Sete Mares – de onde vem essa expressão?



Eu estava ouvindo uma música do Queen chamada Seven Seas of Rhye:


[Recomendo também o remix, anima qualquer festa]

Além dessa música, tem a famosa Descobridor dos Sete Mares, de Tim Maia:

E fiquei pensando:

De onde vem a expressão sete mares? Quais são esses sete mares?

Então fiquei pesquisando a respeito, quando encontrei a ilustração abaixo:

Seven_seas

 

Temos aqui um “mapa”. Não é um mapa propriamente dito, já que não tem escala, título e indicações dos meridianos e paralelos,  mas é um belo esboço. Encontrei neste verbete da Wikipedia. De acordo com esse verbete, os sete mares seriam:

– Mar Vermelho;

– Mar Mediterrâneo;

– Golfo Pérsico;

– Mar Negro;

– Mar Adriático;

– Mar Cáspio;

– Oceano Índico.

Só que a definição de “sete mares” não é fixa. Na verdade, parece que sete era um número considerado ‘mistíco’ ou ‘número da sorte’. Até hoje, adeptos da numerologia, acreditam nisso.

A definição de sete mares não é fixa porque depende da origem do navegador. Os mares listados acima são provavelmente uma definição dos venezianos (que foram importantes navegadores entre os séculos IX e XII d.C) ou de outros povos da Península Itálica, Grécia e outros grupos vizinhos. Percebam que na lista aparece o Mar Adriático.

O termo “sete mares’ apareceu pela primeira vez em 2300 a.C., em escritos sumérios. Não encontrei detalhes sobre quais seriam os sete mares para os sumérios. Mas encontrei informações sobre registros bem posteriores.  No século IX d.C (ou seja, quase contemporâneo ao auge da República de Veneza) , um geógrafo muçulmano chamado Ya’qubi descreveu uma viagem partindo do Golfo Pérsico com destino à China:

“Aquele que quiser ir para a China deve cruzar os sete mates, cada um deles com coloração própria, tipo de peixe característico e vento próprio, completamente diferente do mar exatamente ao lado dele. O primeiro deles é o Mar de Fars [Fars vem de Farsi, Pérsia, atual Golfo Pérsico], no qual os marinheiros saem da cidade de Suraf. Ele termina em Ra’s al-Jumha, onde há um estreito em que pérolas podem ser capturadas. O segundo mar começa em Ra’s al-Jumha e é chamado Larwi [Atual Golfo de Aden, no sul do Iemen]. É um mar bem grande, onde encontra-se a Ilha de Waqwaq, que pertence ao Zanj [essa ilha, pelo que entendi,  é a porção da África onde é a Somália, pois Zanj significa ‘terra de negros’ em árabe]. Essas ilhas [ou seja, toda região do Zanj, hoje boa parte da costa oriental da África] possuem reis. Navegar por este mar só é possível usando as estrelas (usando a localização pelas estrelas, com o auxílio de instrumentos como astrolábios e esferas armilares). Esse mar possui peixeis grandes e muitas coisas maravilhosas difíceis de descrever. O terceiro mar chama-se Harkand [Golfo de Bengala], onde encontra-se a Ilha de Sarandib (Sri Lanka), que possui pedras preciosas e rubis. Aqui há ilhas  com reis, mas há um rei que domina todos os outros.  Nessas ilhas, crescem bambu e palmeiras. O quarto mar chama-se Kallah (Estreito de Malaca, entre a Península da Malásia e a Indonésia). Esse mar é raso e cheio de grandes serpentes. Essas serpentes as vezes viajam com o vento e esmagam navios [o mito se misturando com o relato geográfico rs]. Nesse mar há ilhas onde crescem canforeiros. O quinto mar é chamado de Salahit (Estreito de Singapura) e possui muitas maravilhas. O sexto mar é chamado Kardanj (Golfo da Tailândia), e é muito chuvoso. O sétimo mar é o Mar de Sanji (Mar do Sul da China), também chamadp de Kanjli. Este é o mar da China: o navegador é levado pelo vento de Sul até chegar a uma baía com água doce, ao longo da qual há locais e cidades cercadas por fortes, até chegar em Khanfu (atual Guangzhou).”

Ou seja, para os árabes que viajavam para o oriente, a definição de sete mares tinha relação com os mares por onde eles navegavam frequentemente, centralizando tudo no Golfo Pérsico. Uma outra definição árabe, para os navegadores que iam para o ocidente,  contava com a seguinte lista:

–  Mar Negro;

– Mar Cáspio;

– Mar Arábico;

– Oceano Índico;

– Mar Vermelho;

– Mar Mediterrâneo;

– Mar Adriático.

Na época do Imperio Romano, eles utilizavam o termo septem maria (sete mares em Latim). Coloquialmente, o caminho de navegação pelos diferentes braços do Rio Po, passando por uma série de regiões pantanosas até chegar no Mar Adriático eram chamado de “sete mares”.  Essa região é onde hoje é a cidade de Veneza (e em boa parte da Idade Média, por alguns séculos depois e até o declínio total durante as invasões napoleônicas  foi a República de Veneza). Para os venezianos, o termo “sete mares” também representava uma expressão que indicava boas habilidades náuticas, uma vez que era muito difícil fazer esse caminho.

Imagem do livro Venice, a Maritime Republic, de Frederic Chaplin Lane
Imagem do livro Venice, a Maritime Republic, de Frederic Chaplin Lane

Leia mais sobre o assunto aqui (atente para as referências).