A chegada do outono no Hemisfério Sul



Imagens magníficas do outono nas zonas temperadas, com essas folhas secas caídas ao chão. Será que na zona tropical é assim também? Discutiremos isso ao longo do post. Cortesia de Pixabay

Hoje (dia 20/03) exatamente às 13h14min, teremos a chegada do Outono, astronomicamente falando. Isso significa que o Hemisfério Sul e o Hemisfério Norte, a esse horário, estarão recebendo exatamente a mesma quantidade de radiação solar.

Astronomicamente, às 13h14min do dia 20 de março, teremos o Equinócio de Outono. Equinócio é uma palavra que vem do latim: aequus (igual) e nox (noite), que significa ‘noite igual’. O momento do equinócio é definido como o ponto onde o centro do disco solar cruza uma linha imaginária no céu chamada equador celeste, que é a projeção do equador terrestre no céu.

Já falei sobre a chegada do outono e sobre as estações do ano de um modo geral em outros posts. Destaco:

A leitura desses posts que indiquei acima vai possibilitar o entendimento do que são as estações do ano do ponto de vista astronômico. Mas o que a chegada do outono significa do ponto de vista meteorológico? Teremos as folhas caindo no quintal?

Quem é mais ou menos da minha idade se lembra do enorme sucesso da dupla Sandy & Junior, principalmente do CD As Quatro Estações. O CD vinha com quatro opções de capa, cada uma representando uma estação do ano.

Quando pensamos em outono, é inevitável não pensar nas folhas caindo, naquele cenário com tons marrons, alaranjados e avermelhados. Para quem mora nas zonas temperadas do planeta, é exatamente isso que acontece no outono. Só que quem está na zona tropical, que é o caso de boa parte do território brasileiro, essa noção de estações do ano bem demarcadas como primavera (flores), verão (calor), outono (folhas caindo) e inverno (frio intenso) não funciona.

Em outras palavras, nas zonas temperadas do planeta (chamamos também de latitudes médias, que são as áreas entre o Trópico de Câncer e o Círculo Polar Ártico e entre o Trópico de Capricórnio e o Círculo Polar Antártico). Na figura abaixo, as zonas temperadas estão indicadas na cor azul:

Zonas Climáticas ou Zonas Térmicas do Planeta. Fonte: Brasil Escola.

 

Nas zonas temperadas, as estações do ano são bem marcadas do jeito “didático” ou “Sandy e Jr”, que provavelmente é a definição que estamos mais acostumados, mas quem mora nas zona tropical não encontra nenhuma identificação com essa definição.

Ocorre que no passado, muitos livros didáticos utilizados no Brasil eram traduções ou versões de materiais europeus. Sendo assim, eles falavam dos climas típicos da Europa, que fica em zona temperada.

A realidade de um país tropical é totalmente diferente. Na zona tropical, é correto falar em apenas duas estações do ano: a estação seca e a estação chuvosa. A quantidade de chuva define melhor o clima na zona tropical. Já nas zonas temperadas, o que melhor define o clima é a variação de temperatura.

Nas zonas temperadas faz calor no verão e no inverno e chega a nevar em algumas áreas (mais próximas dos pólos e/ou de maior altitude). Ou seja, nas zonas temperadas a diferença entre verão e inverno em termos de temperatura realmente existe e é muito perceptível. As pessoas realmente precisam comprar roupas pesadas para o inverno.

Já um morador de Recife-PE, por exemplo, certamente mal tem roupas de inverno em seu guarda-roupa. A variação anual de temperatura é menor. E quanto mais próxima da linha do Equador for a localidade, menor é a variação anual de temperatura.

Conforme você vai se afastando da linha do Equador, a variação anual de temperatura vai ficando maior. Aqui em São Paul0-SP, por exemplo, já começamos a sentir diferenças consideráveis entre as temperaturas de inverno e temperaturas de verão. Um morador de Bagé-RS, por exemplo, pode perceber um contraste ainda maior entre verão e inverno.

Inclusive quando estive em Santa Maria-RS, percebi que muitas casas tinham ar condicionado e lareira, o que nos faz concluir que o calor é intenso no verão e faz frio no inverno a ponto da lareira precisar ser acesa.

A temperatura não varia tanto ao longo do ano nas zonas tropicais, porém a quantidade de precipitação (chuva) varia bastante ao longo do ano. Boa parte do Brasil apresenta uma estação seca e uma estação chuvosa bem demarcadas.

