Restos de estação meteorológica nazista encontrados no Ártico



A dica para esse post foi da Sybylla, uma querida blogueira do ótimo Momentum Saga, blog que adoro e que fala sobre ficção científica. Eu diria que o blog dela é um dos mais completos sobre ficção científica na língua portuguesa. Recomendo para todos que gostam do assunto.

Após a merecida propaganda para a colega blogueira que tanto admiro, vamos falar de restos tecnológicos nazistas. O próprio termo nazista assusta muito, porém aqui estamos falando de História.

Em 1943, a marinha alemã construiu uma base secreta na Terra de Alexandra (controlada pela Rússia), ilha localizada no Oceano Ártico cujo codinome era Schatzgräber (“Caçador de Tesouro”). Nessa base, havia uma estação meteorológica que tinha como objetivo fornecer previsões do tempo para navios e submarinos alemães que se aventuravam pelo ártico.

Mapa mostrando o Pólo Norte. A seta rosa indica a Terra de Franz Josef, arquipélago onde está localizada a Terra de Alexandra. Cortesia de Shutterstock.

Por muitas décadas, acreditou-se que a Schatzgräber  fosse apenas um mito.  Até que exploradores encontraram os restos da base no ano passado. Possivelmente a base foi construída em 1942, pouco depois do Terceiro Reich ter invadido a Rússia. Após a guerra, oficiais soviéticos ordenaram sua destruição. De acordo com o arqueólogo russo Evgeni Ermolov, havia apenas uma ideia muito vaga de onde ficava essa estação. Ermolov coordenou a equipe responsável pelo redescobrimento do local. Foram descobertas mais de 500 relíquias no local: documentos, material bélico, restos de uniformes, etc.

Um dos artefatos encontrados pela expedição de Ermolov. Fonte: express.co.uk

Após a destruição da base, circularam rumores de que também era uma base submarina e estava equipada com bunkers fortificados. A equipe de Ermolov não encontrou nenhuma evidência para apoiar essa teoria, mas eles descobriram os restos de um aeródromo temporário, que foi construído em julho de 1944 para que um avião de reconhecimento de longo alcance se instalasse na ilha e possivelmente evacuar a estação, entretanto também li teorias de que a evacuação foi feita por U-boat (submarino). Toda a equipe da base havia contraído triquinelose depois de comer carne de urso polar pouco cozida e teve que ser levada para a Noruega para tratamento, deixando a estação abandonada durante o resto da guerra.

A base tornou-se estrategicamente importante na Segunda Guerra Mundial justamente devido aos boletins meteorológicos que produzia, que auxiliava as operações militares no extremo norte. Os suprimentos para os militares eram enviados por ar.

Acho que o que mais chama a atenção nessa descoberta é a localização. A Terra de Alexandra (que tem esse nome em homenagem a uma nobre russa) fica a aproximadamente 80°N, quase no pólo norte. Atualmente, os dados mais próximos do Pólo Norte a que temos acesso são de uma estação na Groenlândia. 

Outra coisa que chama muito a atenção na descoberta e que já mencionei algumas vezes aqui no blog foi sobre como a Meteorologia foi ‘beneficiada’ pela guerra. É horrível constatar isso, pois dessa maneira estou vendo um ‘lado bom’ em um armistício. Gostaria de deixar claro é claro que guerras são horríveis, acredito que esse é o senso comum.  Porém é preciso fazer essa constatação certeira: várias áreas do conhecimento técnico-científico tiveram um enorme salto de desenvolvimento durante as guerras. O radar meteorológico, por exemplo, desenvolveu-se inicialmente para fins bélicos e nem era para procurar nuvens de chuva: era procurar navios e aviões inimigos e as nuvens inclusive atrapalhavam nessa procura (o Vinícius tem esse ótimo post sobre o assunto com vários links muito bons). E caminho semelhante fizeram os satélites, que deram origem aos satélites para usos científicos pacíficos (satélites meteorológicos, por exemplo), mas que inicialmente foram desenvolvidos pensando na possibilidade de espionagem.

A previsão do tempo tem um importante papel nas operações militares, pois é um elemento essencial para a organização e para a logística de toda a operação militar. Há alguns anos o Vinícius escreveu um post sobre a importância da previsão do tempo em um dos mais famosos eventos bélicos do século XX: a Invasão da Normandia. Essa estação meteorológica alemã certamente foi muito útil para o Terceiro Reich, tanto que o nome Caçador de Tesouro talvez dê uma pista sobre a importância da previsão do tempo para o Terceiro Reich e suas operações.

Bibliografia