Dúvida do leitor: Roma x Nova York



Hoje vamos responder a dúvida do leitor Victor:

Roma está mais ao norte que Nova York. Por que Roma é mais quente que Nova York?

É uma excelente pergunta e vai lembrar bastante a dúvida de outro leitor, que tratava-se da comparação entre as cidades de Nova York e Lisboa.

A pergunta do Victor é sobre clima. E como sei disso? Observando a pergunta, percebo que ele se refere a uma média: Roma, em média, é mais quente que Nova York durante a estação quente, ou seja, durante o verão. O Victor não está se referindo a um episódio específico, a um dia específico em que Roma foi mais quente.

Para entender a diferença entre tempo e clima, clique aqui ou aqui.

Ocorre que a latitude onde um cidade está localizada não é o único fator que determina o clima dessa cidade. Outros fatores determinam o clima de uma cidade, como por exemplo:

  • altitude onde a cidade está localizada
  • distância do oceano – continentalidade
  • cobertura do solo no local e nos entornos (deserto, floresta, etc)
  • topografia nos entornos
  • tipo de corrente marítima que passa pelo oceano que banha essa cidade
  • ventos predominantes na localidade: os ventos são responsáveis pela advecção de calor ou frio.

Vamos, portanto, falar das diferenças entre essas duas localidades e fazer uma espécie de dossiê sobre o clima de cada um desses lugares. Ao final, chegaremos às nossas conclusões.

Roma

hungry-history-vomitoriums-fact-or-fiction_corbis-e

 Vou usar o WeatherSpark, que é uma ótima referência para esse tipo de comparação. E primeiramente, vou falar da cidade de Roma.

daily_high_and_low_temperature_temperature_c_roma
Roma: Temperatura média máxima diária e Temperatura média mínima diária (°C), linha vermelha e azul respectivamente. Fonte: WeatherSpark

 

Os dados referentes a Roma, organizados pelo site WeatherSpark, são referentes aos dados da Estação Meteorológica do  L’Aeroporto di Ciampino, de Roma. São dados de 1974-2012. O clima de Roma é classificado como Clima Mediterrâneo (veja aqui a classificação Köppen-Geiger), cuja principal características são verões quentes e secos e invernos moderados e chuvosos. O nome Mediterrâneo evidentemente já nos faz entender que é o clima típico de diversas cidades banhadas por esse mar.

Roma está localizada na latitude 41°54’N, o que significa que está localizada numa das Zonas Temperadas do Planeta (assim como Nova York, como veremos adiante). Esse nome diz respeito a classificação que se faz levando em conta as Zonas Térmicas do Planeta (veja mais aqui). Essa classificação não conta toda a história sobre o clima da localidade, mas sim a sua localização em termos de latitude. De acordo com essa classificação, Zonas Temperadas são aquelas localizadas entre o Trópico de Capricórnio e o Círculo Polar Antártico (Zona Temperada Sul) e entre o Trópico de Câncer e o Círculo Polar Ártico (Zona Temperada Norte).

Observando o gráfico de temperaturas de Roma (figura anterior) vemos que raramente temos temperaturas negativas no inverno romano. Neve ocorre, mas não é um fenômeno comum. O verão, por outro lado, pode apresentar máximas acima dos 30°C.

Eu poderia entrar em mais detalhes sobre o clima de Roma, falando um pouco mais sobre os tipos de precipitação esperados em cada uma das estações, mas eu vou focar mais na temperatura, porque ela já diz muita coisa sobre o clima e responde aquilo que o Victor perguntou. Para um maior detalhamento de outras variáveis além da temperatura, veja aqui.

Agora vou falar sobre Nova York e ao final, falarei de algumas diferenças entre as duas cidades.

Nova York

AppleMark

Falei um pouco sobre o clima de Nova York nesse post. A cidade de Nova York está localizada a 40°43′ N e se a gente for comparar com a latitude de Roma (41°54’N), Roma nem está tão mais ao Norte assim… Para fins práticos, as duas cidades estão quase que na mesma latitude!

daily_high_and_low_temperature_temperature_cny
Nova York: Temperatura média máxima diária e Temperatura média mínima diária (°C), linha vermelha e azul respectivamente. Fonte: WeatherSpark

Os dados referentes a Nova York, organizados pelo site WeatherSpark, são médias de dados de 1974-2012. O clima de Nova York é classificado como Clima Continental Úmido, porém com ausência de estação seca, conforme mencionei nesse post. Ou seja, diferentemente do Clima Mediterrâneo (que possui uma estação chuvosa marcada, no caso, no inverno), o Clima Continental Úmido pode apresentar chuvas bem distribuídas ao longo do ano, sem a indicação de uma estação chuvosa bem marcada. É o que ocorre no caso de Nova York e mostrei um gráfico de chuvas da cidade nesse post.