No Centro-Sul do Brasil (Região Sudeste, Região Sul e sul da Região Centro-Oeste), a chegada da estação chuvosa (o que ocorre na primavera) é observada com atenção, porque a agricultura depende da chuva para uma boa produtividade e essa região é a maior produtora do Brasil.

Em São Paulo-SP, por exemplo, uma boa estação chuvosa (chuvas em boa quantidade) podem abastecer os reservatórios e evitar uma crise hídrica. Infelizmente o verão 2017/2018 (DJF 2017/2018) não foi muito chuvoso: todos os meses do período apresentaram chuvas abaixo da média (veja os boletins mensais aqui). Ou seja, poderemos ter crise hídrica na estação seca (o Sistema Cantareira estava em 53,7% de sua capacidade quando consultei o site hoje 20/03). Mas essa questão hídrica será melhor tratada em um próximo post.

Há de se considerar também que chuvas intensas em São Paulo-SP também causam alagamentos, enchentes, deslizamentos de terra e todos os problemas que os moradores da cidade de São Paulo infelizmente já estão acostumados. Repare que nesse verão 2017/2018 não foram tantas as notícias sobre enchentes quando comparamos com outros anos, pois choveu abaixo da média!

Concluindo

Sendo assim, a chegada do outono em boa parte do Brasil significa que as temperaturas ficarão mais baixas no Centro-Sul do país e ficarão mais baixas quanto mais ao sul for a localidade (o pessoal da Região Sul sente que esfria mais). Quem está na Região Norte e na Região Nordeste, não sentirá mudanças significativas nas temperaturas.

E para a maior parte do país, a chegada do outono significa que a estação seca está chegando. Observe o mapa abaixo, especialmente na área que circulei em vermelho. A área circulada em vermelho indica as regiões em que a estação seca começa no outono e vai até o início da primavera. Cada um dos pequenos gráficos contidos no mapa abaixo corresponde a um gráfico de precipitação média mensal.  E cada um desses pequenos gráficos representa localidades do Brasil e localidades de outros países da América do Sul. Percebam que esses pequenos gráficos todos tem um formato que lembra uma letra V. A parte mais profunda do gráfico indica a precipitação entre os meses de abril e agosto, que é notadamente mais baixa que no restante do ano.

Médias mensais de precipitação em diversos pontos da América do Sul. Fonte: UBA/IAG-Master

E para finalizar, não esqueça de trocar a capinha do seu CD As Quatro Estações, de Sandy & Júnior. Mas a troca precisa ser feita hoje às 13h14min😄🍂.Quanta nostalgia!

Destaque na mídia

Quem acompanhou os telejornais Bom Dia Brasil e Bom Dia São Paulo  hoje dia 20/03 pela manhã viu a repórter Izabella Camargo trazendo excelentes informações sobre a chegada do outono. Ela esteve na Estação Meteorológica do IAG-USP para transmitir as informações ao vivo. Se você não assistiu a transmissão ao vivo, poderá conferi-la aqui. Parabéns para a Izabella e para toda equipe, tão comprometida em levar informações de qualidade sobre a chegada do outono.

Informações adicionais muito importantes

Devemos sempre lembrar que as estações Outono e Primavera são estações de transição. No caso do Outono, é a transição do verão para o inverno. As mudanças não acontecem de uma hora para outra, no momento em que dá o horário do Equinócio de Outono. Serão mudanças graduais no comportamento da atmosfera, que já estão acontecendo e marcam a transição do período chuvoso e mais quente para o período seco e mais frio (e quando me refiro à temperatura, me refiro ao caso do Centro-Sul do Brasil).

Referências

Dicas de livros

O Meteorópole é afiliado da Oficina de Textos, uma editora séria que reconhecidamente trabalha com livros de qualidade e em português dentro de diversas áreas do conhecimento.

A Oficina de Textos conta com vários títulos da área de Meteorologia e destaca-se por ser uma editora que produz material em português sobre o assunto. Quem estuda Meteorologia há algum tempo (como hobby ou profissionalmente) sabe como é difícil encontrar material em português.

Selecionei alguns títulos da área de Meteorologia e Climatologia:

Todos esses livros que listei foram escritos por autores muito qualificados e reconhecidos em suas áreas de atuação. A grande maioria deles é professor de Universidades que ministram cursos na área de Meteorologia e Climatologia. Ou seja, é material sério e bem referenciado.

Clique nos links acima para adquirir esses livros. O Meteorópole recebe comissão a cada venda que parte de nossos links. Ou seja, ao comprar esses livros você enriquecerá sua biblioteca e ajudará a manter o blog.