Aleatoriedades e auto-ajuda



Olhem só o que é essa vida. Eu estava escrevendo um post (sobre dust-devil, ficou muito legal!) quando o navegador deu pau, eu cliquei num botão errado e poft! Perdi a postagem. Fiquei um pouco frustrada, comi um pedaço de bolo e fiz uma vitamina de abacate (daí o mixer quebrou e voou abacate pra todo lado). Respirei fundo e voltei para o computador. Resultado: o post reescrito ficou melhor e mais completo que a versão que eu havia perdido.

Quantas vezes isso não acontece em nossa vida? Eu sei que esse texto está parecendo auto-ajuda, mas quantas vezes você não perde um trabalho ou uma oportunidade. E a frustração toma conta da gente, a preguiça vem e se aloja e você desiste. Não pode não! Levanta, sacode a poeira e etc. E refaz. Porque fica melhor do que a versão original! Esse era o primeiro ponto que gostaria de abordar nesse post.

***

Fonte: Free Digital Photos
Fonte: Free Digital Photos

Cansei de trabalhar de graça na internet. Eu quero dizer, cansei de produzir conteúdo gratuitamente. Deixe-me explicar melhor: eu gosto de escrever aqui no blog  e continuarei escrevendo (e não pretendo cobrar nenhum centavo dos meus leitores 🙂 ). Acontece que o blog aqui é meu, é meu projeto.  Eventualmente algum amigo ou colega colabora por aqui, mas por pura e espontânea pressão rs. Brincadeiras a parte, eles fazem sem compromisso algum e sem pressão de datas ou coisas do tipo. O blog não é deles e a responsabilidade de produzir conteúdo é minha! Da mesma maneira quando alguns amigos meus, que tem blogs/portais excelentes, me pedem para escrever alguma coisa. Eu escrevo livremente, sem pressões, porque eles sabem que minha prioridade de trabalho sempre será meu trabalho como meteorologista e depois meu trabalho como blogueira (que encaro basicamente como um hobby-trabalho, difícil de definir).

Por que estou falando isso? Eu já fui muito ingênua nessa vida. Já produzi conteúdo gratuitamente com a promessa de “assim ajudo a divulgar seu trabalho”. E não, não quero mais isso. Nunca mais!

Parece que a moda agora é criar um portal e esperar que outras pessoas trabalhem/escrevam de graça. Deixa eu lembrar que: you ain’t no Arianna Huffington! Tem gente aí só colhendo os frutos de audiência, propaganda, AdSense, etc, enquanto as outras pessoas produzem “apenas para divulgar o trabalho”. Entendam, não estou dando indiretas para ninguém. Até porque todos somos adultos e conseguimos identificar coisas que não são carapuças. Estou falando de maneira genérica e quem produz conteúdo para a internet sabe do que estou falando.

Há alguns meses, um sujeito ligou lá no trabalho. Nem meteorologista era e pretendia abrir uma empresa do ramo. Até aí ok! Ele pode ser o dono da empresa, mas quem vai assinar os trabalhos seria um meteorologista, o que já é meio estranho pra mim. Infelizmente é um problema da minha área: não somos muito empreendedores. Bom, mas eu super ingênua, achei que o sujeito iria oferecer uma oportunidade de trabalho, que eu poderia encaminhar para o Departamento em que trabalho e assim ajudar um aluno ou um profissional já graduado em Meteorologia a conseguir seu primeiro emprego. Meu Deus, que ingenuidade da minha parte! Só sei que o fulano falou, falou e falou. E no final, ele queria uma consultoria de graça. Quase mandei ele catar coquinho no asfalto em Salvador ao meio-dia de um dia qualquer de janeiro, viu. Ninguém em sã consciência prestaria uma consultoria de graça. Eu não prestaria uma consultoria de graça e em raríssimas situações prestaria consultoria mediante pagamento, já que sou funcionária de uma instituição renomada, não acho correto que essa influência vire “cartão de visita” para um outro trabalho. Acho anti-ético e viver na dúvida, entre o certo e o errado, me incomoda! O cara estava com essa história de “ajudar a conceder experiência”. Francamente!

Depois desse caso, outro interessante aconteceu. Uma empresa multinacional, de renome mundial e que atua em diversos segmentos, queria um texto sobre meteorologia e mandou um e-mail para uma lista da qual faço parte. A representante das “xoxo midia” da empresa mandou esse e-mail solicitando que um pesquisador escrevesse um texto sobre meteorologia, sobre um fenômeno meteorológico específico. Não sei se alguém escreveu o texto. O engraçado disso tudo é que além de querer conteúdo na faixa, a solicitante dizia que o texto deveria ficar pronto até o dia seguinte, às 16h. Pelo amor do amor! Além de pedir algo que não é simples de fazer (um texto científico, de popularização, bem escrito), ela ainda queria que fosse no dia e na hora estabelecidos por ela. Fritas, acompanha? 

Sério gente, estou falando tudo isso porque quero valorizar meu trabalho, quero valorizar o tempo que dedico às coisas. Eu vou ter um filho! Se eu fizer um trabalho extra, vou ficar mais tempo sem dar atenção para ele Então se um trabalho extra surgir, que seja um trabalho que me recompense em termos de conquistas positivas e desafiadoras e claro,  financeiramente também! Ah, já sei, vão dizer que sou comunistinha de esquerda e não preciso de dinheiro… e vou rir, claro.

E falo essas coisas como conselho para vocês também. Valorize o trabalho de vocês! Não aceite fazer trabalho voluntário de maneira aleatória, principalmente quando você já tem alguns anos de carreira. Se for fazer algo gratuitamente, que seja algo com o qual você se identifique muito e que seja algo que não vai atrapalhar outros projetos seus. E que seja algo que realmente faça a diferença na sociedade, algo que não vai pagar em dinheiro, mas que certamente pagará de outra forma.

Não se deixe escravizar!

Mesmo se você é recém-formado e busca seu espaço no mercado de trabalho (seja qual for a área), não acredite nessas ladainhas de “vamos estar divulgando seu trabalho”. Todo mundo tem contas para pagar e merece ser recompensado.

***

Alguns amigos vão dizer que estou meio mal humorada recentemente. É, tá certo rs. Estou na 36° semana de gravidez. Estou pesada, com dores nas articulações e cansada. Esse post aqui foi programado há mais de 1 semana. Programei diversos posts para que o blog não fique parado, enquanto estou indisposta e depois enquanto eu estiver muito ocupada e cansada cuidando do meu filhinho.

Se você fizer algum comentário e ele demorar de ser aprovado, não fique chateado/a comigo! Prometo moderar assim que possível!