O que estuda um meteorologista?

O texto que escrevi essa semana para o Jornal de Serviços tem o claro objetivo de divulgar um pouco mais o trabalho do meteorologista. Já escrevi vários posts com esse tema aqui no Meteorópole, mas nunca é demais compartilhar isso em outros blogs e outras mídias 🙂

Untitled 2

Em um país onde muitas áreas do conhecimento não são popularizadas (Meteorologia, Filosofia, Astronomia, etc) e em que muita gente ainda pensa que curso superior significa apenas Direito, Medicina ou Engenharia, falar sobre outras áreas do conhecimento é de vital importância.

   💾💾💾

O Jornal de Serviços já não está mais no ar, mas felizmente salvei alguns posts. E esse é um deles, embora eu tenha abordado diversos posts sobre minha profissão aqui no Meteorópole. Leia abaixo, o texto original:

O que estuda um meteorologista?

Uma das coisas que eu mais ouvia quando estava na graduação era: você vai trabalhar apresentando a previsão do tempo na Globo? É, sempre a Globo, rs!

Eu aproveitava o gancho para explicar as diferentes oportunidades de trabalho de um meteorologista. Em um país em que para muitos curso superior significa necessariamente Direito, Medicina ou Engenharia, é importante falar de outras áreas do conhecimento.

Hoje mesmo, através de um grupo de e-mails, vi a oferta de uma vaga para trabalhar com agrometeorologia. O que é isso, afinal? Bom, o meteorologista pode trabalhar ao lado do agrônomo. O agrônomo quer saber quando chove e quanto chove, para definir estratégias de irrigação. O meteorologista pode obter essa informação e pode tratar de instalar e gerenciar uma estação meteorológica, por exemplo.

Na produção de energia elétrica. Um dos assuntos do momento são as energias renováveis. Antes de implantar um conjunto de painéis solares ou de turbinas eólicas, é necessário saber se o projeto vale a pena. E mais uma vez, entra o trabalho do meteorologista: instrumentos meteorológicos que medem a intensidade da radiação solar e a intensidade do vento vão ajudar a definir se o investimento valerá a pena. E não adianta apenas instalar os instrumentos meteorológicos. Os dados observados precisam ser analisados e modelos numéricos podem ser também uma ferramenta para definir a melhor forma de implantar o projeto.  E o meteorologista tem o conhecimento necessário para usar essa ferramenta e analisar os dados.

E por falar em sustentabilidade, antes de definir se um projeto de captação da água da chuva vale a pena, um meteorologista também pode atuar no planejamento. Afinal, conhecemos chuva como ninguém!

Já que mencionamos matrizes energéticas, precisamos lembrar que nossa matriz é composta principalmente por hidrelétricas. E elas só funcionam adequadamente se tiver água suficiente nos reservatórios. E isso só acontece se chover adequadamente. Ninguém melhor que o meteorologista para fazer essa previsão e para instalar pluviômetros ao longo da área das hidrelétricas.

Como estamos falando bastante em água, se o governo de São Paulo tivesse investido em planejamento e em economia de água, certamente não estaríamos passando por essa situação de dificuldade, com a necessidade de extrair água do volume morto do Sistema Cantareira. Na fase de planejamento, o relatório de um meteorologista seria muito bem vindo. Aliás, fico surpresa quando passamos por aquelas terríveis enchentes todo verão. Será que a prefeitura não sabia disso? E você também não fica indignado quando vê uma obra ser iniciada durante o verão? Eu fico! Não faz sentido começar uma obra grande no verão. A chuva forte chega e toda a areia que estava na calçada vai embora. E o dinheiro público vai embora.

Os órgãos de defesa civil precisam definir áreas de risco. O meteorologista também pode atuar na parceria de geógrafos, geólogos, assistentes sociais e outros profissionais, para reduzir e prevenir riscos.

A previsão do tempo, a principal área de atuação de um meteorologista, é na verdade uma ferramenta que pode ser usada em diversas áreas.Turismo, planejamento urbano, agricultura, esporte, lazer e planejamento de eventos são apenas alguns exemplos. Atualmente a previsão do tempo está ao alcance das mãos, literalmente mesmo. Diversos aplicativos, criados por empresas de meteorologia, ajudam as pessoas em planejamentos simples do cotidiano.

 A maior parte das conversas das pessoas são motivadas pelo tempo. Pode reparar. Sabe quando você está no elevador e não sabe o que conversar com o vizinho naqueles segundos intermináveis (especialmente se você é tímido, como eu)? Observe que fatalmente vocês conversarão sobre o tempo (como ele está, como ele vai ficar, como tem 4 estações do ano em São Paulo num único dia, etc).

A meteorologia sempre fez parte do nosso cotidiano. O Meteorologista é o profissional formado em Bacharelado em Meteorologia. É um curso pouco comum. Apenas universidades públicas possuem esse curso. Aqui no Estado de São Paulo, temos na UNESP (campus de Bauru) e na USP (Campus da Capital). Veja aqui a lista de outros locais que oferecem o curso em outros Estados.