“O blog/canal/site/etc é meu e eu escrevo nele o que eu quiser!”



Vou tratar dois assuntos nesse post. Vou falar sobre a liberdade de produzir o que quiser e sobre a falta de noção que muitas pessoas tem ao comentar em canais do youtube ou em blogs. Essa mesma falta de noção também se faz presente em conteúdos publicados, e-mails particulares, etc. Espero que gostem de minhas humildes colocações.

 🏠🏠🏠

Talvez você já tenha ouvido a frase:

“O blog/canal/site/etc é meu e eu escrevo nele o que eu quiser!”

Eu já ouvi várias vezes. E penso que ela é parcialmente verdadeira. Por isso, vou falar um pouco de minha opinião sobre produção de conteúdo.

Sim, somos livres (ou deveríamos ser) para produzirmos o conteúdo que quisermos. Claro que se você está vinculado a uma empresa específica, deve seguir suas diretrizes e produzir o conteúdo que lhe foi designado. Se você não gostar do que estão te propondo, tem o direito e em muitos casos a obrigação moral de deixar a empresa.

No entanto, estou aqui falando de um blog pessoal, como é o caso do meu. Um blog que é mantido pelo meu dinheiro, escrito por mim, totalmente independente. E sim, eu escrevo nele o que eu quiser. Se eu produzir um conteúdo que incita o ódio, por exemplo, devo responder criminalmente por isso, evidentemente. E claro, preciso ter um bom senso enorme para não falar de coisas das quais não entendo. Mas de um modo geral, posso sim falar sobre o assunto que eu quiser.

Recentemente recebi um e-mail de uma pessoa que veio pelo meu canal, que disse que eu não tenho foco. Vou reproduzir aqui uma frase do e-mail dessa pessoa:

Queria saber por que o seu site não tem muito foco. Você fala de qualquer coisa que vem a sua cabeça, né? =]

Não, não escrevo exatamente qualquer coisa que vem a minha cabeça. Eu seleciono. Muita coisa passa pela minha cabeça e aquilo que eu julgo ser interessante, eu publico. Seja sobre Meteorologia (ou Ciência em geral), programação, literatura, meus hobbies, etc. Eu não estou presa a nenhuma empresa e por isso vou escrever o que for selecionado pela minha mente.

Eu realmente não entendi esse “pedido por esclarecimentos”. Não sou a única produtora de conteúdo que escreve sobre o que quiser. Várias blogueiras e blogueiros fazem isso. Meu blog não se resume a Meteorologia e eu gosto muito disso. E sei que muitos leitores gostam também. Se eu escrevesse apenas sobre Meteorologia (como eu fazia no início), eu estaria me limitando. Eu acredito que posso contribuir também em outros assuntos. Além disso, Meteorologia é o meu trabalho. Eu amo minha profissão, é verdade. Mas eu não quero falar apenas sobre meu trabalho.

Aceito sugestões de pauta? Claro que sim. Muitos dos meus posts nasceram a partir de sugestões de leitores e amigos. Aceito todas as sugestões? Não. Não tenho experiência ou condições intelectuais para falar sobre qualquer assunto. E há assuntos que se esgotam, assuntos dos quais não quero tratar. Recentemente, gravei um vídeo que apenas mencionava a Bel Pesce e me mandaram um link de uma participação da moça em um programa de rádio, pedindo para que eu desse a minha opinião. O assunto já está esgotado pra mim, não quero mais falar dele. Além disso, não sou da área de empreendedorismo e nunca assisti uma palestra da moça. Sei o que foi publicado na internet sobre os exageros de seu currículo.

O que ando fazendo é falar sobre as consequências do fato de ter mencionado o nome dessa moça em meu canal. E essas consequências foram no mínimo curiosas.

A ética no comentar

Esse vídeo em que menciono a moça do empreendedorismo teve mais de 1000 visualizações. Confesso que fiquei surpresa, meu canal é bem “caseiro” e não imaginava que iria conquistar tantos views, principalmente para esse vídeo. Recebi alguns comentários inteligentes, sensatos e respeitosos. Mas infelizmente recebi alguns comentários desrespeitosos ou sem noção de um modo geral. Bloqueei vários: mandei para o Vale dos Bloqueados, como aprendi com a Cacau Schwarz.

