Tag: Como você era nos tempos da escola?



HidRWyUt

Fato: estou mais uma vez desanimada, sem vontade de escrever. Isso acontece de tempos em tempos. Acredito que seja a rotina cansativa de trabalho e vida de mãe.

Quando isso acontece, uma tag costuma animar as coisas. A Sybylla viu essa tag no blog da Lia Camargo e tratou de me “intimar” a responder. Eu preciso também lembrar que tenho que responder a tag da querida Camilla Preta, do IG Camilla e seus Livros. Já vou responder também, minha querida! Vou responder aqui, mas vou linkar lá no meu IG.

As perguntas da tag Como você era nos tempos da escola? são:

1. Quem era você na escola, como você era? E como era sua escola?
2. Qual era a sua tribo?
3. No recreio, onde era mais fácil te encontrar?
4. Já namorou ou ficou com alguém da escola? Foi dentro ou fora da escola?
5. Já fez alguma coisa escondida ou contra as regras? Já cabulou aula?
6. Se lembra de alguma modinha que você seguiu?
7. Qual foi o melhor e o pior dia?
8. Se envolveu em algum tipo de briga ou movimento/protesto?
9. Sua escola tinha alguma lenda, tipo loira do banheiro? Você tinha algum medo na escola?
10. Sofreu ou causou bullying em alguém?
11. Como era a sua performance em apresentações da escola? Curtia?
12. Do que você mais lembra desse tempo? Quais as coisas que mais te trazem lembranças?
13. Teve algum professor(a) ou funcionário que te marcou?
14. Se você pudesse voltar no tempo, o que diria pra você mesma naquela época?

Estou esperando as respostas da Sybylla. Será que serão parecidas com as minhas? Acho que em vários pontos serão, a gente é muito parecida. Estou curiosa. Aproveitem para conhecer o blog da Sybylla, o Momentum Saga,  que aborda feminismo, ficção científica, ciência e literatura. Inclusive foi ela fez a imagem de abertura desse post, muito linda, né?

Vamos então responder a tag!!!

1. Quem era você na escola, como você era? E como era sua escola?

Bom, eu estudei em 4 escolas diferentes ao longo dos meus anos de ensino. No pré, estudei em uma escolinha municipal. No ensino fundamental, estudei em uma escola estadual. No ensino médio, estudei em uma escola estadual também, vinculada ao Centro Paula Souza (que costumava ser um pouco melhor que outras escolas, tinha até vestibulinho para entrar). E concomitantemente ao Ensino Médio, fiz Ensino Técnico em uma escola federal. Como depois fiz faculdade pública, pode-se dizer que meus estudos sempre foram custeados pelo governo, risos.

Como passei mais tempo na escola em que estudei o fundamental (8 anos!), vou focar minhas respostas nessa escola.

Eu era uma menina nerd, mas naquele lugar e naquele tempo chamavam de cdf. Por algum tempo, me deram o carinhoso apelido de enciclopédia. Eu gostava muito de ler, sempre pegava livros, revistas e gibis emprestados de uma professora que tinha uma espécie de “biblioteca itinerante” e da biblioteca da escola. Só que eu não era a ‘nerd estereotipada’ no sentido de ser tímida ou coisa do tipo. Eu era falante, meio abusada, fui representante de sala, fazia teatro, dança e sempre participava das aulas e como dizem por aí, eu era mais pra frente do que pára-choque de caminhão hahaha. Eu sofri bullying algumas vezes, já até mencionei em outros posts, mas não era nada muito generalizado porque com minha natureza comunicativa, eu acabava fazendo amigos e isso me fortalecia. E claro, minha família sempre me apoiou e me empoderou.

Minha escola era uma escola pública da periferia, com infra-estrutura deficiente, carteiras quebradas, etc. Na época, a escola participava de uma espécie de programa chamado ‘escola padrão’ e isso fazia com que minha escola não fosse tão ruim assim (era apenas ruim, não péssima rsrs). As diretoras também eram super rigorosas, bem mão-de-ferro mesmo e acho que só assim para fazer as coisas funcionarem lá de onde vim. Tinha biblioteca, sala de áudio-visual e não faltavam professores. Estou falando dos anos 90, não sei como é hoje.

2. Qual era a sua tribo?

Eu conversava com quem era mais quieto e com quem também tinha vontade de estudar. E também com quem era legal comigo e com os outros, não praticava bullying ou violência. Não acho que eu tinha uma tribo nessa época. No Ensino Médio eu estava consolidando meu ‘jeito de ser’ e eu costumava andar com quem curtia rock, nerds e jogadores de RPG.

3. No recreio, onde era mais fácil te encontrar?

Na biblioteca ou jogando RPG (no caso do ensino médio). Na oitava série tive um grupinho de amigos bem legal, a gente passava o recreio conversando. Eu tinha um namoradinho também, então sempre estava com ele, hehe.

4. Já namorou ou ficou com alguém da escola? Foi dentro ou fora da escola?

Já sim rs. Olha, não é me gabando, mas sempre tive bom senso. Ficava e tal, mas era na hora do intervalo e com noção, de mãozinha dada e no máximo uns beijos. Dentro da escola, nada de amassos, particularmente nunca achei bacana agir assim dentro da escola. Fora da escola até tinha um amassinho, mas nada de sério, hehehe. Eu era muito nova e até retraída nessa questão. O que acho saudável, já que na minha modesta opinião, sexo não é algo que pessoas menores de idade estão preparadas para fazer. Eu sempre tive isso na minha cabeça.

