Dúvida dos leitores – Cursar ou não meteorologia?

Olá Pessoal!
Desculpem pela ausência de posts. Eu ainda preciso publicar duas fotos que o Renan me mandou. Preciso também completar algumas postagens que estão pela metade. Não me lembro se já contei para vocês, mas estou fazendo curso de francês. Talvez eu fale sobre isso em outros posts. O curso é bem puxado, uma vez que francês é um idioma bem difícil (pelo menos na minha opinião). Sendo assim, estou com menos tempo livre para me dedicar ao blog.

Hoje eu recebi uma pergunta muito boa. A Juliana está pensando em cursar meteorologia na UNESP. Só que ela tem algumas dúvidas, que certamente são dúvidas comuns nas mentes de diversos vestibulandos:

Olá! penso em cursar meteorologia na UNESP. me interesso bastante por essa area, sempre adorei observar céu e nuvens. mas o conteúdo do curso, cheio de calculos, assusta um pouco – tenho certa dificuldade em exatas rs… é muito complicado concluir os 4 anos ou estudando e prestando atençao dá praqueles que nao sao ‘genios dos calculos’ conseguirem assimilar bem o tb? meu receio é mais de entrar e nao conseguir acompanhar os calculos. outra dúvida: é possivel ja sair contratado do curso, no caso do estagio obrigatório? há procura de empresas pelos formandos nas universidades? grata!

Juliana, na faculdade você vai encontrar verdadeiros gênios, pessoas que realmente possuem uma inteligência acima da média. Sabe aquela pessoa que nem precisa estudar e o conteúdo parece brotar em seu cérebro? São pessoas com um talento natural para uma determinada área, isso você vai encontrar em qualquer carreira. No entanto, a maioria dos estudantes é composta por pessoas que precisam se esforçar muito para conseguir bons resultados. Isso significa estudar com muito afinco, passar horas na biblioteca (e em casa, no ônibus, na sala de aula, falando com monitores, etc) e até abrir mão de alguns momentos de ócio e lazer.

Parece conversa de livro de auto-ajuda, mas é verdade: se você se esforçar bastante, se batalhar realmente, pode conquistar muitas coisas. É preciso acreditar no curso que escolheu, é preciso realmente se dedicar.

Isso não significa que você nunca mais poderá viajar ou ir em festas. Algumas pessoas tem o costume de ir em festas/baladas várias vezes por semana, e quando você é universitário em qualquer curso, vocẽ vai ter que organizar muito bem a sua rotina e realmente se dedicar, para que esses momentos de lazer (que serão em menor quantidade, já aviso) sejam mais proveitosos e divertidos. Ou seja: faça todos os trabalhos, estude bastante e depois comemore!

Vocẽ me contou que tem um pouco de dificuldade em exatas? Mas a minha pergunta é: você gosta? As dificuldades são totalmente normais, mas se você gosta de matemática e de física, curte aprender o conteúdo e aplicar em exemplos práticos, a dificuldade é recompensada. Na faculdade, o ritmo de estudos é totalmente diferente do ensino médio. È preciso estudar todos o dias, rever o conteúdo visto naquela aula, fazer as listas de exercício, buscr material complementar, etc. Eu quero dizer que não adianta estudar apenas um dia antes da prova. Quem faz isso, normalmente tira notas péssimas!

Se você acompanhar a matéria, não deixar as dúvidas se acumularem e estudar diariamente com muito afinco, tenho certeza que você pode acompanhar os cálculos difíceis. Não vai ser fácil, as matérias de cálculo costumam ser difíceis para a maioria dos alunos. Mas quem estuda diariamente, quem realmente monta uma rotina de estudos, costuma ir muito bem.

Quando eu estava no ensino médio, costumava tirar notas muito altas. Quase sempre era a melhor aluna da sala. Na Universidade, minhas notas não eram as mais altas. Lembre-se: um vestibular seleciona os melhores alunos. Então você vai encontrar gente mais inteligente do que você (com um talento natural ou simplesmente mais esforçados) e você também vai sentir um baque em suas notas. Mas não encare isso como uma competição desmedida, pense que você terá chances de conviver com gente inteligente e que poderia haver trocas entre você e seus novos colegas. O nível de complexidade exigido na faculdade é muito maior e é por isso que nossas notas acabam sendo mais baixas, principalmente no começo. O baque inicial é terrível, mas também nos ensina que sempre podemos nos esforçar mais e aprender mais.

 Sobre o mercado de trabalho, nunca há garantias. Esse não é um problema da meteorologia. Você vai fazer um estágio, mas pode ser que a empresa não tenha como te contratar. Certamente vocẽ vai ver várias vagas de emprego, mas talvez elas não sejam em sua cidade. Talvez essas vagas nem sejam em seu Estado. O meteorologista precisa estar disposto a mudar de Estado, em muitos casos.

Além disso, preciso falar da questão “emprego registrado”. Esse é um ponto bem complicado, e mais uma vez: em todas as áreas. Tenho colegas jornalistas que não possuem vínculo empregatício. Eles atuam como PJ (pessoa jurídica) e prestam serviços para diversas empresas. O emprego com carteira assinada nem sempre surge de primeira. Além disso, um emprego com carteira assinada também não é garantia de felicidade. É preciso pensar no futuro, pagando um plano de previdência privado, economizando dinheiro na poupança, etc. Muitas pessoas trabalham como autônomas e esse trabalho sem registro também possui muitas vantagens.

No caso do meteorologista, tenho amigos e colegas trabalhando com um contrato de tempo pré-determinado (já trabalhei assim!) e que depois pode ser renovado. Ou pode não ser renovado! Por isso é importante ter um bom relacionamento com os colegas e sempre acompanhar a divulgação de novas oportunidades de trabalho.

Espero ter ajudado e seja bem-vinda sempre. Há algum tempo, respondi essa pergunta sobre locais de trabalho dos meteorologistas. Acho que também pode te ajudar.