Insetos conseguem prever tempestades e ventanias



Chuvas esparsas em pontos isolados. Fonte da imagem: Mauro Eduardo de Morais Lima Olhares-UOL
Chuvas esparsas em pontos isolados. Fonte da imagem: Mauro Eduardo de Morais Lima Olhares-UOL

Uma pesquisa conduzida por pesquisadores da  Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), de Piracicaba (SP), em parceria com colegas da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), de Guarapuava (PR), e da University of Western Ontario, do Canadá mostrou que alguns insetos podem prever a aproximação de tempestades.

Os pesquisadores observaram que besouros da espécie Diabrotica speciosa – conhecido popularmente como “brasileirinho” ou “patriota”, por terem cor verde e pintas amarelas –, além de pulgões-da-batata (Macrosiphum euphorbiae) e lagartas da pastagem (Pseudaletia unipuncta), têm capacidade de detectar queda na pressão atmosférica – que, na maioria dos casos, é um sinal de que a chuva está se aproximando.

Quando notam isso, esses insetos mudam seu comportamento sexual: eles cortejam e acasalam menos. A divulgação desta pesquisa foi feita essa semana na Revista FAPESP. Com a aproximação de uma tempestade, esses insetos desviam todos os seus esforços num único ponto: procurar abrigo.

Já existiam muitas evidências de que os insetos modificavam seus comportamentos de acordo com mudanças na velocidade dos ventos, por exemplo. Muitos já devem ter percebido que quando está chovendo bastante, os insetos buscam pequenas frestas, buracos em árvores, entram dentro das casas, etc. Os pesquisadores das instituições citadas decidiram investigar  o efeito das condições atmosféricas especificamente sobre o comportamento de “namoro” e acasalamento dessas três espécies quando sujeitas a mudanças naturais ou manipuladas experimentalmente da pressão atmosférica.

Leia a reportagem de divulgação aqui. E para quem tiver interesse no artigo científico, basta acessar este link.

Certa vez conversei com um moço que era aluno de Biologia. Ele me dizia que as abelhas constroem suas colméias com entrada oposta à direção dos ventos predominantes. Ele inclusive solicitou alguns dados meteorológicos para enriquecer seu trabalho. Faz algum tempo que eu não o vejo. Eu gostaria de saber como está o andamento e sua pesquisa. Eu achei o tema muito interessante. A meteorologia também é uma importante ferramenta para outras áreas.