Claro que sou super a favor da educação sexual e do ensino sobre consentimento, respeito e métodos de prevenção de DSTs e gravidez. Assim as pessoas podem fazer ESCOLHAS MELHORES. Mas para mim, Samantha, o ideal é que sexo seja feito lá na frente, depois de uns 18 anos e tal. Acho que há um pouco mais de responsabilidade.

5. Já fez alguma coisa escondida ou contra as regras? Já cabulou aula?

Olha, se o item anterior é ‘contra as regras’, então fiz, hehehe. Mas nunca nenhum professor ou inspetor veio me criticar por estar namorando, então acho que nunca passei dos limites. Nunca cabulei aula.

6. Se lembra de alguma modinha que você seguiu?

Hahahaha, as pulseiras de corda de violão (meu pai comprou no centro, lembro disso). Aquele ‘colar gótico’ que voltou a ser moda recentemente. Eu era fãzinha de Legião Urbana, Bon Jovi e Hanson. Acho que as roupas também, era moda aquelas calças de cintura um pouco mais baixa. Eu usava, mas como tinha q usar a camiseta da escola, nem aparecia direito, hahaha.

7. Qual foi o melhor e o pior dia?

O melhor acho que foi quando participei de uma gincana com minha sala e era necessário caracterizar alguém com roupas típicas de alguma nacionalidade. Minhas colegas me ajudaram e me caracterizaram como espanhola, fiquei super diva mirim hehehehe. Minha sala ganhou essa prova, uma pena que não tenho fotos.

O pior? Vários. Acho que foi quando um idiota colocou uma cadeira quebrada para eu sentar. Eu sentei e caí. Mas teve outro no primeiro ano, quando a professora não me deixou ir ao banheiro e fiz xixi na sala, na frente de todo mundo. Quem faz isso com uma criança de 7 anos?

8. Se envolveu em algum tipo de briga ou movimento/protesto?

Briga sim, várias vezes. No Ensino Médio, por causa de futebol, por exemplo. Na verdade não era bem o futebol, uma garota e eu não nos dávamos bem e sempre rolava treta. Minha mãe até foi chamada na escola, rs. Constrangedor.

No Fundamental eu ficava na minha, porque tinha muito aluno envolvido com gente barra pesada na escola. Arrumei confusão, mas eu tentava me controlar.

E sobre protesto, fui uma vez em um protesto na frente da Assembléia Legislativa em favor dos professores e por melhores condições para as escolas do Centro Paula Souza.

9. Sua escola tinha alguma lenda, tipo loira do banheiro? Você tinha algum medo na escola?

Tinha. Eu, cética aos 7 anos, fui presa no banheiro porque eu vivia dizendo que a loira do banheiro não existia. Foi rápido, a inspetora veio me salvar rs. Teve uma ocasião engraçada em que tinha um filete de sangue na privada e todas diziam que era sangue do nariz da loira do banheiro. Eu, menina James Randi meets Lisa Simpson, dizia que era o sangue de alguma menina que perdeu um dente de leite. Claro, menstruação era algo inatingível e misterioso pra mim rsrs.

E tinha a lenda homem da bota, que era igual a loira do banheiro, mas era no banheiro masculino rs.

Ah, e uma história triste e pitoresca: tinha um cara chamado ‘Quirico’ na minha escola. Esse cara existia mesmo, tinha problemas mentais e morava nas proximidades. Ele fuçava e comia restos do lixo.

Tinha outro personagem na rua da escola, Zico. Ele se vestia de mulher, então talvez eu deva chamar de a Zico. Aparentemente ela fazia ponto na rua da escola a noite, porque na oitava série eu participava da comissão de formatura e as reuniões eram 19h e meus pais iam me levar/buscar e enquanto eu os esperava, observava Zico. Uma vez ela veio conversar comigo, falando que estava ali em busca de namorados rs. Mas pela conversa, notava-se que tinha problemas mentais e tal. O tenso é que Zico era irmão gêmeo do pai de dois alunos. Nas reuniões de pais, a gente via uma cópia idêntica de Zico (com óculos fundo de garrafa e tudo) e todo mundo meio que ficava espantado ou segurava o riso rs.

10. Sofreu ou causou bullying em alguém?

Já sofri, mas nunca causei. Sério mesmo, estou aqui fazendo uma análise de consciência e realmente, nunca persegui ninguém, nunca fui de grupos que faziam isso. Se eu fiz isso alguma vez, gostaria de lembrar para me arrepender da atitude.

11. Como era a sua performance em apresentações da escola? Curtia?

Sempre fui ‘desinibida e gosto de falar em público, hahahaha. Então sempre curtia e ia bem.

12. Do que você mais lembra desse tempo? Quais as coisas que mais te trazem lembranças?

Lembro da Biblioteca, de alguns amigos e de alguns professores que me incentivaram bastante.

13.Teve algum professor(a) ou funcionário que te marcou?

Professor Edilson, sem dúvidas. Nunca vou me esquecer desse professor dando aulas de matemática já no fim do ano (quando ninguém mais vai pra escola) e me incentivando a passar no vestibulinho para ingressar em uma escola melhor. Ele acreditava em mim. Houve outros também, mas Prof. Edilson é o maior destaque.

14. Se você pudesse voltar no tempo, o que diria pra você mesma naquela época?

Ignore o que os outros dizem sobre você. Seja você mesma e acredite que tudo vai melhorar, porque vai mesmo! Você está no caminho certo.