Não tenho nada sob controle!



Quem me segue no Instagram (@samanthaweather), já deve ter lido alguma postagem em que falo que não tenho nada sob controle quando o assunto é “vida de mãe”. E não tenho mesmo!

Na verdade, acredito que não tenho muito controle sob minha vida, entrego tudo nas mãos de Deus, mas isso é assunto para uma discussão filosófico-religiosa que pode ser meio cansativa rs.

Não quer dizer que meu filho não tem horário para nada e que tudo é uma bagunça. Não é exatamente assim rsrs. Por exemplo, consegui estabelecer um horário para o sono noturno. Começo tudo com uma rotina (banho, oração, leite, dancinha e dormir) e tem dado certo. Mas durante o dia, as coisas ficam meio amalucadas. Talvez porque eu nunca fui dona de casa em tempo integral, não levo jeito para essas coisas. Então fico com meu filho e minha casa fica uma bagunça, mas como sou tranquila com essas coisas, tem dado certo.

Outra coisa que tem me ajudado muito é a parceria incomparável do meu companheiro. Fico feliz de ter ao meu lado um marido parceiro, que realmente participa de tudo. Isso ajuda muito.

Não tenho empregada doméstica e nem diarista. Estou até considerando contratar uma diarista para vir aqui uma vez por semana, ainda não sei. Isso pode me ajudar quando eu voltar ao trabalho fora de casa. Eu já comentei em outras ocasiões que acho estranho ter alguém limpando meu banheiro, porque nunca tive esse costume na minha família.

A minha casa é uma bagunça. Desde que me mudei para esse apartamento em 2012, não consegui terminar de arrumá-lo e decorá-lo. Desencaixotei as coisas, claro. Mas por exemplo, falta deixar minha sala mais bonitinha, faltam alguns móveis, etc. De 2012 pra cá, muita coisa aconteceu na minha vida pessoal e não tive muito tempo para pensar nessas coisas de decoração. Fico vendo fotos lindas no Pinterest, mas por enquanto fica tudo no campo das ideias mesmo.

Estou falando essas coisas porque muitas vezes, em redes sociais como o Instagram, a gente vê mães que garantem ter o controle de tudo. Garantem saber tudo. Não quero julgar ninguém, vai ver elas têm realmente o controle de todas as situações. Eu não tenho e nem acho que eu vá ter algum dia. Não sou a Bree Van de Kamp, sou Lynette Scavo (eu adorava a série Desperate Housewives). Da Bree, tenho apenas a religião e olhe lá, risos.

Casa e aparência impecáveis!
Casa e aparência impecáveis!

Com esse breve relato sobre minha vida, gostaria de dizer a mulheres que também foram mães há pouco tempo e se identificam com o que eu disse:

– Você não está sozinha, não se sinta “fracassada” por não conseguir dar conta de tudo. Um monte de gente está nesse barco. Aquelas “mães perfeitas” da internet muitas vezes só mostram os momentos de controle (não as julgo). E algumas tem ao seu dispor diarista, babá, cozinheira, etc. Assim fica fácil até arrumar um tempinho para ir ao salão de beleza. E elas vão. E você as vê com as luzes retocadas e unhas impecáveis e pensa: caramba, e eu aqui com meu cabelo de duas cores e sem tempo sequer para lavá-lo! Sem auto-cobranças, não se ache a pior mulher do mundo. A grama do vizinho muitas vezes parece mais verde, mas só parece.

– Onde está escrito que você precisa dar conta de tudo? Não precisa. E nem deveria. Qualquer pessoa com muitas tarefas e funções acumuladas acaba ficando estressada. Não é nada bom! Por isso detesto essa imagem da mãe que dá conta de tudo. A gente até dá, mas a que preço?

– Você precisa de ajuda sim, todas nós precisamos. Nem que seja uma palavra amiga. Nem que seja uma atitude de compreensão. Seu companheiro precisa te ajudar e você deve conversar com ele sobre isso. Aceite ajuda de amigas de confiança, mãe, tia, sogra, avó, etc. Se você gosta da pessoa e confia nela, aceite e/ou peça ajuda.

– Assim que você conseguir uma ajudinha, arrume um tempo para você. Dedique-se um hobby, faça as unhas, faça uma caminhada, etc. Faz bem refrescar as ideias. E isso ajuda a ser uma boa mãe!

– Se você acabou de ser mãe, sua casa não precisa estar impecável. Na verdade, sua casa nunca precisa estar impecável se você não quiser. E mande a merda (nem que delicadamente rs) quem disser que precisa sim.

– Tem gente da sua família ou conhecidos te cobrando e te dando palpite? Uma vez eu vi alguém dizer algo fantástico: ao invés de dar palpite, dê fraldas! Fraldas são caras e sempre são bem-vindas 😛

A gente não precisa ouvir tudo! Grave esse mantra: você não precisa ouvir e considerar tudo. Aquele cunhado folgado e chato, você não precisa ouvir o que ele fala. Aquela tia que chega com um monte de superstição irritante, você não precisa ouvir. Aquela pessoa que chega dando palpite sobre sua religião, você não precisa ouvir. Sabe “entrar por um ouvido e sair pelo outro?”. Isso! Ouça apenas o que te interessa, dê atenção para quem você gosta e te quer bem. Eu sou contra ser grosseira e tratar mal, embora as vezes seja preciso rs, mas na maioria dos casos uma olhadinha fulminante discreta e uma mudança de assunto já ajudam ;), ou seja, ignorar!

– Não reproduza essas porcarias: imagine só, pense daqui um tempinho. Você vai ter amigas ou parentes que estarão grávidas. E mais pro futuro talvez tenha uma filha ou uma nora grávida. Não repita para elas as mesmas porcarias que você ouviu. Pense bem antes de falar qualquer coisa. Eu pessoalmente estou muito determinada em “quebrar” esse círculo irritante. E fico contente quando vejo mulheres que quebraram. Minha mãe, por exemplo. Sempre me encorajou, sempre me incentivou e sempre acreditou que eu posso ser uma boa mãe (boa, não perfeita). Ela me incentiva a ter autoconfiança. Minha mãe deve ter ouvido algumas asneiras quando estava grávida, mas ela teve a sabedoria e a inteligência de não reproduzi-las. E eu estou empenhada nisso, não quero desencorajar e nem encher as paciências de ninguém! Eu quero ser FEMINISTA com todas as letras, sempre encorajando e empoderando outras mulheres e a gente começa fazendo isso com as mulheres que estão próximas. E o círculo vai aumentando, aumentando, aumentando…

Eu gostaria muito de ouvir as opiniões de outras pessoas para esse post. Se você ainda não é mãe ou pai, mas tem sobrinhos e/ou viveu uma história dessas de perto, compartilhe comigo =).