De onde vem a palavra anemômetro/anemógrafo?

Em instrumentos científicos, é importante lembrar que os sufixos -grafo e -metro indicam respectivamente instrumento registrador e instrumento em que é necessário alguém fazer a leitura diretamente no instrumento. Sendo assim, em se tratando de instrumento medidor do vento:

  • anemógrafo: registrador
  • anemômetro: medidor

Precisamos lembrar que o vento é um vetor. A propósito, é o melhor exemplo de vetor, na minha opinião.  Eu falei um pouco sobre os ventos na atmosfera nesse post.

Eu com uma parte do anemógrafo (veja mais sobre essa foto aqui).

E nesse outro post, expliquei como funciona o anemógrafo.

Ok, expliquei o que significam os prefixos -grafo  e -metro. Mas de onde vem a palavra anemo? A origem do termo é grega, vem da palavra anemoi, que na Grécia Antiga representava o conjunto dos deuses do vento.

Rosa dos ventos, com o nome dos ventos de acordo com a mitologia Grega. Fonte: Wikimedia Commons

Rosa dos ventos, com o nome dos ventos de acordo com a mitologia Grega. Fonte: Wikimedia Commons

A palavra anemoi também era usada para designar no fenômeno do vento. Na mitologia Romana, que emprestava e compartilhava muita coisa da mitologia grega, o nome do conjunto de divindades que representava o vento era venti. E é daí que vem a palavra vento, evidentemente.

A Torre dos Ventos

Torre dos Ventos em Atenas, parte do friso que representa os deuses do vento gregos Bóreas (vento norte , à esquerda ) e Skiron (vento noroeste, à direita). Fonte: Wikimedia Commons

Torre dos Ventos em Atenas, parte do friso que representa os deuses do vento gregos Bóreas (vento norte , à esquerda ) e Skíron (vento noroeste, à direita). Fonte: Wikimedia Commons

Na mitologia grega havia um deus para cada direção, sendo eles:

  • Bóreas: N
  • Kaíkias: NE
  • Apeliotis: SE
  • Nótos: S
  • Lips: SW
  • Zéphiros: W
  • Skíron: NW
  • Euros: E

A Torre dos Ventos é uma construção octagonal também conhecida como o Horologion de Andronikos Kyrrhestes. Está localizada em Atenas e funcionava como um relógio. A estrutura era uma combinação de relógio solar, clepsidra e uma espécie de catavento (um anemômetro simples). Foi possivelmente construída por Andronicos de Cirro, por volta de 50 a.C. Outras fontes apontam que pode ter sido construída um pouco antes, em 200 a.C junto com outras estruturas próximas, como um antigo fórum.

Não faz muito tempo que a Torre do Ventos tem recebido seu devido valor.  Apenas em 2014 ela passou a ser mais bem conservada por instituições que cuidam do patrimônio histórico ateniense.

A Torre tem 12m de altura e diâmetro aproximado de 8m. Cada face do octágono representa um dos deuses listados em suas respectivas direções. Na Era Cristã, a torre foi usada como torre de sino pela Igreja Bizantina. Sob o domínio Otomano, ela virou tekke (uma espécie de “mosteiro” de algumas correntes do Islã), onde alguns derviches dançantes turcos ficavam. E nessa época do domínio Otomano, a torre foi parcialmente enterrada e há até hoje inscrições em turco escritas em seu interior.

A Torre dos Ventos de Atenas inspirou a construção de diversas outras torres semelhantes em diversas regiões do mundo.

Não pretendo falar sobre cada um dos deuses que representam as direções do vento, pois minha pesquisa se concentrou apenas nos pontos cardeais. Então nesse post vou falar de Bóreas (N), Nótos (S), Zéphiros (W) e Euros (E).

Bóreas (N)

Bóreas era o deus grego que representava o vento frio vindo do norte, aquele que trazia o inverno. Era representado frequentemente como um senhor velho, alado, com cabelos e barba esvoaçantes e bagunçados. Seu temperamento era violento e ele era fisicamente forte. Bóreas tinha dos filhos: Calaïs and Zetes, conhecidos como Boréades, argonautas que faziam parte da tripulação de Argo. E também tinha duas filhas: Chione (deusa da neve) e Cleopatra (esposa de Fineu). Esses filhos e filhos teriam sido fruto de estupros, já que Bóreas sequestrou e encarcerou a princesa ateniense Oríntia, mãe desses filhos, prendendo-a em uma nuvem.

