Links de sexta



so-mad-i-couldCena de Batutinhas (The Little Rascals, 1994)<3, Darla muito brava <3

 

Mais uma semana, mais um links de sexta: mais esperada que a lista das mais bem vestidas da festa da premiação do  ___________ [insira nome premiação aqui].

– Eu estava fazendo uma pesquisa essa semana sobre uma de minhas escritoras favoritas, Joan Didion. Ela é especialista no que chamam de Jornalismo Literário, que é bem parecido com o que a Eliane Brum (outra escritora que admiro) faz aqui no Brasil. Joan escreveu livros de ficção e não-ficção. Dois de seus trabalhos de não-ficção são The Year of the Magical Thinking (que virou um monólogo estrelado pela maravilhosa Vanasse Redgrave) e Blue Nights. Nos dois livros, ela expõe suas próprias fragilidades e angústias, depois de ter passado por duas grandes perdas em sua vida (falei sobre eles aqui). Eu li os dois livros e chorei, refleti sobre a vida, ri com a escritora… Bom, eu estava fazendo essa pesquisa sobre ela quando encontro essa ótima reportagem do The Telegraph sobre esses dois livros da escritora. Recomendo. Vejam como a Dona Internet é legal: é uma reportagem de 2011, de um jornal estrangeiro, mas eu pude ter acesso. Isso seria possível há 20 anos atrás, quando eu estava colecionando fascículos do Atlas Mundial? Claro que não.

Por que as meninas na escola assustam tanto? O texto da Sybylla conta um pouco da história da escolarização das mulheres no Brasil e no mundo e discute porque em alguns lugares do mundo é tão polêmico falar em mulheres na escola. E eu estava me lembrando do livro Cabul no Inverno, de Ann Jones. No livro, Jones diz que alguns radicais islâmicos ainda discutem se a mulher é considerada um ser humano ou não. E para não dizer que não estou olhando para a realidade brasileira, observe que o Cristianismo coloca a mulher em  posição de sumissão ao seu marido. Sendo assim, uma mulher solteira é quase sempre considerada infeliz ou não é vista com bons olhos. Claro que isso melhorou muito nos últimos anos, mas ainda vejo mulheres sofrendo uma pressão social para se casarem. E apesar da ideia de submissão ser absurda, ainda vejo algumas igrejas pregarem isso como uma virtude a ser seguida.

Deixem os bancos falir! Excelente post do Rodrigo sobre a crise econômica e sobre como a Islândia conseguiu se recuperar.

Caduma, caduma! Porque cada mulher é diferente, não somos todas iguais, cada uma é de um jeito! Texto muito bom da Clara Averbuck. [e foi desse post que ‘roubei’ a imagem que abre essa postagem]

São apenas roupas! Um desabafo sobre o consumismo e o desespero pela Forever 21.

Post da Meire sobre Saúde Financeira. Recomendo =)