Editores de texto baseados no terminal: bizarros, porém úteis.



Outro dia eu estava tentando editar algo bem simples em um servidor remoto. Era uma edição rápida mesmo, apenas algumas linhas, porém urgente. E quem disse que eu conseguia abrir a interface gráfica?

A partir da minha instalação do Ubuntu Wily Werewolf, eu normalmente consigo acessar esse servidor sem problemas. No entanto, a máquina não conectava de jeito nenhum! Eu tentava várias vezes e dava aquela odiosa mensagem: connection timed out.

Enfim, comecei a ficar preocupada e decidi usar o Windows mesmo. Instalei o Putty, mas não conseguia instalar o Xming. Porque nas horas em que a gente precisa, nada funciona 😭.

Foi quando lembrei do emacs e de outros editores de texto que são baseados no próprio terminal. Eles são extremamente úteis para edições pequenas. O meu favorito é o emacs, é o mais fácil de usar. Infelizmente ele não estava instalado no servidor que eu acessava e eu não tenho privilégios para instalar nada diferente. Foi quando tentei o vi, um editor horrível. Lembro durante meu mestrado que via minha orientadora usando-o tranquilamente e eu nunca me entendi com ele. Mas se você quiser tentar, está aqui uma lista de comandos do vi.

Fiz uma busca na internet a respeito de editores de texto baseados no terminal, quando achei esse artigo bem legal, que fala desses editores mais “monstruosos”, muito usados por programadores. Um dos listados era o pico/nano e foi o que resolveu meu problema, pois ele estava instalado no servidor.

Untitled 2

Eu usei muito esse editor no final dos anos 90 e início dos anos 2000, para editar e enviar e-mails. Ele quebra um galhão quando você passa por um problema como o meu ou quando você simplesmente é um retrogeek 💾 e gosta de editar diretamente no terminal 💻.

Como estou usando esse editor com uma certa frequência ultimamente, deixo uma lista com os principais comandos desse editor:

  • CTRL-G – mostra a ajuda do Nano.
  • CTRL-X – sai do editor e pergunta se o arquivo que você está editando será salvo ou não.
  • CTRL-O – salva o arquivo
  • CTRL-J – justifica o alinhamento
  • CTRL-R – comando que lê um arquivo e permite que você adicione o texto desse arquivo enquanto trabalha em um novo.
  • CTRL-W – busca no texto.
  • CTRL-C – Indica posição atual do cursor
  • CTRL-K – Recorta texto
  • CTRL-U – Cola o texto
  • CTRL S – Salva o arquivo e continua trabalhando.
  • CTRL-T – Verificação da ortografia
  • CTRL-A- traz o cursor para o início da linha.
  • CTRL-E – tra o cursor para o fim da linha.

Estou listando esses comandos porque para muitos que estão usando o editor pela primeira vez, terão dúvidas ao verem a indicação ^G no rodapé do programa, por exemplo, e ficam na dúvida. Esse acento circunflexo ^ indica a tecla CTRL.

Conclusão 

Para mim, desses editores baseados em terminal (não conheço todos!), o melhor é o emacs. Mas com o nano/pico, é possível fazer algumas edições rápidas, como correções rápidas em códigos, por exemplo.