A “Cientista” Grávida – Decorando o quartinho (episódio 20)



Acho que a maioria das mulheres que é mãe, principalmente as mães de primeira viagem, ficam entusiasmadas e até ansiosas com a decoração do quartinho. Comigo foi assim.

Moro em um imóvel de 2 quartos. E todo casal sem filhos sabe o constrangimento que é ter um quarto a mais em sua casa. As visitas ficam especulando. O quarto acaba virando um depósito de tranqueira. Alguns transformam em closet ou em escritório. Como meu marido e eu já queríamos um bebê, deixamos o quarto de lado por algum tempo, sem nenhuma função definida.

Resultado: virou quarto da bagunça. Tinha uma cômoda, um sofá velho e um guarda-roupa. Em algumas ocasiões era um quarto de hóspedes desorganizado. Quando descobrimos a gravidez, decidimos dar fim na cômoda e no sofá. A cômoda não poderia ser reaproveitada porque ela era “alta”, não servia como trocador. Além disso, ela estava um pouco estragada em decorrência da mudança que tínhamos feito.

Conseguimos doar os móveis (ebaaa!). O melhor: as pessoas que receberam a doação retiraram em casa, o que foi duplamente ótimo. Finalmente o quarto ficou apenas com o guarda-roupa. Escolhemos móveis novos (berço e cômoda pequena) e começamos a decorar. E nesse processo de decoração você pode gastar muito, mas muito dinheiro, porque o mercado quer te seduzir com novidades e coisas desnecessárias e/ou caras. Até falei um pouco disso no post em que menciono a compra de roupas e enxoval.

E qual a minha dica para decorar o quartinho de seu filho? Bom, é o velho faça você mesma.  Ou peça a ajuda da mãe ou de uma amiga com habilidades em arte. É tão gratificante fazer as coisas, colocar a mão na massa. Além disso, é uma terapia. Estou muito sem paciência com as pessoas agora no terceiro trimestre. Tudo me irrita bastante…rs. O artesanato tem me ajudado muito. E fazer a própria decoração pode te fazer economizar.

A primeira coisa é saber qual tipo de artesanato de atrai, saber do que você gosta de fazer. Como minha mãe e minha avó sempre foram muito habilidosas, acabei convivendo desde cedo com o artesanato. Minha mãe gosta de crochê, mas já fez coisas de feltro, já fez pintura em tela e em tecido, já fez chinelos, já mexeu com bijuterias em biscuit, etc. Minha avó gostava muito de vagonite e ponto cruz. Crescendo nesse ambiente, acabei me interessando por algumas coisas.

E um evento que me fez conhecer ainda mais coisas foi a Mega Artesanal. Esse evento acontece anualmente no Expo Imigrantes, aqui em São Paulo. Normalmente acontece no meio do ano. Fui ano passado e fiquei encantada pelo feltro. Quando eu tinha uns 7 anos de idade, fui em uma aula de feltro com minha mãe. O professor era o Marcelo Darghan, que possui o elixir da juventude e da simpatia rs. Ele está em toda Mega Artesanal, é uma celebridade do mundo do artesanato. Durante a Mega Artesanal do Ano Passado, fiz aula de feltro com a Rosana Noriko (falei um pouco disso nesse post). Ela me inspirou bastante, tanto que fiz um móbile em feltro para o bercinho do meu menino:

DSC03838
Detalhe de alguns dinossauros do móbile

O feltro te permite criar com muita facilidade. Com uma boa tesoura e sabendo ponto caseado, já dá para fazer bastante coisa. Na internet há diversos projetos de bichinhos de feltro. Como o tema que escolhi para o quarto do meu filho é o de dinossauros, tive ainda um incentivo a mais para criar, porque não encontrei muita coisa do tema a venda. Para ser justa, encontrei algumas coisas no Elo7, o que é bacana. O Elo7 é um site para que artesãs e artesãos vendam seus produtos. Ou seja, comprando lá você está incentivando o trabalho de alguém que ganha a vida ou complementa a renda com artesanato.

Encontrei o molde para meus dinossaurinhos aqui. Imprimi, recortei o papel e utilizei para recortar o feltro no mesmo formato. O que me ajudou bastante foi colocar os moldes de cada dinossauro em envelopes separados. Dessa forma, evitei de misturar os moldes.

Detalhe de um dos dinossauros e do molde. A cola usada para colar as manchinhas e os olhinhos é uma cola de silicone, sem cheiro, que lembra o acabamento da cola quente.
Detalhe de um dos dinossauros e do molde. A cola usada para colar as manchinhas e os olhinhos é uma cola de silicone, sem cheiro, que lembra o acabamento da cola quente.

Quando todos os dinossauros estavam prontos, os pendurei em linhas. Detalhe que fiz vários testes para que os bichinhos não ficassem tortos, determinando o ponto de equilíbrio de cada um. Após ter pendurado em linhas, os distribuí ao longo de um bastidor (desses de bordado). Pronto =). Revesti o bastidor com linha, para dar acabamento e usei termolina para deixar o fio “coladinho”.

Móbile finalizado =)
Móbile finalizado =)

Custo final: menos de R$20,00. Bem menos. Só que o prazer de fazer esses bichinhos, não tem preço!

Outra arte que gosto muito de fazer é ponto cruz. Ano passado mostrei alguns enfeites de Natal que fiz.  Também já fiz boa parte do elenco de Star Trek: TNG em ponto cruz (veja aqui), que inclusive terminei e preciso emoldurar. E também fiz esse quadrinho em homenagem a Ru Paul’s Drag Race. Adoro a temática nerd + cultura pop =).

