Henricus Martellus Germanus e o seu mapa-múndi



Figura 1 – Henricus Martellus – Mapa-múndi – 1489 – Yale Library Archives – Yale University

Hoje vamos falar do mapa-múndi {x} de Heinrich Hammer, ou ainda de Enrico Martello ou usando seu nome latinizado Henricus Martellus Germanus (e eu já vi Henrique Martelo Germânico, ou seja, há ‘traduções’ do nome dele em diversos idiomas).

A ideia para esse post surgiu a partir desse tweet, que apresenta a versão abaixo da mesma imagem que inseri no início do texto:

Figura 2 – Insularium Illustratum – Henricus Martellus  – British Library Add 15760, ff.68v-69.

A imagem que coloquei no início do texto (Figura 1) parece estar em um quadro, na Yale University. Já a imagem do tweet (Figura 2) pertence a uma publicação chamada Insularium Illustratum, de 1495 por Henricus Martellus e faz parte do acervo da British Library. Vamos falar um pouco mais sobre a história desse mapa.

O Insularium Illustratum e o Mapa-Múndi de Martellus

O Insularium Illustratum (1495) foi originalmente baseado no Liber insularum Archipelagi, de Cristoforo BuondelmontiTrata-se de uma publicação que originalmente continha mapas de ilhas mediterrâneas, mas outras ilhas foram acrescentadas. No Insularium, Martellus incluiu também textos e mapas publicados em seu outro trabalho, Cosmographia. Em 1490, Martellus colaborou com Francesco Rosselli para produzir um mapa em papel velino e gravura de cobre (Figura 1, provavelmente). Foi provavelmente baseado no mapa feito por Bartolomeu Colombo (cartógrafo irmão de Cristóvão Colombo) em Lisboa (por volta de 1492).  O Globo de Nuremberg, globo terrestre feito por Martin Behain, provavelmente baseou-se nesse mapa de Bartolomeu Colombo também.

A cópia de parede do mapa (Figura 1) é parte do acervo da Beinecke Rare Book and Manuscript Library, Yale University. No entanto, há edições do Insularium Illustratum (que contém outros mapas, não apenas esse mapa-múndi) na British Libraty (Figura 2), na Biblioteca Medicea Laurenziana em Floreça (Firenze), e na Leiden University Library (Holanda) {x}.

O mapa-múndi de Martellus tem alguns aspectos bem interessantes. O sul da África conta com uma passagem, o Cabo das Tormentas (Cabo da Boa Esperança), caminho descoberto alguns anos antes por Bartolomeu Dias {x}. O mapa de Martellus tinha influências ptolomaicas, ou seja, usou informação das tabelas de Ptolomeu (87-50 a.C.) para ser desenvolvido. E os terraplanistas vão ficar frustrados agora: as informações de Ptolomeu (observações) já davam conta da curvatura da Terra, tanto que os primeiros mapas construídos com esses dados já resultavam numa aparência distorcida (devido a curvatura da Terra) {x}{x}, o que futuramente fez com que houvesse a necessidade de se pensar em projeções cartográficas.

Outro aspecto interessante no mapa de Martellus é a  a”cauda do Dragão”, que era o nome dado para uma península fantasma no sudeste da Ásia. Essa península fantasma formava a costa leste do Golfo da Tailândia a leste da Chersonesus Aurea (Malásia). O mapa de Martellus é provavelmente o primeiro mapa ptolomaico que contém a cauda do Dragão, já que mapas anteriores mais ou mesmo do mesmo período deixavam o Oceano Índico cercado por terra. 

As imagens do Insularium Illustratum podem ser baixadas aqui. E uma dica bem interessante para quem também gosta de mapas antigos é o oldmapsonline.org, onde você pode selecionar uma área da Terra em um mapa moderno (do Google Maps) e ao lado poderá ver mapas antigos que mostram a área selecionada. Não encontrei mapas da época Renascentista ou anteriores, mas tem muita coisa dos séculos XVIII em diante.

Indicação de livro

O Meteorópole é afiliado da Oficina de Textos, uma editora séria que reconhecidamente possui livros de qualidade em português para diversas áreas do conhecimento. Um livro da área de cartografia muito indicado para quem está começando seus estudos na área é Roteiro de Cartografia, de autoria de Paulo Márcio Leal de Menezes e Manoel do Couto Fernandes.

Apresenta de forma clara e didática os principais conceitos clássicos e modernos da cartografia, sua relação com o geoprocessamento e os problemas e impactos causados com a integração de diferentes documentos cartográficos. O livro aborda, entre outros temas, as diversas transformações cartográficas (geométrica, projetiva e cognitiva), os sistemas geodésicos de referência, a cartografia digital e o geoprocessamento. {x}

Para comprar esse ótimo livro e ajudar o Meteorópole (que recebe comissão pelas vendas que partirem do blog), clique aqui.