Coisas aleatórias de uma quinta-feira chuvosa



Bom dia!

Parece que a estação chuvosa realmente chegou aqui em São Paulo. Ela sempre chega mais ou menos perto do aniversário de minha mãe, que foi ontem 🙂

Sério, se vocês digitarem "

Mamãe é demais! Ela é uma das criadoras de conteúdo da fanpage Eu Amo a Chapada Diamantina, atualizava um blog sobre crochê e adora tirar fotografias. Foi ela quem fotografou os botons Dona Val para a lojinha :).

Parbéns mais uma vez, mamãe! Por ser essa fonte de inspiração, amor e carinho.

E sobre a chuva: já deve ter chovido cerca de 20mm desde anteontem na Estação Meteorológica do IAG-USP.

Ontem eu recebi um email da Mônica C. perguntando se tenho algum texto sobre o vapor d’água e os outros estados da mesma substância. Outras pessoas já me mandaram e-mails parecidos. Consultando a categoria “Água” aqui do lado direito do blog, há diversos textos sobre o assunto. Especificamente, sobre o Ciclo Hidrológico (ou Ciclo d’Água) tenho dois textos bem importantes:

Aqui comentamos sobre as mudanças de estado da água;

– E nesse outro texto, apresento uma figura extremamente didática, feita pela USGS, que mostra as mudanças do ciclo d’água na natureza.

Muitos textos desse blog auxiliam professores e alunos. Eu fico bastante feliz e satisfeita em ajudar, mesmo que de maneira muito pontual, a divulgar e disponibilizar conhecimento. Ao longo do tempo, o blog mudou um pouco e diversificou conteúdo. Claro que isso ajuda a atrair mais leitores, mas eu também fico bastante contente em dividir um pouquinho sobre mim.

Ontem eu atendi uma turma muito bacana no trabalho. Adorei que eles já tinham um roteiro de visita, com todas as informações que deveriam preencher. Eles eram alunos do Fundamental II. Algumas meninas colocaram esse roteiro em uma prancheta e preenchiam com muito cuidado. Lembrei de mim, quando tinha a idade delas #nostálgica. Uma das garotas chamava-se Samantha. Foi super engraçado, porque as amigas a chamaram e eu me virei, instintivamente. Meu nome não é exatamente incomum, mas também não é o nome mais comum de todos.

Essa turma era de uma escola municipal da Zona Norte. A escola possui um blog, com posts em forma de reportagem, escritos pelos próprios alunos. Veja aqui. Adorei a iniciativa da escola, algo que percebi que já é feito também por outras escolas. Motiva, une e ensina! As escolas que destacam-se são feitas por profissinais dedicados (professores, funcionários e direção), além de pais e alunos participativos.

É importante que o professor entenda que existe visita técnica e excursão. Uma visita à Estação Meteorológica do IAG-USP, por exemplo, é uma visita técnica. O professor precisa preparar os alunos, explicar o que eles verão por lá e pedir para que eles organizem um relatório no final da visita. Uma visita técnica é como uma aula fora da sala de aula. Em uma visita técnica, o aluno deve ser instruído a manter o silêncio e a organização.

Já uma excursão é diversão! Se a escola leva o aluno ao Hopi Hari, por exemplo, não deve esperar que ele fique quieto. Claro que regras de civilidade devem ser mantidas, mas aí é outro assunto e espera-se que eles já tenham esse conhecimendo proveniente de suas famílias.

Além disso, há excursões que tem algum caráter cultural, como museus, festivais de cinema e teatro. Nesse caso, é necessário manter o bom senso. Lembro uma vez que minha escola organizou uma ida ao teatro. A peça era a divertidíssima “Uma outra historia do Brasil”, que tratava com humor alguns acontecimentos de nossa história. Eu lembro de ter sofrido de uma vergonha alheia crônica quando vi alguns colegas gritarem, falarem e desrespeitarem os artistas no palco. Os professores tiveram que pedir desculpas no final da peça. Foi muito constrangedor!

Alguns podem argumentar: ah, mas são apenas adolescentes. Essa desculpa para mim não funciona. São apenas adolescentes mal educados. Atendo alunos adolescentes o tempo todo e há pessoas extremamente educadas e interessadas. Não sei o que está acontecendo com os valores, como educação e respeito ao próximo. Em opinião extremamente superficial, acho que falta controle. Os pais dão o que eles querem, compram o que eles querem (e se endividam, muitas vezes). Em diversos casos que conheço, não há imposição de limites, não há diálogo e em casos mais graves, não há nem bons exemplos dentro de casa. Ter filho é uma decisão muito séria e aparentemente, algumas pessoas não ponderaram sobre isso antes de tê-los. Então profissionais da educação precisam lidar com todo tipo de “pestinha” que não foi bem educado pelos pais, o que gera muito stress e frustração. Lamentável.