800px-Boreas_Oreithyia_Louvre_K35

Detalhe em cerâmica da Apúlia (cerca de 360 a.C.) mostrando o rapto de Oríntia, por Bóreas. Uma das coisas que me incomoda MUITO ao estudar mitologia grega são os raptos e estupros, porém tento vencer esse incômodo, uma vez que a mitologia grego-romana ainda diz muito sobre nossa sociedade. Pensando bem, a própria Bíblia tem histórias cabulosas e não deixo de ser cristã. Se agora é ruim para as mulheres, imaginem na Antiguidade.   Fonte: Wikimedia Commons

O deus “equivalente” para os romanos era Septentrio (nenhuma coincidência com o mês Setembro). A palavra é derivada do termo septem triones (“sete bois”), que se referia às sete estrelas mais proeminentes da constelação Ursa Maior. Essas estrelas começam a aparecer no horizonte do Hemisfério Norte logo após o pôr-do-Sol entre o outono e o inverno.

Nótos (S)

O deus grego para o vento do Sul, estava associado com o calor, vento que trazia calor. Em Meteorologia, usamos o termo advecção, que significa transporte. O vento transporta as propriedades de onde ele está vindo. No caso do Hemisfério Norte, vento de Sul indica vento quente. Os gregos antigos relacionavam o deus Nótus ao aparecimento de Sirius. A estrela Sirius é uma das estrelas com maior brilho aparente (vista daqui da Terra) e começa a aparecer no céu do Hemisfério Norte logo após o pôr-do-Sol logo no início do verão daquele hemisfério.

Detalhe de Notus, divindade que representa o vento de S. Detalhe da Torre dos Ventos

Detalhe de Notus, divindade que representa o vento de S. Detalhe da Torre dos Ventos

Como estava associado também com as tempestades de verão e início de outono, Notus é frequentemente representado com um vaso. Em algumas figuras, esse vaso mostra água sendo derramada.

Na mitologia romana, é chamado de Auster.

Zéphiro (W)

Esse deus provavelmente é o mais conhecido dos anemoi por conta da obra Nascimento de Vênus, de Sandro Botticelli (1485). Zéphiro aparece à esquerda, soprando, alado e abraçado a Flora (Chloris). A mitologia conta que Zéphiro raptou Chloris e deu a ela o reino das flores. Zéphiro foi também casada com Iris (a deusa do arco-íris).

Lá na Grécia, ventos de oeste (W) anunciam a chegada da primavera. Ou seja, quando a primavera está se aproximando, os ventos ficam predominantemente nessa direção. Não é por acaso que no mito, Zéphiro é casado com a divindade associada com as flores. E como primavera tem a ver com renascimento das plantas após o inverno, com a fertilidade, o mito também relaciona esses personagens ao nascimento da deusa Vênus, que não por acaso é a deusa da fertilidade.

Nascimento de Venus, por Sandro Botticelli (1485). Obra exposta na Galleria degli Uffizi, Firenze (Florença).

Nascimento de Venus, por Sandro Botticelli (1485). Obra exposta na Galleria degli Uffizi, Firenze (Florença).

Há diversas histórias relacionadas a Zéphiro. Além de envolvimentos românticos com divindades femininas, Zéphiro também se envolveu com Jacinto, um galã espartano. Na verdade, Jacinto era tão lindo que também despertou o amor de Apolo. Quando preferiu ficar com Apolo, Zéphiro ficou louco de ciúme. Tão louco, que soprou um vento tão forte que matou o galã. Apolo então criou a flor jacinto, com o sangue do rapaz. Eros protegeu Zéphiro da fúria de Apolo, uma vez que foi um crime em nome do amor.  Em retribuição a esse favor, Zéphiro teve que transportar Psichê  para os domínios de Eros.

Mitologia (de qualquer povo) é um troço assustador. Violência, estupro, fúria, etc.

Zéphiro, carregando consigo frutas. Fonte:http://mythology.wikia.com/

Zéphiro, carregando consigo frutas. Fonte:http://mythology.wikia.com/

Hyakinthos

Zéphiro e Jacinto. Figura de cerâmica de aproximadamente 480 a.C. Fonte: Wikimedia Commons

Para os romanos, Zéphiro se chamava Favonius, que tinha domínio sobre as plantas e as flores. A palavra favorável vem de Favonius. Isso já mostra a importância da primavera em locais onde as estações do ano são bem definidas.

 

Euros (E)

Esse é o vento da má sorte, o vento de leste. Esse vento traz calor e chuva. É conhecido como Subsolanus, para a mitologia romana.

Essa imagem mostrando cada uma das faces da Torre dos Ventos vi aqui, com um excelente artigo sobre a construção.

Essa imagem mostrando cada uma das faces da Torre dos Ventos vi aqui, com um excelente artigo sobre a construção. Inclusive usei algumas informações desse artigo para escrever esse post.