O que são fusos horários?

Os fusos horários fazem parte da vida de pessoas que viajam bastante, que têm amigos no exterior e muitas vezes da rotina de trabalho. O conceito de fuso horário é basicamente a delimitação de zonas por dois meridianos consecutivos da superfície terrestre cuja hora legal, por convenção, é a mesma.

Já os fusos do Sistema UTM são diferentes e estão relacionados às convenções da CIM, ou seja, de sessenta zonas ou fusos com seis graus de amplitude cada, vinculando-se ao período de rotação do Planeta.

A diferença entre hora local e hora legal

A hora local é aquela referida a um meridiano local específico. A determinação deste horário é feita com base na posição do Sol: quando ele se situa exatamente sobre o meridiano escolhido, ao “meio-dia”, ajustam-se os relógios para marcarem 12 horas. Deste modo, cada ponto localizado sobre a superfície terrestre possui uma hora diferente.

Já o conceito de hora legal, também conhecido como hora oficial, abrange o intervalo de tempo considerado por um país como sendo igual para um determinado fuso. Esta varia de país para país dentro do próprio território que o delimita.

E o horário de verão?

No Brasil, e em alguns outros países como Estados Unidos, Canadá e Austrália, o horário de verão é adotado para aproveitar a luz diurna. O simples adiantamento da hora, normalmente de uma hora, possibilita uma redução significativa no consumo de energia elétrica. Segundo pesquisas do Operador Nacional do Sistema (ONS), o último horário de verão brasileiro garantiu uma economia de 4,5% na demanda energética.

A questão do horário de verão no Brasil é bastante controversa. O Brasil possui um território quase que totalmente em área tropical. Em latitudes baixas, a radiação solar não varia drasticamente ao longo do ano, como acontece em localidades de latitudes médias e altas. Lembram daquele filme Insomnia, do Robin Willians (ótimo filme, recomendo) em que já era mais de 22h e o Sol ainda brilhava lá no Alasca? Então, era verão no Hemisfério Norte. Esse hemisfério estava recebendo mais radiação solar (graças a inclinação do eirro terrestre). Por outro lado, o inverno no Alasca é bem escuro. O sol se põe super cedo, por volta das 16h da tarde.

Aqui nós não sentimos diferenças tão bruscas assim, justamente por recebermos bastante radiação solar o ano todo. Sendo assim, acho que o horário de verão não é uma ajuda expressiva. Lembro uma época em que adotavam horário de verão na Região Nordeste. Um absurdo, pois a Região Nordeste está ainda mais próxima da Linha do Equador. Pelo menos o bom senso foi usado e  agora apenas as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste adotam o horário de verão.

Você sabia?

Que existem três fusos horários diferentes no Brasil? São eles:

UTC −2: Atol das Rocas, Fernando de Noronha, São Pedro e São Paulo, Trindade e Martim Vaz.

UTC −3 (horário de Brasília): é usado nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste; estados de Goiás, Tocantins, Pará e Amapá; e o Distrito Federal.

UTC −4: vale para estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Rondônia, Acre e Roraima.

O conteúdo desse post foi escrito pelo pessoal da Comunitexto e reproduzido aqui no Meteorópole. As partes que estão na cor verde, são observações minhas, que não estão no texto original.

Por que é importante para os meteorologistas?

Todas as estações meteorológicas, aeródromos e aeroportos precisam enviar suas observações meteorológicas para a OMM, na Suiça. Quando mandamos uma observação meteorológica, é necessário mandar também o horário em que ela foi feita. Agora imagine a confusão que seria receber informações de países diferentes e em fusos horários diferentes. Por essa razão, há alguns padrões de horários. Algumas observações codificadas, como SYNOP ou METAR, são enviadas no horário de Greenwich, que é o UTC 0. Se eu não me engano, o SYNOP é enviado as 00h, 12h e 18h (em UTC 0). Sendo assim, as hora locais dessas observações em São Paulo-SP (que segue o horáro de Brasília) seriam: 21h, 09h, 15h. Já numa estação meteorológica localizada em Rio Branco-AC, seria: 20h, 08h e 14h.

As legendas das imagens de satélite também sempre estão no horário padrão de Greenwich (UTC 0, ou simplesmente UTC). A imagem de Satélite Abaixo é do satélite Meteosat-9, no canal IR (infra-vermelho) e foi obtida 01/02/2012 01:00 UTC. Como o horário de Brasília é UTC -3h, a hora local dessa imagem é 22h do dia 31/01/2012 (dia anterior). Toda imagem de satélite vem com um cabeçalho, indicando de qual satélite foi obtida e o horário em que foi obtida. E o horário é sempre UTC 0.

Imagem de satélite - tempestades Argentina e Paraguai

Para os estudantes e professores de geografia que gostaram do conteúdo deste post, recomendo o livro Cartografia Básica, de Paulo Roberto Fitz.De acordo com as informações da Oficina de Textos.  Entre os assuntos presentes nas páginas deste livro estão os sistemas de coordenadas e escala, introduzindo também o uso do GPS na obtenção de informação cartográfica, fontes de dados como as fotografias aéreas e as imagens de satélite, cada vez mais utilizadas na atualização e geração de novos mapas temáticos e o manuseio das cartas topográficas do mapeamento sistemático brasileiro.

cartografia-basica--d0e1d2  Esse livro é certamente um ponto de partida quando o assunto é cartografia. É um livro de referência inicial, daqueles que os alunos de geografia certamente vão precisar muito no primeiro ano do curso e vão precisar depois de formados, para elaborar suas aulas.

Recomendo :). Ele está apenas R,00 na Oficina de Textos, aproveite.

P.S.: Este é um post publicitário.