Dúvida do leitor: Emprego na Área de Meteorologia



Queridos leitores que me mandaram perguntas, me desculpem pela demora em respondê-las. Com o nascimento do Joaquim, as prioridades foram modificadas =)

Tenho umas 5 perguntas na minha lista. Vou respondê-las em posts diferentes, pois sei que a dúvida de um leitor pode ser a dúvida de outros leitores também.

ID-100110820
Fonte: Free Digital Photos

A dúvida de hoje é da Paloma. É uma pergunta sobre mercado de trabalho, que é muito comum já que jovens que pretendem estudar Meteorologia querem ter informações antes de tomar uma decisão definitiva:

Eu estava pesquisando na internet sobre o curso de meteorologia e as oportunidades de emprego na área desde que resolvi que queria cursar metereologia. Atualmente faço o técnico em química, mas acho que já aprendi tudo o que eu gosto de química, e a única alternativa que vi foi ir pro ramo das engenharias ja que gosto muito de exatas. Quando ouvi falar de meteorologia e fui olhar a grade curricular eu me apaixonei, e desde então desejo muito cursa-la, entretanto ouvi dizer que é muito muito difícil encontrar emprego na área e mesmo formada com bolsa voce ganha 1.100 reais. É realmente assim? Vou morrer de fome se fizer meteorologia? Kkkk
Agradeço desde ja a atençao

A Paloma faz curso técnico em Química e eu acredito que fazer um curso técnico ajuda muito o jovem a decidir-se pela carreira que pretende seguir. Bom, eu falo isso usando um pouco de minha experiência pessoal. Eu fiz curso técnico em Eletrotécnica e isso me ajudou a parceber que gosto de Exatas, especialmente de Física.

Em Meteorologia, há uma área chamada Química da Atmosfera, que lida basicamente com Poluição do Ar, Há muitos Bacharéis em Química e Engenheiros Químicos fazendo pós-graduação na área. Se você for seguir a carreira de pesquisa, pode ser uma área que te interesse. Mas claro, isso não é determinante! Há tantas áreas na Meteorologia, que é muito fácil se interessar por qualquer uma delas.

Com relação ao salário que você recebe quando formada, depende de muitos fatores. Depende da empresa que você vai trabalhar. Depende também de seu tempo de experiência como profissional (e claro que iniciantes vão ganhar menos). Depende de suas qualificações. Por exemplo, um meteorologista que é excelente programador tem as chances de ter um salário inicial maior. Só que esses meteorologistas que tem experiência e afinidade com programação não necessariamente trabalham com meteorologia. Muitos acabam trabalhando com modelagem ambiental de um modo geral e até em empresas da área financeira.

Se a empresa te contratou como Meteorologista (ou seja, é o que consta em sua carteira de trabalho), o CREA estabelece um piso salarial. Inclusive mencionei isso nessa FAQ, mas vou repetir

Para cursos com mais de 4 anos de duração, o piso salarial é 6 salários mínimos. De acordo com a resolução do CREA:

“Art. 3º – Para efeito de aplicação dos dispositivos legais, os profissionais citados no Art. 2º desta Resolução são classificados em:

a. diplomados pelos cursos regulares superiores mantidos pelas Escolas de Engenharia, de Arquitetura, de Agronomia, de Geologia, de Geografia, de Meteorologia e afins com curso universitário de 04 (quatro) anos ou mais;

b. diplomados pelos cursos regulares superiores, mantidos pelas Escolas de Engenharia, de Arquitetura, de Agronomia, de Geologia, de Geografia, de Meteorologia e afins, com curso universitário de menos de 04 (quatro) anos.”

“Art. 5º – O Salário Mínimo Profissional para execução das atividades e tarefas classificadas na alínea “a” do Art. 4º da Resolução é de 06 (seis) vezes o Salário Mínimo comum, vigente no País, para os profissionais relacionados na alínea “a” do Art. 3º desta Resolução, e é de 05 (cinco) vezes o Salário Mínimo comum, vigente no País, para os profissionais da alínea “b” do Art. 3º desta Resolução.

Clique aqui para ler mais.

Acontece que nem sempre a pessoa é registrada como Meteorologista na Carteira Profissional, embora seja formada em Meteorologia. Porque depende da vaga e da estrutura hierárquica da empresa. Quero dizer, a pessoa pode trabalhar na área, mas ter um cargo com outro nome.  E se não for, imagino (posso estar enganada) que essa legislação não se aplica.

Além disso, muitas empresas não pagam esse salário do piso, mas tentam complementar com benefícios (Vale Alimentação, Auxílio Creche, etc). Não vou dizer se isso é correto ou não, pois depende de cada um e depende do valor e do tipo de benefício. Então deixo para vocês opinarem.

De um modo geral, os salários estão defasados em todas as áreas aqui no Brasil. O custo de contratação é muito elevado, então muitas empresas preferem contratar por Pessoa Jurídica, por exemplo. É ruim, pois você não tem vários benefícios de um trabalhador regular. Entretanto, também é possível se organizar quanto a isso, pagando uma previdência privada e/ou um carnê de autônomo da Previdência Social, por exemplo.

Para finalizar, a não ser que você seja um super empreendedor (e infelizmente as Universidades não investem muito na formação do empreendedor aqui no Brasil) ou tenha uma ideia maravilhosa para um aplicativo ou serviço, por exemplo, dificilmente vai ficar milionário sendo Meteorologista (ou sendo Engenheiro, Físico, etc). Sempre ressalto isso porque muita gente se forma em uma Universidade e acha que vai ser tudo mais fácil. Na atual conjuntura, infelizmente isso não garante sucesso financeiro. E também tem o que você considera como sucesso financeiro, porque isso varia muito de pessoa para pessoa. Para algumas pessoas, isso significa pagar as contas em dia, ter dinheiro para viver com algum conforto e viajar. Para outros, pode significar ser ‘podre de rico’.

Entretanto, devemos lembrar que trabalhar com o que se gosta é sempre mais prazeroso, e isso também deve ser levado em consideração ao se escolher uma carreira.

Paloma (e outras pessoas que chegarem a esse post), te desejo muito sucesso na escolha da carreira e espero ter te ajudado de alguma forma!

Quem tiver dúvidas, pode mandar pelo formulário do site. Aqui =)