Como é ser uma meteorologista?



A Ândria me mandou uma pergunta muito reflexiva, que possibilita vários tipos de respostas. Ela precisava de um curto depoimento, para um trabalho escolar, explicando como é ser uma meteorologista.

Ainda há quem pense que os bacharéis em meteorologia trabalham como apresentadores da previsão do tempo nos telejornais. Será? Cortesia de Shutterstock.

Sobre a legenda da imagem acima, recomendo esse post.

Vou copiar aqui o meu depoimento, que escrevi com o maior carinho para a Ândria e vou tecer algumas considerações a respeito:

“Ser meteorologista é ter que diariamente explicar minha profissão para as pessoas. As pessoas em geral sempre ficam surpresas e curiosas quando lhes falo sobre minha profissão. Cada profissional [Meteorologista, no caso] tem uma experiência diferente, dependendo de sua área de atuação e de sua vivência. Eu trabalho com controle de qualidade de dados meteorológicos e também dou palestras para grupos escolares em meu local de trabalho. Gosto muito de meu trabalho, principalmente da parte de poder me comunicar com as pessoas e falar sobre a importância da Meteorologia e do conhecimento científico em geral.”
Agora vamos às minhas rápidas considerações a respeito desse depoimento.
Em primeiro lugar, é real essa história de ter que explicar para muitas pessoas a respeito de minha profissão. Mesmo com a impressão de que cada vez mais pessoas saibam do que se trata, pelo menos semanalmente preciso explicar isso.  Semana passada até falei sobre isso nesse post.
Vou dar um exemplo corriqueiro. Há cerca de 2 semanas eu arrebentei meu dedo na porta do carro. Fui atendida por uma ótima médica, que me perguntou a respeito de minha profissão. Quando disse que era meteorologista, ela acho interessante e diferente, que a propósito, são palavras que ouço frequentemente.
Costumam também me perguntar se vai chover ou se eu trabalho na Globo. Alguns perguntam sobre o curso, sobre o que aprendemos no curso e outros perguntam sobre o mercado de trabalho em geral. Os mais “informados” me perguntam sobre a “polêmica” do aquecimento global, muitas vezes citando “teorias” negacionistas. Alguns citam teorias de conspiração. Mas é raro, muito raro, que alguém “de fora do meio” saiba exatamente o que um meteorologista faz. Quem sabe normalmente já conhece outro meteorologista  ou é uma pessoa muito informada e que gosta de ciências.
Esses questionamentos foram uma das coisas que me levaram a escrever esse blog. Eu percebi que existe muita falta de informação e muita desinformação. E talvez a desinformação seja até pior que a ausência de informação, porque a desinformação pode se consolidar e depois fica difícil remover suas raízes.
Outro ponto importante no depoimento que dei para a Ândria é que nele eu falo de minha experiência pessoal. Cada profissional da Meteorologia vai ter uma vivência a respeito de seu trabalho e do mercado de trabalho. Foi por essa razão que consultei alguns de meus colegas quando fui escrever esse post. Além disso, aqui no blog, já tive alguns colegas que escreveram guestposts falando sobre suas experiências. Mesmo com esse interesse de ouvir outras vozes e trazê-las para meus leitores, é inevitável que eu acabe falando majoritariamente de minha experiência profissional aqui no blog. É inevitável pois só posso falar com conhecimento de causa sobre aquilo que vivo. Alguns colegas vão se identificar com algumas coisas, outros se identificarão com outras e outros não se identificarão com nada. Por essa razão, se você chegou aqui no blog procurando informações sobre essa profissão, sugiro que leia tudo o que eu disse, mas sugiro que também procure saber da experiência de outros profissionais da área.
E é verdade sim, eu gosto muito do meu trabalho. Gosto por vários motivos, mas vou elencar os principais
– Através do meu trabalho, conquistei importantes itens materiais e não-materiais;
– Eu dediquei muito tempo de minha vida e muito esforço para poder me formar e conseguir chegar até aqui. Por isso, eu valorizo muito o meu trabalho;
– Eu gosto de me comunicar com as pessoas. Gosto de escrever e de divulgar ciência e meu trabalho possibilita isso.
Porém, isso não significa que eu tenha um trabalho perfeito. Entendam uma coisa, em toda e qualquer profissão e em todo e qualquer trabalho, há momentos em que a gente quer jogar tudo para o alto e há momentos em que a gente acha que nada do que estamos fazendo vale a pena. Não existe plenitude. Eu falo sobre isso constantemente, já falei em alguns posts (como nesse) e falo também como uma forma de reforçar isso para que eu mesma possa absorver. A maioria das pessoas tem a tendência de querer apenas os bônus das coisas. Porém tudo, tudo tem ônus e precisamos conviver com eles.
Para saber mais
Muitos posts relacionados com o que eu disse já estão linkados ao longo do texto, porém recomendo esse com perguntas e respostas sobre meteorologia, pois podem acrescentar informações além das que mencionei nesse post.
Recadinho
Eu tenho recebido muitas perguntas, comentários e fotos, tanto pelo blog, quanto pela fanpage. Eu fico muito agradecida com todo retorno e toda audiência, mas vocês vão ter que esperar e na medida do possível, vou responder as perguntas de vocês. Obrigada pela visita.