Viajando com bebê de menos de um ano: como eu faço



Disclaimer: eu tinha dito que eu não gosto muito de escrever textos sobre o universo materno, me sinto um pouco desconfortável com isso (falei disso aqui). Observo que nesse meio tem muitas mães (talvez todas bem intencionadas até) que acham que descobriram uma ‘formula mágica’ ou reinventaram a roda e por isso são mães perfeitas. Por outro lado, há outras mães totalmente tranquilas, que gostam de trocar idéias sem preconceito e com carinho, como se todas estivéssemos numa pracinha. Esse post é para essas mães, sintam-se numa tranquila e agradável pracinha. As cidades precisam disso 😉

Disclaimer 2: tudo o que narrarei nesse post são apenas experiências pessoais minhas, baseadas em coisas que deram certo pra mim e que talvez inspirem vocês. Não é e nem pretende tentar ser um guia de viagens com crianças ou a verdade absoluta.

***

Socorro1

No último feriado, bebê, maridão e eu fomos passear. Fomos para a cidade de Socorro, que fica localizada aproximadamente a 130 km de São Paulo-SP. Uma cidade muito agradável, tivemos ótimas experiências com as pessoas. A equipe da pousada era muito solicita e amigável e os outros hóspedes também eram muito simpáticos. Meu filho fez amizade com todo mundo, usando todo seu charme e simpatia hehehehe.

Meu filho vai fazer 10 meses. E vou falar para vocês de alguns dos desafios de viajar com uma criança dessa idade.

Alimentação

Eu sou bem tranquila com isso de alimentação. Tento me pautar pelo bom senso. Não quero dar muitos detalhes, porque alimentação infantil é sempre um assunto polêmico. É, se você não tem filhos e nem contato com muitas crianças, talvez não entenda isso. Mas acredite em mim, Bela Gil faz escola.

Acredito sim numa alimentação saudável para todos, com produtos de qualidade e nutritivos. Todos devem se alimentar assim. Mantém a saúde, evita doenças, dá vitalidade e energia. Mas eu não vejo problemas em comer um bolo ou um chocolate, por exemplo. Com moderação e inteligência. Meu filho é muito pequeno, claro que não vou dar um pedação de bolo pra ele. Mas se eu notar que é um bolo bom, pouco açucarado, dou um ‘mini pedacinho’ só para ele provar. E ele não deixa de comer frutas por causa disso, porque eu insisto nas frutas. Alimentação infantil é insistência, muito amor e paciência e persistência. E principalmente, bom exemplo. Se você tem uma alimentação ruim, seu filho vai acabar reproduzindo isso. Como em tudo, né? No comportamento, nas atitudes, etc.

É difícil, a criança desafia a gente, mas tem que respirar fundo e continuar tentando. Tem dias que só Deus para me dar forças.

Eu levei sim algumas papinhas prontas. Mas eu também colocava comida saudável no meu prato e dividia com ele. Comida de restaurante mesmo. Eu experimentava, se via que estava boa e com pouco sal, eu dava sem medo nenhum. Se você não se sente confortável com isso, não tem problema, ainda pode viajar. Só talvez tenha que ficar em um chalé ou alugar uma casa/apartamento, num local que possibilite que você possa cozinhar, principalmente se seu filho possui alguma alergia alimentar comprovada.

Como faz para você comer com a criança agitada?

Mais uma vez, a regra de ouro: paciência. Quando o bebê nasce, a vida do casal muda. Não dá pra comer juntinho como um casalzinho fofinho apaixonado. Quando meu filho era mais novinho, ficava quietinho no carrinho. Agora ele quer ficar no colo, pegar nas coisas, bagunçar. Eu como, marido fica com ele no colo, depois a gente troca e etc, repetindo isso quantas vezes forem necessárias. Enquanto isso a gente vai insistindo, tentando colocá-lo no carrinho com paciência.

Vejam, estou expondo minha vida nesse post. Contando para vocês como faço. Estou “dando minha cara a tapa”, porque sei que pode aparecer gente nos comentários com fórmulas mágicas ou opiniões perfeitas. Eu não ligo, sinceramente. Estou contando aqui o que funciona pra mim.

Hospedagem

Quando éramos só nós dois, a gente se hospedava em qualquer lugar. Quer dizer, desde que o local oferecesse condições básicas e mínimas de higiene e conforto. Agora com o bebê, é necessário se informar melhor sobre a qualidade do local. Se há berço disponível, se há copa para hóspedes, se o local é bem recomendado por outras famílias, etc.

