Selos, conscientização ambiental e mais sobre o Dia Meteorológico Mundial



Eu já tinha mencionado nesse post a relação entre filatelia e meteorologia. Mencionei nesse outro post também. Não coleciono selos, mas filatelia é um tipo de coleção que chamam muito minha atenção. Talvez um dia eu ainda me dedique a esta atividade.

Na verdade, o colecionador de selos pode dedicar-se a qualquer tema. Segundo o Prof. Mario Festa, há selos sobre qualquer tema, por isso ele sugere que um colecionador iniciante escolha um tema de sua preferência e inicie sua busca por selos referentes àquele tema ou período histórico.

A propósito, o Prof. Mario Festa é professor do IAG-USP. Ele auxilia na disciplina de Instrumentos Meteorológicos, uma disciplina do primeiro semestre do curso de Bacharelado em Meteorologia do IAG-USP. Ele atua nessa disciplina desde o início do curso, no final da década de 1970. Dessa maneira, não é exagero dizer que ele participou da formação de todos os meteorologistas que estudaram no IAG-USP. Hoje, além de eterno professor, ele é um importante amigo e fez questão de disponibilizar algumas informações para que esse post fosse elaborado.

O Prof. Mario descobriu meu blog por acaso, quando fazia uma busca pela internet. Não fico falando para todo mundo que tenho blog, mas os colegas meteorologistas acabam eventualmente descobrindo. E claro, fico muito feliz e até “preocupada”, porque vai que algo que disse aqui não está correto? Bom, amigos e colegas, caso isso aconteça, não tenha acanho de me dizer para que eu possa aprender e corrigir. Prefiro que façam assim a que saiam comentando que “a Samantha lá do blog escreve tudo errado” rs.

Mas vamos falar de selos. Segundo o Prof. Mario Festa:

A Filatelia, do grego “philos” (amor, amante) e “ateleia” (pré-pago), é um ramo do colecionismo que divulga através das imagens produzidas nos selos, os mais diferentes assuntos relacionados com a ciência, arte, esportes, temas de interesse geral, grandes personalidades, invenções, e etc.

Na temática da Meteorologia, ilustra os seus precursores, cientistas e pesquisadores, os elementos da atmosfera, fenômenos diversos, instrumentos convencionais e modernos, a exploração da atmosfera, temas da atualidade, entre outros.

Através dos selos, é possível contar histórias. A história da fundação da Organização Meteorológica Mundial (OMM), por exemplo. Até já escrevi um post sobre o assunto (veja aqui).  Destaco, por exemplo, um selo russo do ano 2000, que faz parte da coleção do Prof. Mario. O selo celebra o cinquentenário da fundação da OMM.

russiaselo

 

Entretanto, os selos com a temática de meteorologia não celebram apenas datas comemorativas . Eles ajudam a divulgar consciência ambiental. Na coleção do Prof. Mario, há também selos que falam da importância da preservação do ambiente e da importância de medidas de mitigação de desastres ambientais. É o caso desse selo tailandês, também parte da coleção do Prof. Mario:

tailandia

Observem que o selo mostra dois fenômenos que são agravados pelas mudanças climáticas (enchente e desertificação), mas também mostra como a união das pessoas e o emprego de tecnologias limpas pode ajudar a mitigar esses efeitos, pensando numa sociedade mais sustentável e humanizada. Selo também é arte, o apreciador pode chegar a conclusões sobre as imagens que vê =).

As mudanças climáticas é um tema muito abordado em selos recentes. Como disse anteriormente, é uma forma de conscientização e também uma forma de contar história, pois imaginem em 2100, quando a oferta de água potável estiver ainda mais reduzida, quando os efeitos dos extremos climáticos forem ainda maiores. Imaginem um colecionador de selos de 2100: ele vai ver que nossa geração já se preocupava com o tema, pois a preocupação ficou registrada na filatelia. E muitas nações e territórios conseguem uma certa receita através da emissão de selos, mesmo que hoje em dia as pessoas não mandem cartas no mesmo volume que antigamente. Os selos ainda são muito procurados por colecionadores.

 

Selo espanhol sobre Mudanças Climáticas. Ele nos convida a "desconectarmos", para que dessa forma minimizemos nosso consumo de energia elétrica e consequentemente, minimizemos as emissões de gases de efeito estufa.
Selo espanhol sobre Mudanças Climáticas. Ele nos convida a “desconectarmos”, para que dessa forma minimizemos nosso consumo de energia elétrica e consequentemente, minimizemos as emissões de gases de efeito estufa.

