Enchentes no Peru

Imagem de 04 de abril de 2017, do Landsat 8. Fonte: EO-NASA

Várias semanas de chuvas intensas causaram enchentes e deslizamentos no Peru. Em 04 de abril de 2017 o sensor OLI (Operational Land Imager) do satélite Landsat 8 capturaram a imagem que abre essa postagem.

Na imagem, podemos ver toda a área alagada em torno do Lago La Niña e de um rio que deságua no mar. A coloração marrom “lama” indica a coloração alagada. Em imagens de satélite do canal visível (que é o caso da imagem acima) em que vemos rios, lagos e lagoas, quando a coloração está bem marrom como no caso acima, temos um indicativo da presença de sedimentos. Ou seja, choveu bastante e temos áreas alagadas em volta dos rios, ou tivemos deslizamentos de terra nas regiões vizinhas. Mais de 180 mil casas ficaram alagadas e 91 pessoas morreram. Até um hotel colapsou e caiu quase que inteiramente no rio. O hotel ficava em uma das margens do Rio Sicra e com as chuvas fortes, houve erosão e o hotel foi destruído (veja aqui também).

Quando um rio está rico em sedimentos, podemos ver a descarga desses sedimentos no mar através das imagens de satélite. Observe na imagem acima como a região onde o rio deságua no mar (perto de Parachique) está mais “marrom” do que o mar em volta. Uma observação semelhante eu fiz nesse post sobre chuvas na Califórnia.

De acordo com a Lutheran World Relief, entidade que estimula iniciativas de desenvolvimento sustentável, as enchentes que estão atingindo o Peru desde janeiro afetaram quase 800 mil pessoas direta ou indiretamente.

Ocorre que no final do ano, quando temos padrão de El Niño, as águas litorâneas do Peru ficam mais quentes que a média. O calor favorece a evaporação e a presença de umidade aumenta as chances de tempestades severas. Chuvas torrenciais tem atingido o Peru desde janeiro deste ano e esse padrão é observado quase todos os anos, com maior intensidade em anos de El Niño mais forte.

Em março de 2016, uma situação muito semelhante ocorria na região, quando cerca de 80 pessoas morreram em decorrência das enchentes e deslizamentos.

A Lutheran World Relief ainda destaca os problemas de saneamento básico que surgem quando enchentes e deslizamentos de terra atingem uma região. Verminoses diversas podem atingir um maior número de pessoas, já que o esgoto acaba entrando nas casas. Até doenças como zika podem aumentar as chances de serem transmitidas, já que mais criadouros do mosquito acabam surgindo. O acesso a água potável fica extremamente prejudicado em situações assim. A Lutheran World Relief é uma das instituições que estão atuando em uma rede humanitária para ajudar as pessoas afetadas, sobretudo aquelas que estão isoladas devido aos alagamentos.