A “Cientista” Grávida – Simpatias malucas para descobrir a gravidez e o sexo do bebê (episódio 15)



Esse post era para ter ido ao ar no comecinho da série, mas fui deixando de lado e demorei para escrever. Agora que já estou no finalzinho da gestação e já ouvi bastante coisa (boa, ruim ou apenas maluca rs), acho que já tenho um pequeno repertório.

Hoje vou falar das simpatias e testes malucos para descobrir se está grávida e o sexo do bebê. Deixando claro que nenhum desses métodos possui comprovação científica e a maioria é simples pseudociência mesmo. A única forma de confirmar uma gravidez é através da determinação da presença (e concentração) da subunidade beta do hormônio HCG. Para verificar a presença e a quantidade desse hormônio, há testes de urina e de sangue. Os de sangue são feitos em laboratório e em muitos casos nem é necessário o pedido médico.

Fotinho do exame que fiz para constatar a gravidez =)
Fotinho do exame que fiz para constatar a gravidez =)

E os de urina podem ser facilmente adquiridos em farmácias e possuem uma precisão de mais de 95% e pelo que li, é mais fácil dar falso negativo do que falso positivo.  O “falso negativo” normalmente ocorre porque a mulher fez o exame cedo demais, por ansiedade. O “falso positivo” é bem mais raro. Siga todas as instruções do exame, presentes na bula!

Bom, antigamente (e em muitos casos, ainda hoje) as mulheres apenas percebiam que estavam grávidas depois do primeiro ou do segundo atraso menstrual. Também notavam algumas mudanças, inicialmente sutis, no corpo. Ou seja, iam somando a, b e c e finalmente percebiam a gravidez. Nesse contexto, surgiam as simpatias e as teorias. Normalmente quando a mulher fazia a simpatia para verificar a gravidez, os outros sinais naturais já davam indícios muito claros de gravidez. A mulher já estava desconfiada.

Com relação a determinação do sexo da criança, há apenas 2 formas de determinar: visual, através do ultrassom e através de um exame de sangue chamado sexagem fetal. O exame de sexagem fetal é meio caro (custa mais de 200 reais, normalmente) e pelo que sei quase nunca são cobertos pelos convênios.  Desde o início da gravidez, células do feto estão circulando na corrente sanguínea da mãe. O exame consiste e na análise laboratorial do sangue materno, buscando por cromossomos Y. Se este não for detectado, o bebê trata-se de uma menina. Inclusive uma pessoa me disse (não confirmei a informação) que a manipulação e análise do sangue coletado é toda feita por mulheres, para minimizar riscos de contaminar a amostra e dar um resultado errado. Existe também uma versão vendida em farmácias (não me lembro de ter visto em farmácias do Brasil) desse exame de sexagem fetal. É o IntelliGender e no Amazon está menos de 30 dólares.

Agora que já falei de ciência, vamos falar de pseudociência. Vou começar com os testes caseiros de gravidez. Lembrando que estou compartilhando essas coisas como curiosidade apenas, porque nenhum teste desses possui evidências científicas. Nenhum deles detecta a subunidade beta do HCG.

– Teste do xixi na água sanitária: se a água sanitária “espumar” ou mudar de cor (a explicação do teste varia de acordo com a fonte, super científico, rs), significa que a mulher está grávida.

– Fervendo o xixi: ferva a primeira urina do dia, coloque num recipiente e coloque cloro. Agite e ocorre uma mudança (ouvi esse no metrô, não sei os detalhes). Fiquei apenas pensando na nojeira que é ferver seu xixi numa caneca em que você ferve a água do café ou o leite. Ou você vai comprar uma caneca só pra essa nojeira? rs

– Teste marroquino do xixi: coloca o xixi num pote, daí coloca a agulha (no pote, plmdds) e deixa de um dia para o outro. A agulha muda de cor ou algo do tipo. o.O. Imagino sua mãe ou seu companheiro ou companheira, chegando em casa e vendo bem no cantinho do banheiro esse ARRANJO EXPERIMENTAL. rsrs

– Teste da urina no creme dental: xixi num potinho, coloca creme dental no potinho e o negócio muda de cor se for positivo. Essa tara por ter as coisas MUDANDO DE COR.

Devem existir outros testes, certamente, mas esses são os que ouvi falar. Outro dia, no twitter, compartilharam o link do blog de uma professora de biologia que ensinava alguns desses testes. Não pude acreditar quando vi! Esses testes não possuem evidências científicas de eficácia, são apenas simpatias compartilhadas ao longo dos anos. Pode ser curioso do ponto de vista folclórico, mas ninguém deve determinar se está ou não grávida a partir deles!

Agora vamos falar dos testes/simpatias para verificar o sexo do bebê:

– Tabela chinesa: há várias tabelas pela internet, que levam em conta a idade lunar da mãe e uma “tabela misteriosa”, elaborada sabe-se lá como.

– Teste do Garfo/Colher: cada pessoa me explica esse teste de um jeito e eu nunca entendi rs. Parece que colocam um garfo ou uma colher debaixo de uma almofada e se você não furar sua bunda, é menino. Ou vice-versa. Ou a almofada é ruim, precisa trocar o enchimento. Não sei.