Eu não sei quando isso vai acontecer, mas eu realmente gostaria que todas as pessoas tivessem bom senso. Eu sonho com isso, mas aparentemente é uma utopia. Deletei os comentários malucos, mas vou citar aqui algumas coisas abordadas nos comentários que bloqueei:

  • Disseram que eu sou feia
  • Disseram que meus vídeos são horríveis
  • Disseram que eu sou burra
  • Deram-me sugestões sem sentido ou disseram que eu TINHA QUE ter falado sobre XYZ
  • Não compreenderam o objetivo do vídeo
  • Não assistiram o vídeo até o final e ainda fizeram comentários grosseiros
  • Disseram que eu sou machista porque falei mal da Bel Pesce (oi?)

Nada autoriza ninguém a ofender o outro. Muitos já argumentaram que ‘na internet de antigamente, as coisas eram diferentes’. Eu até comentei sobre isso nesse vídeo. Eu acesso a internet desde 1998/1999 e eu digo para vocês: trolls e gente maldosa em geral sempre existiram. A questão é que hoje, mais pessoas acessam a internet. E consequentemente, a proporção de gente maldosa que acessa a internet também aumentou. Além disso, tenho a impressão (subjetiva) que as pessoas estão muito nervosas, mal resolvidas e raivosas, talvez consequência do cenário de “terrorismo político” que vivemos, não sei. Há comentários no Facebook tão maldosos que eu consigo imaginar a foto de perfil de alguns com espuma na boca.

Eu tenho uma regra de ouro e realmente gostaria que as pessoas a aplicassem. Antes de comentar qualquer coisa no post ou vídeo de alguém, respire fundo e reflita nos seguintes pontos:

  • Eu gostaria que falassem isso para mim?
  • Eu gostaria que me desse esse “toque” na frente dos outros?
  • Eu falaria isso na cara da pessoa se eu a encontrasse pessoalmente?
  • Eu sei do que estou falando?
  • Estou bravo ou chateado com alguma coisa? Estou tendo um dia ruim? Estou projetando meus problemas nos outros e xingando as pessoas para “desopilar meu fígado”? Será que eu não preciso de ajuda?

Se as pessoas refletissem sobre esses pontos, tenho certeza que teríamos menos comentários ofensivos pela internet. Além disso, é preciso considerar o seguinte: se eu, Samantha, recebo um comentário ofensivo, apenas bloqueio e fim de papo. Sou uma mulher adulta, relativamente bem resolvida e sem problemas sérios de auto-estima. Só que tem gente que tem sérios problemas de saúde mental ou que ainda não tem a auto-estima bem construída. Há casos de pessoas que cometem suicídio e o gatilho para tal ato de desespero é um comentário (ou vários comentários) desrespeitosos e ofensivos. Um caso que ficou notório foi o de Amanda Todd, que inclusive foi perseguida por haters.

Responsabilidade e amor, por favor.

A falsa intimidade

Além disso, há uma falsa noção de intimidade, principalmente nas redes sociais. Observei aqui que tenho 500 e poucos contatos no Facebook. Desses, menos de 50 são contatos que considero “mais próximos”. Desses 50, talvez uns 15-20 são pessoas com que tenho alguma intimidade e convivo pessoalmente com relativa frequência. E desses, talvez apenas uns 5-10 são pessoas que realmente estão comigo ‘para o que der e vier’, eu acho.

Não, você não tem o direito de “dar toques sobre política” para o primo da vizinha da sua cunhada, sujeito que você viu apenas uma vez em um churrasco. Não gosta do que ele escreve? Deixe de seguir, dê unfriend, ignore. Mas sério, ficar batendo boca? Que coisa mais desagradável e deselegante. Se isso já é desagradável quando o assunto envolve pessoas próximas, imagine quando envolve uma pessoa que você mal conhece?

dese

Eu não sei o que está acontecendo com as pessoas. Antes, quando tínhamos uma vida social mais “fora de casa” (hoje muitas vezes nossa vida social se resume a Internet), nós éramos mais polidos. Encontrávamos pessoas em festas ou reuniões sociais e nos portávamos de outras maneiras. Havia até uma ética bobinha, mas que funcionava: religião, política e futebol não se discute. Sei que muitos vão argumentar que a gente deve discutir qualquer assunto, mas nem sempre o ambiente é o adequado. E nem sempre a pessoa está preparada para discutir os assuntos. Não seja o desagradável, o espalha rodinha.

E principalmente: tenha uma real noção da intimidade que você tem com quem você está conversando. Se o assunto for particular demais e você só viu a pessoa uma vez na vida, talvez seja o caso de não comentar nada.

Conclusões

Não sei se há algo específico para concluir, mas queria pedia que as pessoas agissem com mais responsabilidade e amor quando forem comentar posts/vídeos/etc de outras pessoas. Tenham boa vontade e respeito.

Há um provérbio que diz que a palavra é prata, mas o silêncio é ouro. Acho que a gente precisa refletir sobre isso.