Seu bebê talvez estranhe o local e tenha um soninho agitado no primeiro dia. Paciência, como sempre.

Não crie expectativas irreais e idiotas

A não ser que você esteja viajando com babá, seus pais ou outros familiares, não crie expectativas do tipo “vou aproveitar a noite” ou “vou ao barzinho me divertir”. Não dá. Não dá pra fazer tudo. Uma vez uma conhecida de quem gosto muito disse-me algo muito sábio. O mundo tem um monte de portas, várias possibilidades. Mas não dá para entrar em todas as portas. Você tem que escolher e ser suficientemente bem resolvida para ficar satisfeita com a escolha.

Lá em Socorro tem várias atividades de aventura (rafting, arvorismo, rapel, tirolesa, etc). São todas muito bacanas e muito divertidas. Prepare o bolso, porque se for fazer todas disponíveis, vai desembolsar uns 600 reais por pessoa, pelo menos. Você não vai conseguir fazer todas essas atividades ao lado de seu marido, como casalzinho. Vão ter que fazer sozinhos. E se seu filho está na fase de ‘ficar grudado com a mamãe’, talvez você não consiga fazer atividades muito longas.

Quando a gente encara as limitações da realidade como ela é de verdade, a gente consegue dar um passo maior em direção à felicidade e ao contentamento. Eu sei, hoje fala-se muito em ‘você pode fazer o que quiser’ ou ‘vença e supere obstáculos’. Acho que essas coisas são verdadeiros engodos. Você até pode fazer o que quiser, mas está disposta a lidar com as consequências? E vencer necessariamente significa superar obstáculos? Há situações em que os obstáculos são barreiras que estão lá para você saber onde deve parar, eu acho.

Sendo assim, entenda que você está com uma criança em um ambiente novo e essa criança vai estranhar. Talvez fique chorosa. Ela vai te limitar, vai te impedir de fazer algumas coisas. Mas essa criança também vai permitir que você descubra a redescubra o prazer de outras coisas. O prazer de colocar os pés na grama, apreciar uma vista bonita, agradecer a Deus pela natureza, etc. Aprecie esse tempo de qualidade com seus filhos.

Informe-se sobre as atividades para crianças na faixa etária de seus filhos

Não há muita coisa que um bebê de 10 meses pode fazer num parque de aventuras, quero dizer, ainda não inventaram o arvorismo baby. Mas tudo bem! Informe-se se o local possui área verde, possibilidade de fazer um picnic ou de apenas apreciar a vista.

Mas se você tiver filhos mais velhos, que já interagem com outras crianças, em Socorro há possibilidades bem bacanas. Trilhas pequenas e de dificuldade média/baixa, tirolesa kids, arvorismo kids, play grounds, etc. Dependendo da idade, dá até para fazer um pouco de canoagem. E a possibilidade de mostrar a natureza e as corredeiras do Rio do Peixe já é maravilhosa. Hoje em dia muitas crianças vivem em apartamento, tem pouco ou nenhum contato com a natureza.

Além disso, muitos parques tem um pouco da proposta de ecologia e sustentabilidade. Muito importante já ensinar isso para as crianças, desde pequenos. E a possibilidade de conviver em espaços coletivos, com outras pessoas, respeitando os limites e tudo mais. Muito bom =)

Socorro2

O que levar se eu tiver um bebê de menos de 1 ano?

Abaixo, uma listinha usando como base a minha experiência:

  • Repelente apropriado: funciona mesmo, porque estou com as pernas cheias de picadas de mutucas e meu filho não tem nenhuma. Mas tem que passar de hora em hora.
  • Protetor solar apropriado
  • Boné
  • Piscininha inflável ou banheira portátil
  • Carrinho (acho bem útil)
  • Roupas compatíveis com a época do ano
  • Farmacinha (termômetro, remédio para febre, vitaminas e remédios de uso contínuo, etc)
  • Brinquedinhos para distrair durante a viagem
  • Fraldas (se possível, leve daquelas fraldas próprias para banho em piscina)
  • Álcool em gel
  • Utensílios: mamadeiras, copinhos, colher, pratinhos, etc

Como ir para Socorro-SP?

Partindo de São Paulo, o caminho mais fácil e mais curto é ir pela Fernão Dias até Bragança Paulista e lá pegar outra rodovia até Socorro. Sem trânsito, calculo que dê perto de 3h de viagem. Infelizmente a Fernão Dias costuma ter trânsito, já que muita gente de São Paulo-SP vai até Mairiporã ou Atibaia para passar o dia em chácaras. Outra possibilidade é ir pela Rodovia dos Bandeirantes e lá em Jundiaí seguir caminho ate Itatiba. E a partir de Itatiba, seguir caminho até Socorro. É um caminho mais longo, acho que deve dar perto de 4h de viagem.

