Qual a Estação Meteorológica mais antiga do Brasil?



No post anterior falei sobre a estação meteorológica mais antiga do mundo (ainda em operação). É a Estação Meteorológica do Clementinum College, de Praga, República Tcheca. Essa estação iniciou suas operações em 1775 e continua até hoje coletando dados meteorológicos.

Por ocasião do Dia Meteorológico Mundial de 23 de março de 2015, assisti uma palestra do Dr. Orivaldo Brunini, que é pesquisador do IAC. Ele falou sobre o monitoramento de secas e sobre a seca de 2014 aqui em São Paulo-SP. Como o IAC (Instituto Agronômico de Campinas) atua principalmente no interior de São Paulo, ele trouxe muitas informações sobre séries de dados de estações meteorológicas do interior de São Paulo e falou principalmente do efeito da seca na agricultura e na disponibilidade de água nos mananciais.

Livros de registros da estação da Esalq de 1917. Fonte: Revista FAPESP
Livros de registros da estação da Esalq de 1917. Fonte: Revista FAPESP

Como ele apresentou séries de dados bem longas de diversas cidades do interior de São Paulo, acabei descobrindo qual a estação mais antiga de São Paulo. Ela foi instalada pelo IAC em Campinas, em 1890. O objetivo desde o início era o foco nas relações entre meteorologia e agricultura, área que hoje conhecemos como Agrometeorologia.  Depois dessa estação de 1890, outras estações foram instaladas pelo IAC em outras cidades do interior paulista. Há um ano atrás, a Revista FAPESP fez uma reportagem com Dr. Brunini (leia aqui), em que ele já mencionava a seca de 2014, pois o verão 2013/2014 foi seco. De acordo com dados da Estação Meteorológica do IAG-USP, foi o 2° verão mais seco desde 1933 , sendo superado apenas por DJF1940/1941. E de acordo com dados de estações meteorológicas do IAC em diversas cidades do interior paulista, a seca também foi observadas nessas localidades. Foi exatamente o que o Dr. Brunini apresentou em sua palestra.

Ainda de acordo com a reportagem da Revista FAPESP, as primeiras observações meteorológicas no Brasil (pelo menos ‘oficialmente’ falando) foram feitas no século XIX, no Imperial Observatório, que hoje é o ON. Já li várias vezes que Dom Pedro II gostava muito de ciências e fomentava e incentivava atividades de pesquisa científica. O ON  (ainda com o nome de Imperial Observatório) foi criado em 1845 e em 1871 realizava também atividades de observações meteorológicas. Hoje, o ON dedica-se a atividades de pesquisa e divulgação científica, focando nas áreas de Geofísica e Astronomia. Ou seja, a instituição não realiza mais observações e pesquisas na área de meteorologia (até onde soube, conversando com alguns funcionários que encontrei em uma SNTC e pesquisando no site da instituição).

Dessa maneira, descobri que:

– A estação meteorológica mais antiga do Estado de São Paulo é a do IAC, em Campinas e iniciou suas operações em 1890;

– Aparentemente, a estação meteorológica mais antiga do Brasil ficava no Observatório Nacional.

Só que o Dr. Brunini, em sua apresentação, mencionou a estação de Quixeramobim, no Ceará. Essa estação ainda hoje está em operação (agora com instrumentos eletrônicos). Encontrei inclusive alguns dados dessa estação do início do século XX (veja aqui). Ela é uma das mais antigas da rede do INMET, instituição que iniciou suas operações em 1909.  Aparentemente (infelizmente não encontrei mais observações, então se alguém souber mais, avise pelos comentários), a estação de Quixeramobim é ainda anterior a 1909. Essa estação provavelmente é do final do Segundo Reinado. Entre os anos de 1877 e 1879, uma seca terrível acometeu o Semi-Árido nordestino. Como já discutimos outras vezes aqui no blog, a aridez é uma das características do clima do Sertão Nordestino, mas há anos em que a seca é mais prolongada e pronunciada. E provavelmente foi o que aconteceu entre 1877 e 1879. O Ceará, na época, com uma população de 800 mil habitantes foi intensamente atingido: 120 mil (15%) migraram para a Amazônia e 68 mil pessoas foram para outros Estados. A seca foi considerada devastadora: cerca de metade da população de Fortaleza pereceu, a economia foi arrasada, as doenças e a fome dizimaram até ao rebanho. Há relatos que afirmam que mais de 200 mil pessoas morreram em decorrência da seca. Uma tragédia tão grande na história brasileira que provavelmente é conhecida por poucos. Há um breve artigo de José Romero Araújo Cardoso,  professor da UFRN, que esclarece bastante sobre essa grande seca de 1877-1879.

Vítimas das secas de 1877/1878, no Ceará – Brasil. Foto: autor desconhecido, Biblioteca Nacional.
Vítimas das secas de 1877/1878, no Ceará – Brasil. Foto: autor desconhecido, Biblioteca Nacional.

Ainda antes da seca de 1877-1879, o Semi-Árido passou por várias secas intensas, destacando-se a de 1844-1845. E foi nessa época que o Imperador Dom Pedro II criou uma comissão para estudar o assunto. Sendo assim, é bastante provável que a estação meteorológica de Quixeramobim tenha surgido durante o Segundo Reinado, só não sei em que época, com um objetivo foi bem claro: aprender mais sobre a seca. Adoraria saber a exata data de fundação dessa estação. Estou prosseguindo em minhas pesquisas para saber melhor as datas, mas é muito provável que a estação mais antiga do Brasil ainda em funcionamento seja a de Quixeramobim.

Nesse texto, há mais sobre a história das secas no Semi-Árido, com imagens muito tristes e fatos assustadores e desumanos, como por exemplo a criação de campos de concentração no Ceará, onde as pessoas ficavam confinadas com quantidade de água e comida controlada e vigiadas pelo exército.

Vítimas da seca. Crianças e adultos jazem ao lado da linha férrea que levava para o Campo de concentração de Senador Pompeu.
Vítimas da seca. Crianças e adultos jazem ao lado da linha férrea que levava para o Campo de concentração de Senador Pompeu.

Como bem escreveu Talita Lopes Cavalcanti, no artigo onde encontrei a imagem acima (leia aqui), a imagem acima é de um fato no Ceará, mas lembra a situação dos judeus e minorias perseguidas nos campos de concentração da Alemanha Nazista. Uma semelhança assustadora.

O post era sobre as estações meteorológicas mais antigas do Brasil, mas acabei falando bastante sobre a História das Secas. O post ficou 2 em 1 e espero que gostem, apesar dos fatos tristes que mencionei.

Leia mais:

Currais humanos

Campos de Concentração no Ceará