Mais informações sobre ordenha de leite materno: minha experiência

Quando escrevi esse post sobre como me organizo para ordenhar o leite materno e então estocá-lo, eu lembrei que algumas seguidoras do Instagram (sigam @samathaweather) me fizeram alguns perguntas muito pertinentes. Lembrando que não sou especialista em lactação, estou apenas dividindo minha pequena experiência para auxiliar outras mulheres e principalmente para incentivá-las.

Quantidade

A quantidade de leite ordenhado depende de diversos fatores. Depende de quanto tempo o bebê mamou pela última vez, depende da dieta da mãe e até de fatores genéticos. Depende também da demanda do bebê.

Normalmente eu escolho um horário do dia (no meu caso, por volta do meio dia) para fazer a ordenha. Vai de cada uma. Sinta seu corpo, veja se os seios já estão muito cheios e estão incomodando. Se estiverem, provavelmente já é hora da ordenha. Acho que isso também depende da idade do seu bebê. Eu observei que quando meu filho tinha menos de seis meses, meus seios ficavam cheios mais rapidamente.

Mas não deixe seus seios encherem muito a ponto de ficarem doloridos. Ordenhe antes de isso acontecer, caso contrário você pode sentir desconforto e até dor.

Não gosto de mencionar valores, mas falando apenas como referência. Meu filho mama antes de sairmos de casa, por volta das 7h da manhã. Realizo a ordenha por volta das 13h e consigo extrair 240ml de leite, que divido em dois recipientes (que são aquelas embalagens da marca Lansinoh que mencionei nesse post). Se eu me esforçasse um pouco mais, talvez conseguiria extrair mais leite, mas dessa maneira está confortável e atende as demandas do meu filho, que toma duas mamadeiras de 120ml, no meio da manhã e no meio da tarde. Quando estou em casa, tento fazer livre demanda de amamentação.  Acredito que muitas mães que trabalham fora fazem algo parecido, com ordenha de leite materno ou com o uso de leite artificial no período em que estão na creche.

O quanto o bebê mama?

Também depende. Depende da idade do bebê. Depende do bebê. Bebês que já estão adiantados na introdução alimentar normalmente mamam menos vezes por dia. Mas não se apresse com a introdução alimentar. Vou escrever um post com minha experiência pessoal sobre o assunto, mas já adianto que não adianta criar expectativas ou apressar o seu bebê, é importante respeitar o ritmo dele e ter muita paciência.

Meu filho fica na creche em horário comercial. Ele toma duas mamadeiras com volume entre 100ml e 150ml cada uma. Além do leite, ele faz outras 3 refeições na creche. Nós ainda não voltamos no pediatra depois do início das aulas, mas eu tenho a impressão de que ele engordou e cresceu. Sobre engordar e crescer, precisamos entender uma coisa: não é simplesmente engordar, o bebê precisa acompanhar as curvas de crescimento.

Eu precisaria escrever um post mais detalhado a respeito do assunto, mas já falei algumas coisas no Instagram e vou reproduzir um pouco a respeito disso aqui também.

Outro dia mencionei em um post a Caderneta da Saúde do Ministério da Saúde, que eh dada a todos os brasileirinhos e brasileirinhas assim q nascem. Ela eh separada por sexo, já que há necessidades diferentes. Na caderneta, que eh meio grossinha inclusive, há diversos textos informativos sobre a saúde da criança. A cada consulta pediátrica, o peso, a altura e o perímetro cefálico da criança são anotados em uma tabela. E os pais podem plotar essas informações nos gráficos. Pelo percentil, eh possível ver se a criança está se desenvolvendo dentro do esperado. Na mesma caderneta, há as informações sobre vacinação. E outras informações sobre a criança podem ser preenchidas pelos próprios pais. Muitas vezes nós ficamos criticando o governo e não reconhecemos iniciativas positivas! #cadernetadesaude #vacinação #pediatra #babyboy #saúde

Uma foto publicada por Samantha Martins Almeida (@samanthaweather) em

grafico_crescimento_peso

As curvas de crescimento estão na Caderneta da Saúde da Criança (vou falar novamente dessa caderneta ao longo do texto). A pediatra do meu filho anota, em todas as consultas, o peso, perímetro cefálico e comprimento/altura. Isso é rotineiro, todos os pediatras devem fazer isso para acompanhar o crescimento da criança e detectar alguma anormalidade o quanto antes. Quando chego em casa, eu “ploto” essas informações nos gráficos.

Se o bebê estiver acompanhando sua curva de crescimento (que deve estar entre os limiares de normalidade), então está tudo certo! Observando a curva de peso (figura acima), a gente nota que o ganho de peso ocorre em uma taxa maior nos seis primeiros meses do bebê e depois vai caindo. Então é normal que nas primeiras consultas o bebê ganhe 800g em um mês e que lá por volta do sétimo mês esse ganho mensal seja menor, já que a curva é logarítmica. O importante é acompanhar a curva de crescimento!