Com criança, você vai ter que parar. E eu observei que há trechos do caminho em que isso é bem complicado. Se for pela Fernão Dias, há um Graal que achei cheio e apertado. Mas depois desse Graal (que se não me engano, é em Mairiporã), não há muita coisa. Começa a ter coisas quando chega-se perto de Atibaia e depois de Bragança Paulista (onde você de fato entra na cidade), mas nada de um posto grande de serviços. Se for pela Bandeirantes, tem um Frango Assado em Cajamar (excelente parada, boa estrutura pra trocar a crianças e tal) e outros lugares para parar em Jundiaí e depois em Itatiba, mas nada muito grande.

Não tem jeito, tem que se planejar. Até o horário da viagem você tem que planejar de acordo com a rotina do seu bebê. Observar, por exemplo, em qual horário ele costuma tirar a sonequinha da manhã e viajar mais ou menos nessa hora (e então ele dorme no bebê conforto). Lembre de ter a mão os apetrechos necessários para trocar a criança em alguma parada. E se você não conseguir parar num lugar com boa infra-estrutura, talvez tenha que trocar seu filho no banco do carro, por exemplo. Já deixe o esquema mais ou menos organizado para essa eventualidade.

Alguns dos lugares bacanas que conheci em Socorro:

  • Monjolinho: parque de aventuras, o mais adequado para quem está com crianças. Tem mais espaços e mais atividades apropriadas para diversas idades. Até para idosos ou pessoas com dificuldade de locomoção, percebi que é a melhor escolha. Dá para ficar por lá o dia todo, fazendo atividades de aventura e relaxando nas redes e na grama. É permitido inclusive tomar banho no rio, desde que se assine um termo de responsabilidade.
  • Kango Jango: parque de aventuras com alguns chalés para alugar. Achei que é mais atrativo para jovens e adultos sem crianças.
  • Mirante do Cristo: lugar lindo com uma vista maravilhosa para os vales e toda cidade. Lá no alto tem uma lojinha super simpática, com geléias, antepastos, licores, etc. Produtos artesanais. Quando fui, tinha degustação :).
  • Nenê Oliani: pesqueiro e restaurante. A comida é maravilhosa, com diversas opções de peixe no cardápio.
  • Sorveteria Ademar: um dos locais mais famosos e tradicionais da cidade. Fica no centro da cidade e tem 100 anos de funcionamento. Sorvete bem gostoso, várias opções no self service e várias fotos do proprietário e sua família com celebridades :).
  • Lubeck Bar: Apesar de ser estilo pub, dá para levar crianças numa boa. O local conta com vários ambientes e é bem aconchegante. Só chegar mais cedo e se acomodar.
  • Feira Permanente de Malhas e Shopping de Malhas. Em termos de preço, acho que a Feira possui preços melhores. São locais bem próximos entre si, ficam perto do Portal da cidade, o portal da XV de Agosto (perto do caminho para Lindóia e São Paulo, falo isso porque há dois portais na cidade). Em termos de qualidade e bom gosto, acho que os dois locais de compras empatam. O bacana é que na Feira tem uma loja de doces e cocadas com várias coisas gostosas.

Dicas

  • Algumas pousadas e hotéis dão cortesias (entrada grátis nos parques, cupons de descontos em restaurantes e bares, etc). Informe-se e aproveite.
  • Procure hotéis no Booking.com e veja os comentários no Trip Advisor. Isso sempre funciona para nós, já faz alguns anos que maridão e eu escolhemos hotéis assim em diversos locais e sempre dá certo. Só uma vez que ficamos num hotel horrível, mas o Booking.com devolveu nosso dinheiro integralmente. Empresa super séria!
  • Compre água em algum supermercado e leve com você. Acho meio absurdo pagar R$3,00 numa garrafinha de 300ml de água.
  • Socorro-SP é uma daquelas cidades em que você vai precisar de carro para se locomover. A não ser que você decida se hospedar no Corredor Turístico Rio do Peixe (onde ficam os parques de aventura) e faça tudo por lá. Mas não adianta, tem lugar que só de carro mesmo, principalmente se estiver com criança. Olha, conselho dado por uma pessoa que gosta muito de andar, acreditem em mim.
  • Não se estresse e aproveite para mostrar coisas novas para seu bebê, mantenha a calma e passe essa segurança e alegria para ele.