– Pendurar um anel num fio e o colocar sobre a barriga. Se o anel fizer círculos, então é menina. [tipo uma brincadeira do copo pra falar com os espíritos rs]

– Se você se sentir “feia” durante a gravidez, é porque você está esperando uma menina, uma vez que a garotinha “rouba” a beleza da mãe. Claro, já incentivando a competição entre mulheres desde cedo. E claro, você se sente feia não porque fica todo mundo falando que você tá inchada e fazendo comentários desnecessários e maldosos, mas sim porque um bebê está usando PODERES SOBRENATURAIS e está te ROUBANDO um CONCEITO SUBJETIVO.

– Se você sente vontade de comer doces, está grávida de menina. Se sente vontade de comer comidas azedas ou amargas, menino. Mas também já ouvi o contrário. Já ouvi também que é possível DEFINIR o sexo do bebê no primeiro trimestre através da alimentação. Isso mesmo gente, ouvi isso no século XXI.

– Se sua barriga é alta e larga, é menina. Se for mais “pontuda”, é menino. Claro, porque o formato do seu corpo, sua estrutura óssea e seus genes não tem nada a ver com o formato da sua barriga.

– Se você enjoar mais durante a gestação, é menina.

– Se sua pele ficar com mais acne durante a gravidez, é menina.

– Ouvi uma uma vez com relação ao tamanho dos seios: seio esquerdo maior é um sexo, seio direito maior é outro sexo rs.

– Se o traseiro crescer primeiro que a barriga, é menino (essa eu ouvi muito, mas talvez as pessoas não tenham notado que SEMPRE FUI CADEIRUDA).

– Tem um radialista famoso não sei das quantas que faz umas contas com a idade da mãe e determina o sexo do bebê. Acredito que seja o mesmo que a Tabela Chinesa.

Essas são as que me lembro. E nenhum desses métodos possui comprovação científica. Outros, nem fazem sentido pra começar. Eu sei que vai aparecer alguém nos comentários dizendo que fez esse ou aquele teste e deu certo. Ou que a prima/mãe/amiga/tia/whatever fez um desses testes e funcionou. Apenas que:

– Com relação ao exame para constatar a gravidez, normalmente a mulher que faz um exame (seja um sério, científico ou um desses de simpatia) já está desconfiada. E claro, notando mudanças sutis no corpo, a gente desconfia da gravidez! Foi assim comigo, ué. Nenhum mistério: minha menstruação não chegava e eu fiz o teste. Fiz porque achei realmente que poderia estar grávida, já que eu estava me planejando para isso. Simples assim. Dessa forma, se uma mulher está desconfiada que está grávida e sei lá, faz o teste do xixi fervido (eca!), qualquer alteração na cor será relacionada com a gravidez, mesmo com a ausência de um teste de controle (feito antes da gravidez).

– Com relação ao exame para determinar  o sexo do bebê, bom, temos aí uma questão de probabilidade. Temos aí, mais ou menos, uma probabilidade de 50% de ser menina e de 50% de ser menino. MAS GENTE, ASSIM É FACIL ACERTAR HEIN? Estamos falando em apenas DUAS possibilidades.

Uma questão que cabe debate é: pra quê saber o sexo do bebê? Bom, no meu caso foi curiosidade mesmo. Eu queria escolher as roupinhas e fazer a decoração. Queria escolher o nome, começar a desenhar na minha cabeça aquela pessoinha tão desejada. Com isso, acho que já estou atribuindo os típicos papeis de gênero, o que é discutível, com certeza. Mas eu, Samantha, queria definir essas coisas. E não me sinto mal com isso.

Eu tenho um querido amigo que me confidenciou que nem ele e nem a esposa querem saber o sexo da criança. Admiro muito a postura deles e por conhecê-lo um pouco, sei que ele está pensando nessas questões que mencionei. Mas para mim é difícil vencer a curiosidade rs.

Entretanto, há casos que a questão supera a simples e ingênua curiosidade. Há pessoas que desejam ter um bebê deste ou daquele sexo. Percebo por exemplo que gravidez de menino é algo muitas vezes mais desejado e valorizado que gravidez de menina, porque nossa cultura ainda possui traços patriarcais e machistas bem marcantes. O Conselho Federal de Medicina proíbe os médicos de selecionarem o sexo do bebê, quando realizam inseminação artificial, por exemplo. Entretanto, como é perfeitamente possível fazer essa seleção, não duvido que profissionais antiéticos o façam. Há países extremamente patriarcais e machistas em que o aborto de bebês do sexo feminino é uma prática relativamente comum. Essas questões merecem uma discussão aprofundada, com toda certeza. Além de total repúdio, é claro.

E se você quer ter um filho deste ou daquele sexo por pressão social (como descrevi acima) ou por vaidade, sugiro muito que trabalhe essa questão dentro de você. Eu conheço uma mulher que teve depressão pós parto e uma das razões alegadas por ela foi a insatisfação com o sexo do bebê (ela queria menino, veio menina). E acho que a gente tem que começar a pensar em como prevenir transtornos mentais, porque eles estão se tornando uma epidemia em nossa sociedade. Acredite, o que vale é aquilo que as pessoas mais velhas nos falam: o importante é que venha com saúde. E o importante também é que você mantenha a sua saúde (física, mental e social) e tenha todo o apoio para ser uma boa mãe!

***

E acompanhem toda série A “Cientista” Grávida – A Série [minha saga pessoal rs]  aqui. Espero que essa série ajude outras gestantes e permita troca de experiências.