São Paulo ainda é a Terra da Garoa?

Sim, São Paulo ainda é a terra da garoa. É normal que haja algumas flutuações no clima e perceba-se que em alguns anos ocorre mais ou menos de um determinado fenômeno do que aquilo que se está acostumado. Na Figura 1 a seguir, vemos a quantidade de dias de garoa a cada ano (desde 1933) registradas na Estação Meteorológica do IAG-USP (que fica nas proximidades do Jardim Zoológico de São Paulo). Nessa figura, vemos que alguns anos possuem mais garoa que outros, mas de um modo geral, traçando uma reta de tendência, há uma tendência muito pequena na redução de número de dias com garoa. Segundo a equação escrita no gráfico, de 1933 até 2010 houve uma redução de aproximadamente 3 dias com ocorrência de garoa, o que é muito pouco e não é nada significativo, principalmente porque a quantidade de dias com garoa entre um ano e outro pode variar bastante.

O que ocorre na minha opinião é que a cidade ficou muito urbanizada ao longo dos anos e as pessoas passam menos tempo ao ar livre. Então a garoa ocorre, mas muitas vezes ela nem é notada.

Uma outro ponto a ser observado é a questão da ilha de calor urbano. No passado, a brisa marítima chegava na cidade de São Paulo trazendo bastante ar úmido, que ajudava a formar a garoa. A ilha de calor urbano fez com que boa parte da brisa marítima se dissipasse. Isso pode ter contribuído para uma possível redução da ilha de calor urbano, embora os dados da Figura 1 mostrem que há uma tendência muito pequena de redução da quantidade de dias com garoa.

Figura 1: Número de dias com garoa em todos os anos de funcionamento da Estação Meteorológica, de 1933 até 2010 . A linha preta representa a reta de tendência, ajustada matematicamente pela equação acima representada.

Leia mais sobre o assunto aqui.