Mais um momento inconformada com a sociedade

Certo dia, eu estava atendendo uma escola. Mostrei alguns slides, e um deles era a imagem de um granizo gigante que caiu nos EUA. Um dos alunos, adolescente, disse:
-Ah, mas lá eles tem iPhone, por isso podem fotografar. [Oi, câmera?]
Eu fiquei curiosa, e perguntei:
– Mas um iPhone é tão importante assim?
Ele respondeu:
– É sim.
E eu perguntei:
– Mas por que?
E ele respondeu:
– Porque é um iPhone.

Por que essas coisas estão acontecendo? De onde veio esse consumo desenfreado? O adolescente não soube nem me explicar as vantagens de ter um iPhone (e olha que eu insisti). As pessoas consomem a marca. E não sabem usar todas os recursos do produto comprado. Parece que compram apenas para ter, para mostrar. O que explica a quantidade de fotos na frente do espelho, com pessoas mostrando orgulhosas sua forma física, sua roupa nova e claro, seu iPhone.

O pior, é que é bem capaz desse adolescente, achar que a vida dele não é completa porque não tem um iPhone. As pessoas vivem comparando suas vidas com a dos outros, isso é normal. Só que algumas pessoas não lidam muito bem com essas comparações e sentem-se realmente infelizes porque não possuem um determinado produto, por não ter a aparência, a casa ou o estilo de vida de uma outra pessoa. Com os blogs e as redes sociais, parece que essas comparações ficaram mais intensas. É um ciclo muito ruim: alguns ostentam e outros sentem-se infelizes por não ter.