Bom, claro que inseri ponto cruz na decoração do quartinho de meu filho. Fiz quatro quadrinhos, usando bastidores simples e uns retalhos de étamine. Encontrei os gráficos aqui. Eles não eram muito bons, então tive que adaptá-los (sempre tenho um pouco de papel quadriculado para fazer esboços). Depois que o bordado estava pronto, passei termolina com a ajuda de um pincel. Ah, detalhe engraçado: usei um pincel de base, de maquiagem, da marca Macrilan. Paguei baratinho nele, como não gostei de aplicar base com ele (prefiro meus dedos), vi que ele serve muito bem para espalhar termolina.

DSC03841
Quadrinhos em ponto cruz

A ideia inicial era pendurar cada quadrinho individualmente, mas acabei mudando de ideia e fiz isso:

Quadrinhos finalizados
Quadrinhos finalizados

No quarto do meu filho, há um guarda-roupa do qual não quis me desfazer. Ele não atrapalha a área útil do quarto e é um guarda-roupa bom onde guardo algumas coisas nossas (mala, telescópio, etc) e onde no futuro ele vai poder guardar suas roupas, quando for maior. Então coloquei esse quadrinho em uma das portas do guarda-roupa para dar uma “quebrada” nessa austeridade de movel de adulto.

Em ponto cruz, fiz também um quadrinho com o nome do meu filho. Olha que gracinha:

IMG_0012[1]
Bordando =)
Aplicando termolina, que é como se fosse uma "cola mais líquida", para deixar o tecido durinho e fácil de limpar quando seca. Ele fica meio leitoso logo que aplica, mas quando seca fica transparente.
Aplicando termolina, que é como se fosse uma “cola mais líquida”, para deixar o tecido durinho e fácil de limpar quando seca. Ele fica meio leitoso logo que aplica, mas quando seca fica transparente.
Quadrinho finalizado =)
Quadrinho finalizado =)

Se você, como eu, não é profissional do artesanato (= vive disso ou tem muita habilidade), claro que o trabalho não vai sair 100% “perfeito”. Acredito que imperfeições fazem parte da vida, é um toque de humanidade no trabalho. Não estou falando em trabalho manual mal feito, mas falo em um pontinho que não ficou muito bom, por exemplo. Um detalhe bem sutil.  Isso não é nada! Perfeccionismo não leva a nada. Meu chefe costuma falar que o ótimo é o inimigo do bom e depois descobri que ele “emprestou” essa citação de Voltaire, aquele danadinho ;).

Faça tudo com muito amor, dedicação e carinho que tenho certeza que vai sair o melhor trabalho do mundo. Você vai poder contar para a sua criança que criou parte da decoração de seu primeiro quartinho. Imagine seu filho ou filha pensando nisso lá no futuro? Deve ser muito bom!

Acho que melhorei muito em minhas produções de ponto cruz e feltro. Eu estou com alguns projetos em mente. Pretendo fazer algumas lembrancinhas para algumas pessoas que gosto muito.

Claro que há coisas da decoração que são mais difíceis de fazer e a gente acaba tendo que comprar. Foi o caso dessas faixas auto-adesivas em vinil. Comprei na loja Quartinho Decorado. Foram fáceis de aplicar e paguei R$10,00 no metro da faixa. A Lú, representante da loja, foi super atenciosa comigo por e-mail. A loja entregou tudo certinho e tirou todas as dúvidas. Dificilmente faço “propaganda” das coisas aqui no Meteorópole. Quando faço, é porque gostei mesmo do serviço.

DSC03840
Faixa de dinossauros. Abaixo, minha mala com as coisas que vou levar para a maternidade. Em destaque, uma necessaire lindinha que comprei e um par de chinelos fofinhos. Já deixo tudo quase prontinho, para caso de emergência.

Vocês sabem, praticamente nunca recebi nenhum jabá aqui no blog. Já recebi comissões de lojas como Oficina de Textos, por exemplo. Mas infelizmente a comissão é muito pouca, faço a propaganda porque os livros são bons e porque muitas vezes há promoções boas. Eu adoraria receber para divulgar as coisas, acho que é o sonho de qualquer pessoa que gosta de bloggar. Claro, receber  para falar de coisas com as quais eu me identifico, senão fica aquela coisa Xuxa e Monange.

Quando o quarto estiver totalmente pronto (ainda faltam alguns detalhes), prometo fotografar a mostrar para vocês. O objetivo desse post foi realmente o de incentivar vocês e o de mostrar um pouquinho da decoração do quartinho do meu filho.

E quem tem Instagram e quer acompanhar minhas aventuras pelo mundo do artesanato e da maternidade, me sigam em @samanthaweather. E se você tirou alguma foto bonita de nuvens, arco-íris ou qualquer outro fenômeno meteorológico, poste no instagram com a hashtag #meteoropole. A foto aparece aqui na barra do lado direito. =)

Outra coisinha: eu finalizei esse post no dia 17 de junho, mas ele só irá ao ar no dia 30 de junho. Certamente meu filho já terá nascido até essa data. Meus amigos e leitores que me acompanham pelo blog poderão ficar sabendo das notícias através do Instagram. É bem mais fácil postar pelo Instagram do que escrever um post no blog, principalmente nesses primeiros dias de adaptação com o bebê =).

***

E acompanhem toda série A “Cientista” Grávida – A Série [minha saga pessoal rs]  aqui. Espero que essa série ajude outras gestantes e permita troca de experiências.: