmente associada ao envelhecimento precoce, mas também está relacionada com o câncer de pele. As camas de bronzeamento artificial, que emitem radiação UVA (e UVB em pouca quantidade) foram proibidas no Brasil, justamente por este tipo de radiação estar associada com o câncer de pele.

A radiação UVB é mais absorvida pela camada de ozônio, quando comparada a radiação UVA. Ela não penetra tão profundamente quanto a UVA, mas está mais relacionada com a ocorrência de câncer.

Voltando aos melanócitos: eles são ativados pela radiação UV, seja UVA ou UVB. O resultado da exposição contínua é o bronzeamento da pele. Em nosso país, há um culto exacerbado ao corpo e à beleza. A pele bronzeada é tida como saudável, talvez porque o indivíduo bronzeado seja visto como alguém que aproveita a vida e que tem tempo para relaxar na praia. No entanto, esse é apenas um elemento de nossa cultura e não significa que esteja correto.   Na verdade, está totalmente equivocado!  Os melanócitos produzem melanina como mecanismo de defesa para proteger o DNA das células da epiderme.  O aumento da produção de melanina fará com que surjam manchas e pintas na pele. Elas são os primeiros sinais de perigo! Principalmente pessoas de pele mais clara, podem não conseguir produzir melanina o suficiente para proteger a célula. O resultado: câncer de pele. Para informações médicas sobre essa doença, recomendo o site do Dr. Drauzio Varella e o projeto Sol Amigo, do Dr. Reynaldo Sant’Anna.

O câncer de pele é o tipo de câncer mais diagnosticado no Brasil. Na maioria dos casos, ele tem cura, principalmente se for diagnosticado em seus estágios iniciais. Por isso, qualquer tipo de mancha ou pinta ‘estranha’ é motivo para procurar um médico imediatamente.

Noto que no Brasil algumas pessoas tem uma cultura de “deixa pra lá, faço depois”. O Izzy Nobre chama isso de bunda-sujice. Bom, onde quero chegar? Algumas pessoas, justamente por pensarem “ah, é só uma mancha, a esteticista resolve” ou então “ah, eu faço peeling no inverno”, não se importam com a fotoproteção. Inclusive há várias it-blogueirinhas por aí recomendando bronzeador. Eu tenho até calafrios de pânico ao lembrar que existem produtos no mercado chamados b-r-o-n-z-e-a-d-o-r-e-s, que prometem um aumento da pigmentação da pele durante a exposição solar. Existem pós que dão um efeito bronzeado na pele e cremes que depositam uma camada de pigmento na pele, daí é outra história, é apenas maquiagem.

Há uma série de idéias e mitos errados sobre a fotoproteção. Conversando com algumas pessoas, descobri três mitos campeões:

– Só devo me preocupar com fotoproteção na praia ou no clube. MITO. O Sol é o mesmo e em alguns casos, a quantidade de radiação ultra-violeta é até maior. Se você tiver passando uma temporada em Bariloche, saiba que a quantidade de radiação UV incidente em regiões mais altas é maior, pois a concentração de ozônio é menor. Além disso, a neve reflete e espalha a radiação, o que nos faz concluir que a proteção facial neste caso deve ser ainda maior. Use protetor solar sempre, em todas as partes expostas do corpo e todos os dias. Inclusive no inverno, moramos em um país tropical, com muita radiação solar incidente o ano todo.

– O protetor solar possibilita que eu fique mais tempo no Sol, inclusive ao meio-dia. Essa é a pior mentira veiculada pela mídia, pois repare na maioria das propagandas de protetor solar:  as propagandas usam atores com o padrão de beleza típico e o Sol brilhando muito, indicando que não pode ser início da manhã ou fim de tarde. Outro dia reparei em uma propaganda e as pessoas não tinham sombra! A ausência de sombra me mostra exatamente que elas estão felizes na praia perto do meio-dia e ninguém pode estar feliz na praia ao meio-dia de um mês de janeiro porque esse é o horário do câncer de pele. Desculpem meu exagero na linguagem, mas julgo extremamente necessário. Além disso, a maioria das pessoas não sabem passar o protetor solar. De acordo com os médicos, um homem adulto de mais ou menos 1,70m usando apenas sunga, deve gastar aproximadamente 30ml de protetor solar em cada aplicação. A aplicação deve ser bem espalhada pelo corpo. E lembrando que o protetor deve ser re-aplicado a cada 2h, após o mergulho (não confiem nessa história de ‘não sai na água’) e após sudorese.

– Se eu me bronzear aos pouquinhos, não tem problema. Outro grande MITO. Não é o Sol de um único dia de exposição que vai fazer com que o indivíduo adquira câncer de pele. Os efeitos da radiação UV são cumulativos.

Placa 1

Fiz uma enquete no Facebook. A pergunta era: Você acredita que é possível bronzear-se de maneira segura? . Infelizmente, eu imaginava que a maioria das pessoas responderia que sim, é possível. Até achei que o resultado foi equilibrado, achei que o sim fosse ganhar disparado. Isso significa que tem muita gente esclarecida, fiquei animada.

Termino esse post respondendo a pergunta da enquete de maneira categórica: Não, não é possível bronzear-se de maneira segura. E esse post serviu para justificar esta resposta. Fotoproteção não significa necessariamente ‘passar o protetor solar’. Trata-se de uma mudança de atitude:

– Usar camisetas, chapéus e óculos: roupas e chapéus são muito utlizados por trabalhadores do campo, justamente para proteger-se do Sol durante o trabalho. Trabalhadores dos correios, entregadores, vendedores ambulantes e outros profissionais que realizam suas atividades ao ar livre podem usar o mesmo artifício.

– Usar o protetor solar: não dá para cobrir todo o corpo. O rosto, as mãos, os braços e as pernas muitas vezes ficam expostos. Vivemos em um país muito quente, não dá para se cobrir dos pés a cabeça. Alguns trabalhadores recebem protetor solar por parte de seus empregadores. Se você realiza muitas atividades ao ar livre, organize-se com seu sindicato, com a CIPA, etc.

– Se possível, exponha-se ao sol somente quando as sombras forem longas. Ou seja, quando for bem cedinho ou final de tarde. Aprendi com a equipe do Sol Amigo a usar a sombra como referência e não o horário (das 10h-16h). No verão brasileiro, em algumas localidades, mesmo antes das 10h o Sol já é forte e perigoso.

– Consulte o Ìndice UV de sua localidade e observe: ele varia de acordo com o horário. Naturalmente, próximo as 12h, o índice é maior e mais perigoso.

Essa imagem foi tirada do site Stop Câncer Portugal. Até a escala de cores utilizada para determinar a intensidade do IUV é internacionalmente usada.
Essa imagem foi tirada do site Stop Câncer Portugal. Até a escala de cores utilizada para determinar a intensidade do IUV é internacionalmente usada.

– Compartilhe a informação com amigos, parentes, alunos, etc. Quanto mais pessoas souberem, melhor!

P.S.: Ok, essa é para os amigos e leitores “do contra”: você pode se bronzear com segurança apenas com bronzeamento a jato ou com maquiagem (pós bronzeadores, bases bronzeadoras, etc). Ou seja: você pode pintar o seu corpo, em princípio isso não oferece muito risco (desde que os produtos sejam aprovados pelas vigilância sanitária,  etc). Mas poucas pessoas, quando pensam em bronzeamento, pensam nesse tipo de artifício. 🙂