Desabafo: a amamentação é algo NATURAL, não nos perturbem



Os corpos das mulheres são considerados decorativos.

Ainda em 2016, somos desrespeitadas e consideradas como objetos de adorno. Infelizmente ainda é assim. A pressão para que nos encaixemos em um padrão de beleza eurocêntrico é muito grande. Vejam, claro que todas nós podemos modificar ou melhorar nossa aparência se assim quisermos, porém isso tornou-se uma obrigação. Temos que ser “enfeite” dos lugares.

Quando comecei a trabalhar onde trabalho atualmente, alguns colegas vieram dizer que “vim trazer beleza ao lugar”. O comentário que para muitos é considerado inofensivo, para mim foi cruel. Sim, meus colegas são boas pessoas, gentis, uma equipe fabulosa. Mas o machismo mora em toda a sociedade. Eu tive que provar que eu sou uma boa profissional e não um item de decoração, o que para mim não foi difícil.  Um homem em meu lugar, teria que provar muito menos.

Várias mulheres gordas que conheço já me relataram grosserias por parte de familiares, amigos e até estranhos. Muitas dessas grosserias estavam disfarçadas de “conselhos de gente preocupada com a saúde”. Mentira. A gordura incomoda, porque foge dos padrões esperados, principalmente quando você é mulher.

Essa breve introdução é só para vocês entenderem que sou feminista e questiono uma série de situações envolvendo a vida das mulheres. E atualmente questiono muitas situações envolvendo a vida das mães. Como a maioria de meus leitores sabem, recentemente tive filho. E não tenho nenhum problema em amamentar em público, em festas de família, etc. Já percebi que algumas pessoas se incomodam com isso, mas eu realmente não me importo. Não sou eu que preciso mudar, estou fazendo algo que é NATURAL. São as pessoas que tem que deixar de ser ignorantes e entender que somos mamíferos.

Essa atitude constrange as mães, muitas deixam de amamentar seus filhos devido a olhares e comentários. Vou contar sobre como tentaram me constranger recentemente – e meio que conseguiram!

Eu criei um canal no Youtube, nada pretensioso, apenas para falar um pouco do meu cotidiano para amigos e outras pessoas que me acompanham nas redes sociais. Para pessoas BACANAS, quero dizer. Pessoas que gostam de ver o cotidiano do outro, trocar informações, conhecer realidades diferentes, etc. Eu sigo muita gente com esse objetivo: para trocar e aprender!

Recentemente, gravei um vídeo falando sobre melasma. Devido a gravidez, meu rosto ficou manchado. No vídeo, eu amamentava o meu filho, mas meu seio não aparecia. Eu estava segurando meu iPhone com uma mão e meu bebê já estava adormecido no meu braço (as mães sabem do que estou falando: quando seu filho “mama dormindo” rs).

Abaixo, um print do vídeo no momento em que a mãozinha (<3) do meu filho aparece. Apenas a mão dele aparece e esse é o máximo de “exposição” do vídeo.

Untitled 3

 

E nem adianta procurar o vídeo, pois ele está privado atualmente. Tive que manter assim depois de receber um comentário idiota, de um sujeito pedindo para que eu fizesse um tutorial do bebê pegando no seio. Muita gente vai dizer que estou vendo chifre em cavalo, que estou doida, etc. Mas eu sou “macaca velha” nessa internet, sei como são as coisas. E sou mãe, sei como nos tratam. O sujeito claramente queria que eu me expusesse.

Como disse anteriormente, não tenho nenhum problema em “mostrar” o seio enquanto amamento, porque para mim isso é algo natural e os incomodados que se retirem e se eduquem. Só que eu me senti constrangida com o comentário do idiota e achei melhor ocultar o vídeo.

Gravei o vídeo na maior naturalidade, só falava que eu não queria tratar o melasma (ou cloasma) justamente porque estou amamentando e os produtos e cosméticos usados no tratamento das manchas são ácidos que descamam a pele e podem certamente prejudicar a pele delicada do bebê. Como passo muito tempo com ele literalmente grudado em mim, com direito a muitos beijos e abraços, ficaria com receio de transferir parte dos produtos para a pele dele. E era esse o objetivo! Falar sobre isso! Falar que escondo o melasma com maquiagem (pois me sinto melhor assim) e que na maioria das vezes não me importo e deixo o melasma aparecendo. Ou seja, trocar experiências e informações com outras mulheres que estão com o mesmo problema.

Era esse meu objetivo. Tão simples, tão claro! Mas esses trolls de internet nos desmotivam, nos entristecem, nos encolhem e querem nos calar. Eu optei por remover o vídeo para evitar transtornos e outros problemas. Tem muito desocupado na internet, mas parece que algumas redes sociais aglutinam essas pessoas. Tenho o blog há alguns anos e não tive nem metade dos problemas que já tive no Facebook, por exemplo. E esse problema do YouTube é realmente novidade para mim (embora eu já tenha visto muitos comentários idiotas em outros canais). Quando eu imaginaria que passaria por algo assim, no meu canal tão modesto e caseiro?

Parece que a internet amplifica o comportamento idiota, estou conjecturando, eu realmente não sei o que acontece.

Vejam, eu até entendo que os seios são sim uma parte sensual do corpo feminino, ligada ao erotismo e a fantasia. Mas gente, CONTEXTO! Uma coisa é uma fotografia de uma mulher nua num contexto erótico-sensual. Outra coisa é a imagem de uma mulher dando a luz ou de uma mulher amamentando. Ou de uma mulher que se acidentou, se machucou ou está passando por uma cirurgia e está nua.  São contextos diferentes. Se você não consegue entender essa diferença ÓBVIA, você tem problemas e precisa de ajuda urgentemente na área de saúde mental.

O mundo é tão imbecil que o Facebook até pouco tempo bloqueava imagens de mulheres amamentando, pois as fotos eram categorizadas como fotos de nudez pelos algorítimos da rede social. Ou seja, não havia uma distinção do que era pornográfico/apelativo e do que era simplesmente uma imagem de amamentação.

A propósito, o Facebook cada dia que passa me deixa mais indignada. Lembram da história da Juliana Reis, mulher que deu um desabafo sincero sobre o lado não tão cor-de-rosa da maternidade? Pois então, o perfil dela foi bloqueado. Provavelmente recebeu denúncias em massa de hipócritas e gente sem nenhuma empatia (e sem capacidade de interpretar um texto). Com essas denúncias em massa, o perfil foi simplesmente bloqueado, parece que não há um “departamento” para verificar o que está acontecendo. E hoje usamos o login do Facebook para muitas coisas na vida online, além de ser usado para trabalhar, estabelecer networking, etc. Imagine o transtorno. Espero que a Juliana recupere seu perfil.

Deixem as mulheres amamentarem onde elas quiserem, vamos reconhecer nossa natureza mamífera e entender de uma vez por todas que a mãe e o bebê precisam se sentir confortáveis. Eu não aguento mais saber de relatos de mulheres que amamentam e foram hostilizadas, não aguento mais ler comentários toscos em fotos de mulheres que amamentam. Vamos cuidar das nossas próprias vidas!