A “Cientista” Grávida – A Série – Generosidade (episódio 6)



Percebi, relendo os outros posts da série (aqui) que eu reclamo muito. Isso me preocupou um pouco, mas preciso me explicar.

Sou uma pessoa inconformada com as coisas como elas são. Sou inconformada com o governo, com a ignorância, com o preconceito, com a falta de respeito, etc. Por isso eu reclamo tanto. Mas isso não significa que eu não seja grata a Deus por muitas coisas. Nesse post, vou falar sobre as coisas que tenho sido grata recentemente.

Sou grata pela minha família. Minha mãe está viajando e se preocupa muito comigo. Espero que ela esteja aproveitando a viagem e que saiba que estou muito bem. E espero que ela possa tranquilizar meu pai, que é ainda mais preocupado.

Sou grata pelo meu irmão, que me liga para saber se cheguei bem em casa após uma tempestade. Eu não tenho muita prática na direção e sou uma péssima motorista. As pessoas se preocupam.

Agradeço ao meu marido, que é um homem bom e que respeita as mulheres. Se fosse diferente, não teria me casado. Entretanto, inseridos em uma cultura machista, os homens esboçam comportamentos reprováveis diariamente, mesmo os homens mais “bem intencionados”. Meu marido não é assim. Uma alma sincera, pura e preocupada. Um pouco ranzinza, mas preocupado.

Agradeço à minha tia que me chamou para almoçar na casa dela e fez uma comida deliciosa. Agradeço minhas primas queridas, que são como irmãs e amigas. Agradeço também pelas minhas amigas, que mesmo longe pensam em mim (oi Camila, oi Jaqueline <3).

Agradeço aos meus colegas de trabalho, que tem sido gentis sem serem irritantes. Mulheres que já passaram pela gestação sabem do que estou falando. Há homens em ambientes de trabalho que acham que nos tornamos temporariamente incapazes apenas por estarmos grávidas. E meus colegas não são assim. E agradeço também por saber me impor e dizer não. É um aprendizado difícil que vale a pena.

Agradeço às minhas colegas da hidroginástica, mulheres gentis, unidas e muito bem humoradas. Muitas já são mães, me dão dicas e até revistas sobre maternidade eu ganhei. Isso é sororidade, que muita feminista adolescente ou muito jovem repete na teoria, confunde o conceito, mas talvez não tenha experiência de vida suficiente para entender o que é na prática.

Agradeço aos familiares do meu marido. Minha sogra é uma mulher maravilhosa, sempre preocupada com meu bem-estar e sempre sendo muito gentil. Meu bebê terá avós e avôs maravilhosos, e desejo vida longa e saúde a todos eles para que meu bebê possa lembrar de tudo o que vai viver ao lado deles. Fico emocionada especialmente porque ele vai ter avôs. Meu querido avô morreu quando eu tinha 8 anos. Ele achou que eu iria ser engenheira, porque equilibrava as tacinhas de madeira (rs, meu vô acreditava que qualquer mulher podia estudar o que quisesse). Infelizmente nem cheguei a conhecer meu outro avô. Quero que meu bebê participe de várias aventuras com os avôs e avós.

Agradeço aos amigos que não mencionei, aos amigos do Twitter, aos leitores e a todos que torcem por mim mesmo sem me conhecer pessoalmente. Eu aprendo tanto com vocês, porque eu também aprendi a torcer por pessoas que não conheço. Aprendi a sonhar com um mundo cheio de pessoas felizes e satisfeitas.

Então, esse post é para mostrar minha gratidão sincera. E para mostrar que nem sempre sou reclamona, tenho no meu coração bastante gratidão também!

E acompanhem toda série A “Cientista” Grávida – A Série [minha saga pessoal rs]  aqui.