O formato das gotas de chuva



No começo do ano, escrevi este post sobre o formato das gotas de chuva. Então o Sylvio Luiz Mantelli Neto, pesquisador da UFSC (conheça o site aqui) me mandou um interessante gráfico para complementar o post:

Na verdade, devo desculpas ao Sylvio, porque ele me mandou essa imagem há algum tempo e só agora consegui publicá-la e explicá-la. Eu tenho tantos posts inacabados no Meteorópole, peço desculpas 🙂

Retomei o assunto por conta deste post. Lembrei que muitas pessoas pensam que o formato das gotas de chuva é semelhante ao formato do Zé gotinha. Esse formato simpático é inclusive explorando didaticamente,como na ilustração muito boa do USGS 🙂

Segue em anexo um gráfico informativo acerca do formato das gotas de chuva. Para falar a verdade o formato das gotas vai mudando de acordo com o tamanho que possuem por causa da resistência do ar. Estou trabalhando com este assunto agora, vi o seu comentário em nossa pagina do LAPIX e resolvi mandar esta foto ilustrativa.

O que a figura mandada pelo Prof. Sylvio nos conta? Que as gotas de chuva possuem um formato achatado. As gotas são redondinhas (ou quase redondinhas) apenas quando são muito pequenas.  Quanto maior a gota, mais achatado ele fica. Repare na linha que marca 9,0 (9,0mm). A gota, a esta altura, possui um formato bem achatado e o destino desta gota é inevitável: ela vai se romper, e teremos duas gotas de chuva.

Normalmente, encontramos gotas de chuva bem grandes em tempestades tropicais, aquelas que vemos aqui no Brasil durante o verão. São tempestades que duram algumas horas, normalmente no fim de tarde ou durante a noite. Chuvisco ou garoa, situações normalmente encontradas durante o  inverno de algumas regiões brasileiras, possui gotas de chuva bem menores.

Obrigada, Prof. Sylvio :).