Outra questão bem importante que devemos ressaltar ao comparar Roma e Nova York é com relação as temperaturas médias. Observe o gráfico acima, referente a Nova York, e o anterior, referente a Roma. Em Nova York, temperaturas abaixo de 0°C são esperadas durante o inverno. O inverno novaiorquino é bem mais rigoroso que o inverno romano, mesmo estando Roma mais ao norte (só um pouco) do que Nova York! O verão novaiorquino também é um pouco mais ameno com relação ao romano.

E por que isso acontece?

Como eu disse anteriormente, a latitude da cidade não é o único fator que determina seu clima. Há fatores bem locais também, referentes a topografia, urbanização, presença de grandes rios ou florestas, etc. As duas cidades estão mais ou menos no nível do mar, isso também é importante ressaltar, ou seja, não tem aí a influência a altitude, que é determinante também no tipo de clima do local.

Não vou entrar nos detalhes locais: vou falar de “coisa grande”, de oceano e mar. No caso de Nova York x Roma, temos aí uma importante influência dos corpos d’água que estão próximos dessas cidades.

O Oceano Atlântico Norte na costa nordeste da América do Norte é frio. A corrente do golfo leva todo o calor para a Europa (falei desse assunto aqui). É por isso que Lisboa tem um clima mais ameno do que Nova York.

O Mar Mediterrâneo é, em média, mais quente do que o Atlântico Norte, conforme podemos observar no mapa abaixo, que indica a média global anual  da temperatura da superfície do mar.

nasa_sst_flat_map
Média Anual Global da Temperatura da Superfície do Mar. Fonte: NASA/Meted-UCAR

Usando dados obtidos com o MODIS do Satélite Aqua (falei desse sensor e desse satélite nesse post), temos dados da temperatura média mensal da superfície do mar. Esses dados podem ser consultados aqui. Separei o mapa que mostra os dados de Janeiro/2016 (inverno no Hemisfério Norte) e Agosto/2016 (verão no Hemisfério Norte):

january2016
Temperatura média global da Superfície do Mar para o mês de Janeiro/2016. Dados do satélite Aqua/Nasa. A legenda das cores está abaixo.

sst_35

august2016
Temperatura média global da Superfície do Mar para o mês de Agosto/2016. Dados do satélite Aqua/Nasa. A legenda das cores está acima.

E por que fiz questão de pegar as médias desses dois meses? Para mostrar que mesmo no inverno, o Mar Mediterrâneo ainda apresenta uma temperatura média mais elevada do que o Atlântico Norte (especificamente na região em que banha a costa nordeste dos EUA, onde está localizada a cidade de Nova York).

Os oceanos e mares são importantes redistribuidores de calor ao longo do planeta. Regiões “confinadas” do oceano, como é o caso do Mar Mediterrâneo, tendem a realizar trocas mais lentas com os grandes oceanos. Então o calor fica um pouco mais confinado, o que evidentemente influencia no clima das cidades banhadas por esse mar.

Conclusão

Para finalizar, apesar de Roma estar só um pouquinho mais ao norte que Nova York, as duas cidades tem climas diferentes, o que pode ser explicado principalmente pelas características do Mar e do Oceano que as banham. Além disso, é preciso lembrar que a latitude da localidade (ou sua localização em termos de Zona Térmica) não é o único fator que explica o clima de um local.  A altitude da cidade, a continentalidade, o tipo de cobertura de solo, o tipo de corrente marítima da costa, os ventos predominantes, etc são apenas alguns fatores que também ajudam a determinar o clima de uma localidade.

Bibliografia

Linkada ao longo do texto, porém o livro Introdução à Climatologia para os Trópicos, de J. O. Ayoade (resenhado parcialmente aqui) foi de extrema importância para escrever esse post.