Cuidado com as pessoas bem intencionadas que muitas vezes falam, de maneira grosseira é verdade, que seu filho está muito magro (e querem empurrar mamadeira engrossada) ou muito gordo. Quem tem que dizer isso é o médico, é a observação da curva de crescimento. E se for necessária alguma complementação alimentar, o médico ou médica é que vai te dizer. Lembrando que a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que o bebê consuma apenas leite materno ou fórmula apropriada (leite artificial) até os 6 meses de idade. A introdução alimentar deve ser feita apenas após os 6 meses, com orientação médica e do nutricionista.

Quando voltarmos no pediatra, conto para vocês se tudo está dando certo (e minha intuição de mãe e observação cotidiana mostram que está sim!).

A ordenha no trabalho

Isso é algo pelo qual as mães no mercado de trabalho precisam revindicar. Um espaço limpo, aconchegante, com geladeira e com privacidade. Um espaço onde seja possível realizar a ordenha de leite materno com tranquilidade, para as mães que desejem fazê-lo.

Aqui no trabalho conto com a colaboração e compreensão dos meus colegas. Como meu setor tem poucas pessoas, a geladeira, principalmente o freezer, fica vazio. Faço a ordenha em uma sala vazia e levo o leite para o freezer. Antes de ir embora, coloco as bolsas de leite materno em uma sacola térmica e levo pra casa.

Ou seja, eu não tenho um “espaço perfeito” para realizar a ordenha, mas tenho um espaço legal, limpo e tranquilo. As empresas precisam incentivar essa prática, já que bebê que recebe leite materno tem menos probabilidade de ficar doente. E dessa maneira, a probabilidade da mãe ficar afastada é menor.

Dicas que obtive com minha experiência na ordenha

– Comece pelo seio “mais fácil”: todas temos um seio que parece que vaza mais leite. Comece por ele, pois vai ajudar na descida do leite do seio “mais difícil”. E vai te motivar também, porque é legal ver o reservatório de leite enchendo mais rápido, hehehe.

– Tenha calma e prepare todas as coisas com antecedência. Lave bem as mãos, limpe a mesa e já tenha separado os recipientes onde o leite será armazenado.

– Beba bastante água, pois isso ajuda na produção de leite. E ajuda também a não ressecar sua pele, olhos e intestinos. Sim, muitas de nós que amamentam temos dificuldades para evacuar. Beba mais de 2l de água, se possível!

– Alimente-se bem, escolhendo alimentos de qualidade. Procure informações sobre Nutrição e se for o caso, procure um profissional para esclarecer dúvidas e orientar.

– Sei que nosso sonho é que o bebê deixe de acordar de madrugada para mamar, mas minha impressão é que a mamada da madrugada é vital para manter a produção de leite materno. A prolactina, hormônio que estimula a produção do leite materno, tem seu pico de madrugada. Sei que é difícil e cansativo, mas peça a ajuda de seu companheiro (nem é bem ajuda, ele TEM QUE PARTICIPAR!) e se for o caso, vale até compartilhar cama com o bebê (desde que feito com segurança e que seja confortável para a família). Eu fico como uma zumbi ao longo do dia (mentira, acabei me acostumando hehehe).

– Trate o assunto com muito respeito e exija respeito por parte de seus colegas, mas trate tudo com naturalidade. Você não deve e nem precisa “esconder” que está ordenhando leite materno. A amamentação é um ato natural, lembre-se sempre disso.

– Não exija muito de você nessa fase! Não se comprometa com um milhão de tarefas e compromissos, pois você está cansada e você e o bebê merecem aproveitar esse momento. Eu vou falar uma coisa, mas é apenas minha modesta opinião. Não fique fazendo regimes, rotinas de exercícios pesados na academia, tratamentos agressivos de pele (ácidos para clarear, etc) ou capilares (tintura, descoloração, progressiva, etc). Essas coisas podem prejudicar a lactação, prejudicar a produção de leite e prejudicar o contato com o bebê (já que certos produtos de beleza podem causar alergias). Acho que é o momento para manter apenas cuidados básicos com a aparência (como a fotoproteção, que é importantíssima).

– Leia a Caderneta de Saúde da Criança, ou caderneta de vacinação, que é aquele livrinho que nos dão na maternidade ou no posto de saúde. Lá há informações muito bacanas sobre ordenha de leite e informações diversas sobre a saúde da criança. A caderneta pode ser consultada no site do Ministério da Saúde (veja aqui a de menino e aqui a de menina). As páginas abaixo foram retiradas desse documento e reproduzem as informações sobre Ordenha ou Expressão Manual de Leite, já que nosso país conta com realidades diversas e nem sempre é possível adquirir uma bomba de qualidade (conforme as dicas que dei aqui). Porém com treino e paciência, é possível ordenhar o leite manualmente:

caderneta_saude_crianca_menino_01caderneta_saude_crianca_menino_02

Finalizando…

Espero que esse post incentive e dê algumas ideias para mães que pretendem armazenar leite materno com a finalidade de que os cuidadores preparem para a criança em sua ausência. Meu objetivo foi escrever um post bem descontraído, mas com alguma informação, escrito por uma mãe que não é especialista nessa área, mas que quer compartilhar as experiências da maternidade como tantas outras. Juntas somos mais fortes =)