E temas bem específicos e relacionados com mudanças climáticas como desertificação, enchentes e problemas no acesso a água potável também são abordados na filatelia, como esse que retrata uma enchente na Moldávia:

moldovia

 

Esse, da Nova Caledônia, que fala da importância da água e diz: “Água recurso vital”
nova_caledonia

Mesma temática apresentada nesse selo uruguaio, que diz: “A água, um recurso escasso”

uruguai_agua

O derretimento das geleiras é outro efeito das mudanças climáticas que também já foi abordado em selos. O selo comemorativo abaixo é do Território Antártico Britânico e fala da redução dramática das geleiras da Antártica:

territorio_britanico_antartico

O Protocolo de Montreal e a importância da preservação da camada de ozônio também já foram temas de selos, como nesses selos da Colômbia e das Filipinas:

colombia

Filipinas

Na próxima segunda-feira, dia 23 de Março, o IAG-USP vai participar das comemorações do Dia Meteorológico Mundial. Diversas instituições de ensino e pesquisa pelo Brasil e pelo mundo sempre realizam algum tipo de evento em homenagem a esse importante dia. E todos os anos, desde que comecei a escrever no Meteorópole, eu destaco aqui para vocês:

2012;

2013;

2014.

O IAG-USP vai contar com palestras e com a exposição de reproduções ampliadas de selos relacionados com a Meteorologia. Como eu já comentei com vocês, a cada ano a Organização Meteorológica Mundial apresenta um tema para ser debatido no dia 23 de março. O tema de 23 de março de 2015 é Do Conhecimento Sobre o Clima às Ações de Mitigação. E nem é preciso dizer o quanto esse tema é oportuno e atual e tem tudo a ver com muitas das reproduções de selos que apresentei ao longo do texto. Veja abaixo a programação do IAG-USP para o próximo dia 23 de Março:

diameteo2015

Para participar do evento do IAG-USP, consulte mais informações aqui.

E claro, há informações sobre o Dia Meteorológico Mundial de 2015 no site da Organização Meteorológica Mundial. Se você é professora de geografia ou de ciências, fale com seus alunos sobre a importância da Meteorologia, fale sobre o Dia Meteorológico Mundial e utilize as informações do site da OMM. Clique aqui para mais informações. No site da OMM está disponível a mensagem de Michael Jarraud, secretário geral da OMM (sigla em inglês: WMO). Jarraud fala do tema do ano, mencionando a missão da OMM e a importância do monitoramento do tempo e do clima. Jarraud fala por exemplo de como as mudanças climáticas afetam diversas atividades, de agricultura a turismo, de infraestrutura a saúde pública. Segundo Jarraud, os custos de mitigação são altos, mas vão ficar cada vez maiores se a gente ficar adiando ações concretas.

Outro ponto importante da mensagem de Jarraud trata da importância da previsão do tempo e do clima. Talvez no dia a dia, os usuários de informações do tempo não conheçam ou não se deem conta da quantidade de observações, pesquisas e computação necessárias para realizar uma previsão de cinco dias, por exemplo. Além disso, ele fala dos avanços científicos que nos possibilitaram compreender que o clima está mudando. E ele também fala de esperança, pois o mesmo avanço científico que faz as previsões catastróficas para o futuro nos dá esperança para que possamos criar mecanismos de mitigação e adaptação. Destaco uma importante citação em seu discurso:

Today, no one can contest de evidences of climate change and the responsability we’ve bear to world’s future generations. Climate knowledge can and must support this process.

Além disso, Jarraud fala da importância de uma boa divulgação do conhecimento sobre o clima. Dessa forma, tomadores de decisão e cidadãos poderão atuar de maneira mais crítica e eficaz. Eu já ouvi isso em diversas palestras: a ciência e a política PRECISAM aprender a dialogar. Infelizmente, o lobby na política não é feito usando como base o conhecimento, mas sim o poder financeiro. E isso deixa os cientistas em desvantagem, já que o conhecimento sobre mudanças climáticas atinge diretamente empresas muito ricas, como as empresas de exploração de petróleo.

Acompanhe todo o discurso de Jarraud abaixo: