Resenha de Sagrados – Anaté Merger



sagrados2-300x404

Outro dia a Jaqueline falava de um livro no Facebook. E ela falava bem, dizia que era uma leitura bem fácil, daquelas que prendem você até a última palavra. E para me convencer, ela ainda disse que o livro estava em promoção na Amazon.com: versão digital gratuita.

Além disso, a autora, Anaté Merger é amiga da Jaqueline. E através da Jaqueline eu conheci muitas pessoas incríveis. Todos esses argumentos me convenceram a adquirir o livro.

Acho que já comentei por aqui outras vezes: há cerca de 1 ano e meio, adquiri um Kindle, aquela versão mais pobrinha mesmo rs (essa aqui). E posso dizer para vocês que foi uma excelente aquisição. Há inúmeros títulos gratuitos, principalmente em inglês. No entanto, a quantidade de livros gratuitos na versão em português só tem aumentado. Observei que quase toda obra de Machado de Assis está disponível gratuitamente. E muitas vezes, há excelentes promoções. Já comprei livros por 1 dólar.

A história de Sagrados passa-se na França, mais precisamente na encantadora região da Provença. Há passagens em Paris e flashbacks em Brasília, mas o núcleo da história se desenvolve na Provença.

Uma brasileira radicada na França que trabalha com livros antigos. Ela então acaba de receber um lote desses livros e está os catalogando. Quando a gente acha que o foco narrativo vai ficar sobre essa personagem, Anate nos surpreende e passa a contar a história de Gilles Sartre, professor da Sorbonne e antigo dono desse lote de livros. Ele faleceu de maneira misteriosa. Surge então uma jornalista que foi aluna de Gilles na faculdade. Ela e seus colegas vão ao seu funeral, sem saber que está sendo observada.

A partir daí, as lendas da Provença enchem nossos olhos. Um artefato misterioso. Feiticeiras boas, feiticeiras más e pessoas com segundas intenções. Porque apesar do núcleo do bem e do mal estar bem definido na trama, os personagens possuem poderes mais são humanos em tudo, ou seja, cometem erros, agem por impulso, para satisfazer vontades próprias, etc.

A maravilhosa lenda de Maria Magdalena na Provença é colocada como parte central da trama. Apesar do enredo ter esse lado místico, informações históricas da região enchem nossa imaginação. Depois de ler o livro, fiquei com ainda mais vontade de conhecer a Provença. E a Anate tem um site sobre turismo na região, cheio de informações históricas e com diversas sugestões de atividade.

Surpreendentemente, o foco narrativo muda várias vezes ao longo do livro. Achei que a autora se perdeu um pouco no final do livro, deixando várias pontas do enredo soltas. Eu sinceramente acredito que ela fez de propósito, para dar continuidade a história. Na verdade, o nome completo do livro é Sagrados – A Aliança de Maria Madalena – Vol 1. Bem, isso me diz alguma coisa: vai ser uma série, embora não tenha perguntando para a autora. E por falar na autora, ela disponibiliza dois contos em seu site.

Como sou feminista, alguns pontos do livro soaram um pouco machistas para mim. A ideia do príncipe encantado, por exemplo. É um ponto que faz parte do livro e fazer com que homem seja “o ser perfeito e iluminado que veio para preencher de luz a vida de uma mulher” é bem estranho pra mim. Outro ponto são as feiticeiras. Em Brumas de Avalon, por exemplo, as feiticeiras são autônomas, são mulheres poderosas. As feiticeiras de Sagrados são poderosas, mas acho que elas devem muitas satisfações aos homens, são de certo modo subordinadas à eles. Não gostei muito desses pontos que considero machistas, mas pode ser que eles sejam explorados no volume seguinte (ou volumes seguintes).  No entanto, a jornalista (que foi aluna de Sartre) tem um papel bem central na trama e é uma mulher forte. Ela terá uma função importante e imagino que a continuação da história seja centrada nela. Como o machismo é parte de nossa sociedade, é natural que frequentemente reflexos do machismo apareçam nas produções artísticas e culturais. Só que como feminista, gosto bastante quando o jogo é virado, quando a mulher é protagonista (como no filme Gravidade, não escrevi uma resenha sobre ele, mas a Sybylla escreveu e disse tudo).

Será que teremos uma J.K. Rowling brasileira? Eu vejo todo potencial para isso! Anaté é jornalista, sua narrativa é muito boa e prende a atenção do leitor com tranquilidade. Quero muito saber como essa história vai terminar.

O livro está custando apenas noventa centavos de dólar na Amazon.com. Muito barato mesmo e vale muito a pena. Se você tem um Kindle ou um tablet ou PC com o programa Kindle instalado, vale muito a pena adquiri-lo. Ah sim, como trata-se da Amazon.com, é necessário ter um cartão de crédito internacional para adquiri-lo. Se você não tem um cartão desses, a Polly deu uma dica ótima de um cartão internacional pré-pago (leia aqui).

Número de stephenkingzinhos:

steph

stephsteph