2012: um ano com poucos tornados nos E.U.A.



Talvez alguns de meus leitores ainda se lembrem que 2011 foi um ano com muitos tornados. O presidente Barack Obama chegou a visitar muitas das áreas afetadas, regiões com registros de diversas vítimas fatais e muito prejuízo material.

No entanto, o ano de 2012 foi exatamente o oposto: segundo a NOAA, 2012 destacou-se por ter sido um ano com poucos tornados registrados. Esse foi um dos destaques de fim de ano do The Huffington Post. Quem tem o costume de  acompanhar notícias de tornados deve ter notado essa diferença entre esses dois anos.

O gráfico abaixo aponta o desvio com relação a média. A linha azul clara mostra o ano de 2011.  Até março/2011, a média mensal de ocorrência de tornados ficou bem próximo da média (linha escura no centro do gráfico). Depois de março/2011, todos os meses apresentaram mais tornados que a média. No total, 2011 teve 1692 tornados (392 ocorrências acima da média climatológica).

O ano de 2012 começou mais animado que 2012. Repare que até abril/2012, o total mensal de tornados foi maior que a média climatológica (linha azul escura). A partir de maio/2012, a quantidade de tornados caiu, ficando abaixo da média climatológica. No ano de 2012 foram registrados 886 tornados (382 a menos que a média).

o-2012-TORNADOES-570

Cabe ressaltar que a figura acima foi atualizada em 30 de novembro de 2012. Ou seja, pode ser que este número varie um pouquinho em uma nova contabilização, mas acho pouco provável que os números sejam muito diferentes dos já apresentados. O meteorologista veterano James Spann, da emissora ABC de Birmingham, Alabama, afirma que esse é o ano mais atípico dos últimos 20 anos, com relação a ocorrência de tornados.

Contabilizar tornados nem sempre é uma tarefa muito simples. Em algumas situações, eles podem ser contabilizados duas vezes (quando visto em duas cidades diferentes, por exemplo). Em outras situações, eles simplesmente não são contados, pois ocorrem em lugares muito ermos e são de categoria 1, causando poucos danos e com um tempo de vida muito curto. Atualmente, os radares meteorológicos cobre quase que totalmente o território norte-americano. Sendo assim, é bastante difícil que um tornado ‘escape’ dos olhares atentos de um meteorologista, mas pode acontecer.

O ano com menor ocorrência de tornados foi 1989, com 856 tornados registrados. Os 886 tornados registrados em 2012 (até novembro/2012), indicam um ano realmente atípico, especialmente em uma era em que a maior parte dos E.U.A são monitorados por radares meteorológicos.

Para entender porque o número de tornados em 2012 foi tão baixo, é necessário entender os ingredientes necessários para a formação deste fenômeno, Já falamos sobre este assunto aqui, mas vamos relembrar através das palavras de Mike Smith, vice-presidente da Accuweather. Segundo Smnith, tempestades que produzem rajadas, ventos muito intensos e tornados dependem de contrastes. Contrastes entre ar quente e frio ou entre ar quente e seco. A diferença entre as massas de ar produzem instabilidades que fazem com que a atmosfera desenvolva tempestades.

O cisalhamento do vento, que é  mudança na intensidade ou na direção do vento com a altitude, também é um fator crucial para a formação de tornados, pois ajuda a criar o movimento giratórino na atmosfera.

Harold Brooks, meteorologista da NOAA, afirma que houve pouco cisalhamento do vento em 2012, fator que certamente foi decisivo na pouca quantidade de tornados no ano de 2012.

Segundo Brooks, o pouco cisalhamento está de certa forma relacionado com a seca intensa no interior dos E.U.A. Essa seca foi bastante noticiada, sendo responsável por quebras de safras. Recentemente, o programa Globo Rural citou a seca norte-americana de 2012 em seu programa de fim de ano com a retrospectiva dos principais acontecimentos deste ano.

A corrente de jato, que normalmente ajuda a formar as tempestades na região central dos E.U.A, ficou mais a norte do que de costume. Sua localização atípica fez com que o tempo ficasse mais quente e seco na região central dos E.U.A.

Smith ainda aponta que a seca levou a pouca ocorrência de tornados em outras ocasiões, como no final dos anos 70/início dos anos 80. O ano de 2012 foi muito similar a este período, ainda segundo Smith.